Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural

Sergio Paulo Rouanet

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.07.2022
23.02.1934 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
03.07.2022 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Sergio Paulo Rouanet (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1934 - idem, 2022). Diplomata, ensaísta, filósofo, tradutor, professor universitário. Diplomata de carreira desde os anos 1950, destaca-se como tradutor no Brasil do filósofo alemão Walter Benjamin (1892-1940) e pela criação da Lei Rouanet, lei brasileira de incentivos fiscais à cultura.

Texto

Abrir módulo

Sergio Paulo Rouanet (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1934 - idem, 2022). Diplomata, ensaísta, filósofo, tradutor, professor universitário. Diplomata de carreira desde os anos 1950, destaca-se como tradutor no Brasil do filósofo alemão Walter Benjamin (1892-1940) e pela criação da Lei Rouanet, lei brasileira de incentivos fiscais à cultura.

Aos 20 anos começa a escrever para o "Suplemento Literário" do Jornal do Brasil, onde publica artigo semanalmente para a coluna “Eles pensaram por nós”.  Em 1955, gradua-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). No mesmo ano inicia sua preparação para a carreira de Diplomata no Instituto Rio Branco, também no Rio de Janeiro.

Assume o posto de Terceiro Secretário na Embaixada do Brasil em Washington, entre 1959 e 1961. Inicia em 1960, cursos de pós-graduação em Economia pela Universidade George Washington e Ciências Políticas, Georgetown University, ambas em Washington e Filosofia, na New York School for Social Research, em Nova York.

Em 1980, torna-se doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP). Dois anos depois, elabora estudo que influencia a concepção da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e a constituição da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (Gestores Governamentais).

Traduz em 1985, o primeiro volume da Obras Escolhidas - Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da Cultura de Walter Benjamin, publicado pela Editora Brasiliense que contém alguns dos mais importantes textos do filósofo, tais como: “Sobre o conceito da História”, “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica” e “Pequena História da Fotografia”.

É convidado pelo presidente Fernando Collor de Mello (1949) para assumir o cargo de Secretário de Cultura da Presidência da República entre 1991-1992, sendo o responsável pela criação da Lei 8.313/1991, conhecida como Lei Rouanet, que nasce do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e serve de estímulo financeiro para a realização de projetos artísticos no Brasil1.

Em 2016, torna-se o primeiro titular da Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência, projeto do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP) em parceria com Itaú Cultural, criada em 2015, como “um espaço para discutir e promover atividades voltadas ao universo das artes com foco na gestão cultural. Seu objetivo é fomentar reflexões interdisciplinares sobre temas acadêmicos, artístico-culturais e sociais nos âmbitos regional e global”2.

Em 2020, é criado o Instituto Rouanet, associação sem fins lucrativos, com o objetivo de preservar e ampliar o legado intelectual e cultural do casal Sergio Paulo Rouanet e Barbara Freitag (1941), o instituto localiza-se em uma casa do século XVIII, na cidade de Tiradentes, Minas Gerais.

Paulo Sérgio Rouanet cria um legado para a gestão cultural brasileira ao usar sua formação jurídica para pensar aparatos de incentivo para a produção artística do país, envolvendo importantes parcerias entre os setores público e privado.
 
Nota

1. A lei permite que pessoas físicas e jurídicas destinem verba para atividades culturais selecionadas através de inscrição e processos de avaliação. Esses apoiadores, recebem abatimento de valores devidos à Receita Federal no momento da declaração do imposto de renda. Os produtores responsáveis por essas atividades ou produtos culturais, devem buscar esses possíveis apoiadores e estabelecer contato e devem também, prestar contatos ao longo ou ao final do projeto de todo gasto e investimento bem como do produto apresentado.

2. REZENDE, Fernanda. A Cátedra. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 18 fev. 2016. Disponível em: http://www.iea.usp.br/pesquisa/catedras-e-convenios/catedra-olavo-setubal-de-arte-cultura-e-ciencia/catedra-olavo-setubal. Acesso em: 03 jul. 2022.

Obras 17

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: