Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Paulo Reis

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.09.2017
29.08.1952 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Paulo Sergio Moraes Rego Reis (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1952). Diretor e ator. Destaca-se nos anos 1980 ao dirigir os espetáculos do Pessoal do Despertar, grupo que funda e coordena com a atriz Maria Padilha (1960).

Texto

Abrir módulo

Biografia

Paulo Sergio Moraes Rego Reis (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1952). Diretor e ator. Destaca-se nos anos 1980 ao dirigir os espetáculos do Pessoal do Despertar, grupo que funda e coordena com a atriz Maria Padilha (1960).

De 1972 a 1976, faz sua formação na escola de Maria Clara Machado (1921 - 2001), O Tablado. Durante os anos de 1976 e 1977, participa do Grêmio Dramático-recreativo Unidos da Ribalta, grupo político-teatral com atuação nas favelas do Rio de Janeiro, voltado para a conscientização e para o fomento de uma revolução pela arte engajada na cultura popular.

Em 1979, une-se ao projeto dos atores Maria Padilha e Miguel Falabella (1956) de montar O Despertar da Primavera, do alemão Frank Wedekind, escrito em 1890. Nove meses depois, o espetáculo estréia na zona norte do Rio de Janeiro, em uma sala pequena adaptada para esse fim. A encenação causa simpatia aos críticos mais severos, abordando a ação repressiva à sexualidade dos jovens, com uma neutralidade não maniqueísta que torna o tema uma metáfora de qualquer forma de repressão. O crítico Yan Michalski (1932 - 1990) considera que "o resultado da encenação de Paulo Reis é surpreendentemente convincente e competente".1 O diretor substitui a dramaticidade do texto por uma estilização que impõe aos atores o deslocamento de um extremo ao outro da sala, não constrói o ambiente cenográfico proposto pelo texto e distribui os 27 papéis pelos nove atores do elenco. Com o Pessoal do Despertar, Paulo Reis dirige mais quatro espetáculos. Com exceção de Delito Carnal, de Eid Ribeiro, 1980, todas as montagens partem, como a primeira, de textos clássicos da dramaturgia universal: Happy End, de Bertolt Brecht e Kurt Weill, 1980; A Tempestade, de William Shakespeare, 1982; O Círculo de Giz Caucasiano, de Bertolt Brecht, 1983. A cada espetáculo o diretor propõe um espaço diferente da disposição convencional das salas e este espaço acaba sendo o próprio cenário. O crítico Flávio Marinho considera que o maior mérito da direção de O Círculo de Giz Caucasiano é a unidade e a fluência na passagem das cenas de ternura às cômicas e às aventurescas, das cenas intimistas aos momentos de efeito (a entrada em cena de uma motocicleta ou a travessia de um telhado a outro, em uma frágil ponte). Segundo ele, "é o visual do espetáculo que reina, soberano. A partir de um espaço elisabetano bem aproveitado, a direção sabe explorar não só a arquitetura do pátio interno da Mansão Lage, como o reflexo do espetáculo no lago".2

Paralelamente, Paulo Reis dirige uma outra companhia de jovens. Em 1981, a Marxmellow Internacional Troupe, com a estréia de Os Banhos, de Vladímir Maiakóvski, marca a estréia teatral de Patrícia Pillar, Luciana Braga, Felipe Martins e Solange Badin, entre outros. Em 1983, ele faz a assistência de direção de Ron Daniels na montagem de Julius Caesar, de William Shakespeare, da Royal Shakespeare Company.

Sua próxima montagem, já sem o Pessoal do Despertar é Lorenzaccio, de Alfred de Musset, 1984. A ação se começa na rua, prossegue no foyer e se encerra no porão. A encenação se apropria da própria ambientação do teatro  e seus elementos como cenografia, e distribui entre poucos atores as dezenas de personagens. Enquanto o crítico do Jornal do Brasil considera que ela vai pouco além de trazer a público um texto inédito no país, o crítico de O Globo, fazendo restrição ao elenco e à falta de direção na interpretação, escreve que o diretor realiza "golpes de mestre" em efeitos de grande impacto visual e que "o espetáculo termina sendo uma celebração do ofício de fazer teatro, cheia de soluções muito inteligentes e criativas".3

Em 1987, encena, sob a lona do Circo Delírio, espaço cultural montado na zona sul da cidade, Senhor Puntila e seu Criado Matti, de Bertolt Brecht. A crítica considera que o excesso de formalismo circense banaliza o texto e empobrece os personagens. No ano seguinte, Reis dirige uma remontagem de Bailei na Curva, de Júlio Conte, com grande êxito de público. Seguem-se Quatro num Quarto, de Valentin Kataev, 1989; Batom e Paraquedas, de William Mastrosimone, 1990; Amor e Confusão, de Arthur Schnitzler, 1992, e Julius Caesar, de William Shakespeare, 1994.

Paulo Reis, à frente do Pessoal do Despertar, assim como Buza Ferraz (1950 - 2010), com o Pessoal do Cabaré, é um dos poucos diretores que consegue agregar e manter um conjunto de atores nos primeiros anos da década de 80 - sintoma da mudança do panorama teatral em relação a década anterior, tão rica em grupos à margem do mercado cultural. Retoma, nesse período, os clássicos da dramaturgia mundial, imprimindo uma energia jovem e vigorosa aos seus espetáculos.

Notas

1. MICHALSKI, Yan. O despertar de um novo grupo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 out. 1979.
2. MARINHO, Flávio. Um círculo de giz brasileiro e desnecessariamente longo. O Globo, Rio de Janeiro, 17 out. 1983.
3. MARINHO, Flávio. Um espetáculo de alta voltagem. O Globo, Rio de Janeiro, 14 ago. 1984.

Espetáculos 30

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Paulo Reis (ficha curricular) In: _________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculos: A Tempestade - 1982; Senhor Puntilla e seu Criado Matti - 1987; Baton e Paraquedas - 1990. Não catalogado
  • MARINHO, Flávio. Um círculo de giz brasileiro e desnecessariamente longo. O Globo, Rio de Janeiro, 17 out. 1983.
  • MICHALSKI, Yan. O despertar de um novo grupo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 out. 1979.
  • REIS, Paulo. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: