Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Daniel Acosta

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.06.2021
29.11.1965 Brasil / Rio Grande do Sul / Rio Grande
Registro fotográfico Cia de Foto/Itaú Cultural

Riorotor, 2008
Daniel Acosta
Alumínio, tecido com padrão madeira, rodinhas, trilho, motor, acrílico e fluorescentes
Acervo: informação não encontrada

Daniel Albernaz Acosta (Rio Grande, Rio Grande do Sul, 1965). Escultor, desenhista, gravador, professor. Faz curso de fundição em bronze com Elvo Benito Damo (1948), em Curitiba, em 1986. No ano seguinte, forma-se em desenho e artes plásticas, com habilitação em escultura, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. Fr...

Texto

Abrir módulo

Daniel Albernaz Acosta (Rio Grande, Rio Grande do Sul, 1965). Escultor, desenhista, gravador, professor. Faz curso de fundição em bronze com Elvo Benito Damo (1948), em Curitiba, em 1986. No ano seguinte, forma-se em desenho e artes plásticas, com habilitação em escultura, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. Freqüenta workshops com José Resende (1945), Mílton Machado (1947), Artur Lescher (1962) e Ricardo Basbaum (1961), entre outros.

É professor de escultura do Instituto de Letras e Artes da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), a partir de 1989. Reside em São Paulo desde 1994. Em 1997, é publicado pela Edusp o livro Daniel Albernaz Acosta, com texto de Tadeu Chiarelli. Conclui mestrado em poéticas visuais pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) em 1999, com orientação de Carmela Gross (1946) em tese intitulada Transfigurações: O Mesmo Como Outro.

Em 2002, participa da 25ª Bienal Internacional de São Paulo, com a série de trabalhos Paisagens Portáteis, tema de sua tese de doutourado, concluído em 2005. Em 2009, participa da 7ª Bienal do Mercosul, com a obra Kosmodrom. Além de suas atividades como artista, é professor de escultura na UFPel.

Análise

Em trabalhos realizados até o início da década de 1990, o artista parte de motivos visuais relacionados à arquitetura tradicional de Pelotas, interior do Rio Grande do Sul, onde vive. Inspira-se principalmente nos ornamentos arquitetônicos de construções em estilo eclético ou art nouveau, e também nos tapumes que ocultavam a demolição de muitos desses edifícios. Como nota o historiador da arte Tadeu Chiarelli, os trabalhos de Acosta, realizados principalmente em lâminas compensadas de cor púrpura, representam a intersecção poética entre o tapume e o ornamento. O artista reside em São Paulo a partir de 1994 e, o impacto da metrópole, produz grande mudança em sua produção. Passa a empregar a fórmica e o gesso, materiais de caráter mais frio e impessoal. Posteriormente, utiliza também a fotografia e o vídeo em suas obras.

Sua produção mantém constante diálogo com a história da arte, como em Marat (1995) que remete ao quadro de Jacques-Louis David (1748 - 1825), ou em Observatório (1995) que faz referência a Marcel Duchamp (1887 - 1968). A obra de Acosta não se limita às regras da escultura contemporânea, mas as ultrapassa, tratando de outras questõe relacionadas ao corpo e à sexualidade.

Obras 5

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Eduardo Ortega

Marat

Compensado laminado e fórmica
Registro fotográfico Cia de Foto/Itaú Cultural

Riorotor

Alumínio, tecido com padrão madeira, rodinhas, trilho, motor, acrílico e fluorescentes
Reprodução fotográfica David Guillaume

Sem Título

Gesso

Debates 2

Abrir módulo

Exposições 104

Abrir módulo

Feiras de arte 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo
  • 8ª Bienal do Mercosul. Disponível em: http://www.bienalmercosul.art.br/artista/291. Acesso em: 3 nov. 2011.
  • ACOSTA, Daniel. Daniel Acosta. Apresentação Tadeu Chiarelli; fotografia David Guillaume. São Paulo: Casa Triângulo, 1995. f. dobrada, il. p.b.
  • ACOSTA, Daniel. Daniel Albernaz Acosta. Texto crítico Tadeu Chiarelli; fotografia Carmem Salazar, David Guillaume, Eduardo Giannini Ortega, Elaine Tedesco, Giovana Ronna, Romulo Fialdini, Sérgio Brenner. São Paulo: Edusp, 1997. 122 p. il. color. (Artistas da USP, 8). ISBN 85-314-0376-6.
  • ACOSTA, Daniel. Transfigurações. Projeto gráfico Paulo Silveira; apresentação Maria Ivone dos Santos; curadoria Maria Amélia Bulhões Garcia. Porto Alegre: Instituto de Artes da UFRGS, 1999. folha dobrada, il. color.
  • AO CUBO. Curadoria Luciana Brito, Martin Grossmann; fotografia João Luiz Musa. São Paulo: Paço das Artes, 1997. s.p. il.
  • ARTE brasileira contemporânea: doações recentes/96. São Paulo: MAM, 1996. 45 p., il. p&b color.
  • Bienal de Artes Visuais do Mercosul, 2., 1999, Porto Alegre, RS. II Bienal de Artes Visuais do Mercosul: catálogo Geral. Curadoria Fábio Magalhães. Porto Alegre: Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, 1999. 264 p.
  • CASSIANO, L. Daniel Acosta. In: Arte gaúcha contemporânea. Porto Alegre: Casa de Cultura Mário Quintana, 1991. 70 p., il. p&b. p.32.
  • CENNI, Roberto (Coord.). Território expandido. Prêmio Multicultural Estadão 1999 . Fotografia Eduardo Giannini Ortega; curadoria Angélica de Moraes; apresentação Danilo Santos de Miranda, Roberto C. Mesquita; texto Angélica de Moraes. São Paulo: SESC SP, 1999. paginação irregular, il. color.
  • CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
  • CHIARELLI, Tadeu. Daniel Acosta: o encarnado e o estranho. Revista de Artes da ILA/UFPEL, Pelotas, v. 1, n. 1, p. 71-79, set. 1995.
  • CHIARELLI, Tadeu. Os relevos não relevos de Daniel Acosta. Zero Hora, Porto Alegre, 29 ago. 1992. p. 5-6.
  • EX- CULTURAS. Texto John Cage. Pelotas: Fundapel, 1991. s.p.
  • SALÃO NACIONAL VICTOR MEIRELLES, 6. , 1998, Florianópolis, SC. 6º Salão Nacional Victor Meirelles. Curadoria Charles Narloch. Florianópolis: MASC, 1998.
  • TREVISAN, Ricardo (Coord.). Amanhã, hoje: a Casa Triângulo de 1988 a 1995. Curadoria Maria Izabel Branco Ribeiro; texto Tadeu Chiarelli. São Paulo: Casa Triângulo, 1995. 63 p., il. p&b color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: