Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Dalcídio Jurandir

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.10.2021
10.01.1909 Brasil / Pará / Ponta de Pedras
16.06.1979 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Dalcídio Jurandir Ramos Pereira (Vila de Ponta de Pedras, Pará, 1909 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979). Romancista, jornalista e professor. Com 1 ano de idade muda-se com a família para Vila de Cachoeira, Pará. Com 13, transfere-se com a família para a capital do Estado, Belém, onde mora até 1928, quando vai para o Rio de Janeiro. Abandona...

Texto

Abrir módulo

Dalcídio Jurandir Ramos Pereira (Vila de Ponta de Pedras, Pará, 1909 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1979). Romancista, jornalista e professor. Com 1 ano de idade muda-se com a família para Vila de Cachoeira, Pará. Com 13, transfere-se com a família para a capital do Estado, Belém, onde mora até 1928, quando vai para o Rio de Janeiro. Abandona o estudo formal e trabalha como garçom e revisor na revista Fon-Fon. Volta a Belém e assume cargos públicos, além de colaborar com a imprensa local. Comunista declarado, participante ativo da Aliança Libertadora Nacional (ALN), na década de 1930, enfrenta perseguições políticas, é preso duas vezes. Em 1938, de volta à vila natal, na Ilha de Marajó, atua como inspetor escolar. Dois anos depois, publica seu primeiro romance, Chove nos Campos de Cachoeira, iniciando uma série de relatos ficcionais que fica conhecida como Extremo Norte. Nos anos 1940, volta a viver no Rio de Janeiro, publica mais um romance, Marajó, e trabalha como redator do Serviço Especial de Saúde Pública, do governo federal. Atua também como jornalista, escrevendo no jornal O Radical e na revista Diretrizes. Em 1952, viaja para a União Soviética e, apresentado e promovido pelo romancista Jorge Amado (1912-2001), tem uma de suas obras traduzidas para o russo. Depois de viagem ao Rio Grande do Sul, pretende iniciar uma outra série de ficção, Extremo Sul, e escreve um primeiro romance, Linha do Parque, mas não dá continuidade a esse ciclo. Embora citado entre autores de tendência regionalista, essa é certamente uma das características de sua obra, focada na Região Norte do Brasil, Dalcídio se destaca pela complexa construção interior de seus personagens, individualizando a trama e valorizando as transformações pessoais em seus romances. Anuncia sua aposentadoria como escritor em 1971. Em 2003, na Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, é criado o Instituto Dalcídio Jurandir, que recebe dos filhos do romancista todo o seu acervo particular, com mais de 750 livros de sua biblioteca, além de suas correspondências com Jorge Amado, Graciliano Ramos (1892-1953) e com o pintor Candido Portinari (1903-1962) e os originais de diversos romances seus.

Obras 11

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 2

Abrir módulo
  • FREIRE, José Alonso Torres. Entre construções e ruínas: uma leitura do espaço amazônico em romances de Dalcídio Jurandir e Milton Hatoum. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • NUNES, Benedito; PEREIRA, Soraia Reolon; PEREIRA, Ruy. Dalcídio Jurandir, romancista da Amazônia. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa: Secult, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: