Artigo da seção pessoas Rubens Matuck

Rubens Matuck

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deRubens Matuck: 17-01-1952 Local de nascimento: (Brasil / São Paulo / São Paulo)
Imagem representativa do artigo

Gravuras em Metal de Rubens Matuck [álbum] , 1986 , Rubens Matuck

Biografia

Rubens Matuck (São Paulo, São Paulo, 1952). Ilustrador, gravador, pintor, escultor, desenhista, designer gráfico, professor. Forma-se em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), em 1977. Frequenta ateliês de pintura de Aldemir Martins (1922-2006)Flexor (1907-1971); de gravura de Evandro Carlos Jardim (1935)Renina Katz (1925), e de escultura de Van Acker (1931-2000). Na década de 1980, completa a sua formação com cursos de fotogravura, com Thereza Miranda (1928); de linguagem fotográfica, com Cláudio Kubrusly; de fabricação de papel artesanal, com Otávio Roth (1952-1993); e de pintura a óleo, com Jorge Mori (1932). Entre 1968 e 1994, trabalha como ilustrador para diversos jornais e revistas, como Última Hora, Jornal da Tarde, Folha da Tarde, O Estado de S. Paulo, Playboy, Visão, Exame, Claudia, IstoÉ, entre outros. Produz logotipos, trabalhos de tipografia, além de ilustrações e capas para livros infantis. Em 1979, funda a Editora João Pereira, em São Paulo, com Feres Lourenço Khoury (1951), Luise Weiss (1953) e Rosely Nakagawa. Escreve e ilustra uma série de livros infantis, como O Cerrado, O Pantanal, A Amazônia, série de 1987; Tudo É Semente, 1993, com Carlos Matuck (1958)Plantando uma Amizade, 1996; Aldemir Martins, 1999, com Nilson Moulin. Em 1993, recebe o Prêmio Jabuti pela ilustração do livro infantil O Sapato Furado, de Mario Quintana (1906-1994).

Análise

A obra de Rubens Matuck se beneficia do aprendizado e da experiência com diferentes modalidades de expressão artística: pintura, aquarela, desenho, gravura e fotografia. A gravura, que ocupa papel destacado nessa produção, tem início em 1972. No trabalho observa-se a opção pelas técnicas diretas (como a ponta-seca), que prescinde de ácidos e de elementos mediadores entre o gesto, a madeira ou a chapa de metal. Em relação à obra gráfica, os críticos assinalam a precisão técnica do desenhista e a preocupação com a composição. As paisagens, figuras humanas e animais, como em Peixes, 1985/1987, anunciam preferências do artista, que também realiza retratos.

O interesse pelo Brasil - meio físico, tipos humanos e modos de vida - se manifesta cedo e dá origem a uma série de viagens pelo país, que passam a constituir o eixo central dessa obra. A cada viagem, um caderno (mais de 80 no total), em que são registrados topografias, morfologias, ecossistemas, plantas e animais de todo tipo. Nos roteiros traçados, o artista-viajante, de forte vocação etnográfica, recolhe e classifica o que encontra: sementes, folhas de árvores, fotos, escritos, brinquedos populares etc. E, como um bricoleur, constrói suas obras com o auxílio de técnicas diversas: aquarela, pastel, lápis de cor, fotografia. Os escritos completam os registros plásticos. Nesse sentido, nota-se uma continuidade entre as produções visual e literária, realizadas de modo paralelo e complementar, além de fortemente comprometidas com a educação e com a defesa do meio ambiente. Não por acaso, o público infantil é alvo privilegiado do trabalho formador e engajado de Rubens Matuck.

Outras informações de Rubens Matuck:

  • Outros nomes
    • Rubens Matuck
  • Habilidades
    • escultor
    • professor de artes plásticas
    • gravador
    • Pintor
    • desenhista
    • Ilustrador
    • Arquiteto
    • designer gráfico
  • Relações de Rubens Matuck com outros artigos da enciclopédia:

Obras de Rubens Matuck: (29) obras disponíveis:

Todas as obras de Rubens Matuck:

Exposições (37)

Artigo sobre A Mata

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioA Mata: 29-08-1991  |  Data de término | 27-10-1991
Resumo do artigo A Mata:

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Artigo sobre 3ª Bienal Barro de América

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de início3ª Bienal Barro de América: 05-1998  |  Data de término | 08-1998
Resumo do artigo 3ª Bienal Barro de América:

Centro de Arte de Maracaibo Lia Bermúdez (Maracaibo, Venezuela)

Todas as exposições

Fontes de pesquisa (9)

  • A MATA. Curadoria Gláucia Amaral; texto Ana Mae Barbosa, Vera Novis, Maria Izabel Branco Ribeiro, Flavia Gonzalez Rosseti, Maria Luiza Villas-Bôas, Marcos Moraes. São Paulo: MAC/USP, 1991. [36 p.], il. p.b. color.
  • ATELIÊ calcográfico Iole: 15 anos. Apresentação Danilo Santos de Miranda. São Paulo: Sesc, 1995. , il.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural : Cosac & Naify, 2000.
  • IMPRESSÕES: a arte da gravura brasileira. Curadoria Heloísa de Queiroz Telles Arrobas Martins. São Paulo: Espaço Cultural Banespa - Paulista, 1998.
  • MATUCK, Rubens. Cadernos de viagem. Texto Norval Baitelo Junior; apresentação Edgar da Silva Ramos. São Paulo: Terceiro Nome, 2003. 90 p., il. color.
  • MATUCK, Rubens. Rubens Matuck. São Paulo, Escritório de Arte Val de Almeida Jr., 1993.
  • MATUCK, Rubens. Rubens Matuck. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1987. , il. p&b. color., fot.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1987, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1987: arte sobre papel. São Paulo: MAM, 1987.
  • VIAGEM a Urupin: cinco visões de um planeta. São Paulo: MASP, EB ART Escritório br. 12.p il. color.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • RUBENS Matuck. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa18856/rubens-matuck>. Acesso em: 23 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7
abrir pesquisa
;