Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Claudia Andujar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.07.2022
12.06.1931 Suíça / a definir / Neuchâtel

Yanomami, 1974
Claudia Andujar
Matriz-negativo

Claudia Andujar (Neuchâtel, Suíça, 1931). Fotógrafa. Destaca-se pelo trabalho artístico desenvolvido especialmente com a tribo yanomami. Nasceu na Suíça e, em seguida, a família se muda para Hungria. Com a perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, emigra para os Estados Unidos. Transfere-se para São Paulo em 1957. Dedica-se à foto...

Texto

Abrir módulo

Claudia Andujar (Neuchâtel, Suíça, 1931). Fotógrafa. Destaca-se pelo trabalho artístico desenvolvido especialmente com a tribo yanomami. Nasceu na Suíça e, em seguida, a família se muda para Hungria. Com a perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, emigra para os Estados Unidos. Transfere-se para São Paulo em 1957. Dedica-se à fotografia e trabalha para publicações nacionais e internacionais, como as revistas Realidade, Claudia e Life. Também leciona fotografia em vários cursos, entre eles o do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp). Na década de 1970, compõe a equipe de fotógrafos de Realidade e realiza ampla reportagem sobre a Amazônia. Nessa época, recebe bolsa da Fundação Guggenheim e, posteriormente, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para estudar os índios yanomamis. Permanece na tribo durante cinco anos. A observação do modo de vida e das tradições yanomani tem sido o fio condutor de sua atividade como fotógrafa desde então.

Participa, entre 1978 e 1992, da Comissão pela Criação do Parque Yanomami e coordena a campanha pela demarcação das terras indígenas e luta pelos seus direitos. Entre 1993 e 1998, atua no Programa Institucional da Comissão Pró-Yanomami. Publica, entre outros os livros, Amazônia, em parceria com George Love (1937-1995), pela editora Praxis, em 1978; Mitopoemas Yanomami, pela Olivetti do Brasil, em 1979; Missa da terra sem males, pela editora Tempo e Presença, em 1982. 

Na 24ª Bienal Internacional de São Paulo (1998), apresenta imagens de cor sépia, com grandes intervenções de luz. Atrai a atenção do espectador sobretudo para os olhares e gestos dos índios. Os retratos são geralmente realizados contra fundo neutro, incidindo sobre eles a luz, como granulação dourada. Em outros trabalhos, integra em suas fotos a produção de imagens dos próprios yanomamis, como as pinturas rupestres. Ao analisar a série de fotografias Marcados, a pesquisadora Stella Senra afirma que o nome de Claudia Andujar está sempre associado ao dos Yanomani, aos quais dedica grande parte de sua obra e vida, "sem diferenciar do registro das imagens o esforço para defênde-los das consequências do contato com o branco"1. Esse comprometimento além da obra fica evidente na atividade de Andujar como ativista. 

Em 2005, é lançado o livro A Vulnerabilidade do ser, pela editora Cosac & Naify. Em 2015, inaugura a Galeria Claudia Andujar, um pavilhão dedicado a sua obra, no Instituto Inhotim, em Minas Gerais. No mesmo ano, é lançado o documentário A Estrangeira, que retrata sua vida como artista e ativista, dirigido pelo curador de seu pavilhão, Rodrigo Moura.

Pelas décadas de trabalho rigoroso e consistente, Claudia Andujar consagra-se como um nome artístico importante e permeia a sua prática criativa com o ativismo em defesa dos yanomamis.

Nota

1. SENRA, Stella. O último círculo. In: ANDUJAR, Claudia. Marcados: Claudia Andujar. São Paulo: Cosac Naify, 2009. p. 127.

Obras 15

Abrir módulo
Arquivo do artista

Êxtase

Impressão jato de tinta sobre papel canson bfk rives 310 g
Foto Eduardo Castanho/Itaú Cultural

Sem Título

Cibachrome print
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Vertical 12 [Série Marcados]

Ampliação fotográfica analógica com gelatina de prata sobre papel fibra [tríptico]

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 153

Abrir módulo

Feiras de arte 3

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Claudia Andujar - Enciclopédia Itaú Cultural
Claudia Andujar se considera uma fotógrafa humanista. Conhecer e compreender o outro é o principal objetivo de seu trabalho. Na década de 1970, ela entra em contato com a tribo indígena ianomâmi e abandona o fotojornalismo para se dedicar a um extenso trabalho de pesquisa com os índios na Amazônia. “Encontrei uma população muito sincera”, observa. Seu trabalho pressupõe uma relação de confiança com o retratado, que permite que ela traduza em imagens a percepção e a compreensão do universo de seus personagens. A necessidade de se expressar surge ainda na infância, quando Claudia começa a escrever poemas, para mais tarde passar para a pintura e, só depois, à fotografia. “Na pintura, eu me fechava. Na fotografia, eu me abri”, explica.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ANDUJAR, Claudia. A fotografia como feitiço. Texto Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: MIS, [19-?]. folha dobrada, il. p&b.
  • ANDUJAR, Claudia. Marcados: Clauda Andujar. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
  • ANDUJAR, Claudia. Yanomami . São Paulo: DBA, 1998. 103 p., il. p&b. ISBN 85-7234-123-4.
  • ARTE brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP 1920-1970. São Paulo: MAC, 1996. 44 p., il. color.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo, SP. Um e/entre outros/s. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998.
  • BRASIL: 22 de abril de 1500- 1999: 100 fotógrafos retratam o cotidiano do país em 24 horas. Brasília: Ipiranga, 1999. 212 p., il. color. ISBN 85-97718-01-0.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli / MASP de Fotografias: v. 1. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: Masp, 1991.
  • FERNANDES, Ana Rita. Arte fotográfica e estética moderna: sob o olhar do fotoclube de Goiânia. In: Estudos de Cultura Material, Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 18. n. 2, pp. 203-262. jul.- dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/anaismp/a/tFk5KLTY437R8mTCswRgTVB/?lang=pt. Acesso em: 19 jun. 2021.
  • FOTÓGRAFOS de São Paulo. São Paulo: MAC/USP, 1971. , il., p&b.
  • HERKENHOFF, Paulo (org.); PEDROSA, Adriano (org.). Marcas do corpo, dobras da alma. São Paulo: Takano, 2000.
  • INHOTIM inaugura Galeria Claudia Andujar. Instituto Inhotim, Minas Gerais. 21 nov. 2015. Disponível em: < http://www.inhotim.org.br/blog/inhotim-inaugura-galeria-claudia-andujar/ >. Acesso em 14 jul. 2016.
  • PERSICHETTI, Simonetta. Claudia Andujar revela a alma Ianomâmi. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 05 jan. 1998. Caderno 2, p. D3.
  • PERSICHETTI, Simonetta. Imagens da fotografia brasileira 2. São Paulo: Estação Liberdade: Senac, 2000.
  • REVISTA Iris Jan/fev 1979.
  • REVISTA de Fotografia - Ed. Especial, 1972.
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 4., 1955, São Paulo. 4º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1955.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: