Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Fulvio Pennacchi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
27.12.1905 Itália / Toscana / Castelnuovo di Garfagnana
05.10.1992 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Aldeia Toscana, 1941
Fulvio Pennacchi
Óleo sobre cartão, c.i.e.
50,00 cm x 45,00 cm

Fulvio Pennacchi (Villa Collemandina - Garfagnana Toscana, Itália 1905 - São Paulo, São Paulo, 1992). Pintor, ceramista, desenhista, ilustrador, gravador, professor. Em 1924, muda-se para Lucca e inicia sua formação artística freqüentando o Regio Istituto di Belle Arti (atual Istituto Superiore Artistico A. Passaglia), onde tem aulas com o pinto...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Fulvio Pennacchi (Villa Collemandina - Garfagnana Toscana, Itália 1905 - São Paulo, São Paulo, 1992). Pintor, ceramista, desenhista, ilustrador, gravador, professor. Em 1924, muda-se para Lucca e inicia sua formação artística freqüentando o Regio Istituto di Belle Arti (atual Istituto Superiore Artistico A. Passaglia), onde tem aulas com o pintor Pio Semeghini (1878 - 1964). Muda-se para São Paulo em 1929 e dedica-se à diferentes atividades até 1933, quando passa a auxiliar Galileo Emendabili (1898 - 1974) na execução de monumentos funerários. Em 1935, conhece Francisco Rebolo (1902 - 1980), passa a freqüentar seu ateliê e convive com os artistas do Grupo Santa Helena. No ano seguinte, indicado por Emendabili, trabalha como professor de desenho geométrico e artes no Colégio Dante Alighieri. Nessa mesma época integra a Família Artística Paulista - FAP e inicia a produção de painéis em afresco e óleo para residências, igrejas hotéis e outras edificações, destacando-se os afrescos de grandes dimensões para a Igreja Nossa Senhora da Paz, no bairro do Glicério, executados entre os anos de 1941 e 1948. A partir de 1952, pesquisa técnicas de policromia em cerâmica. Em 1965, inicia um período de recolhimento e mantém-se afastado das exposições e do circuito artístico. Em 1973, reabre seu ateliê e recebe diversas homenagens no Brasil e na Itália. Nesse mesmo ano conhece a ceramista Eunice Pessoa e com ela desenvolve um um grande número de peças, expostas em 1975. Sem nunca ter abandonado as atividades artísticas, volta a figurar em diversas mostras e continua a produzir painéis em afresco. Em 1980, Pietro Maria Bardi (1900 - 1999) publica um livro sobre sua obra. Nove anos depois, é lançado, pela editora Gema Design, o livro Ofício Pennacchi, organizado por Valério Antonio Pennacchi, responsável também pela publicação, em 2002, do livro Fulvio Pennacchi: Pintura Mural, editado pela Metalivros.

Análise

Em 1928, Fulvio Pennacchi forma-se em pintura pelo Regio Istituto di Belle Arti (atual Istituto Superiore Artistico A. Passaglia), na Itália, onde estuda com Pio Semeghini (1878 - 1964). Em 1929, vem ao Brasil e fixa-se em São Paulo. Como aponta o historiador da arte Tadeu Chiarelli, sua paleta no Brasil assume tons terrosos, como em Crucificação, 1931, na qual a dramaticidade do tema é ressaltada pela composição verticalizada. De 1930 a 1932, realiza trabalhos de desenho publicitário com estética moderna, ligada à cultura visual italiana no período marcado pelo futurismo e pelo retorno à ordem. Em 1933, colabora com o escultor Galileo Emendabili (1898 - 1974).

Em 1935, ao participar do Salão Paulista de Belas Artes, trava amizade com Francisco Rebolo (1902 - 1980) e passa a freqüentar seu ateliê, no Palacete Santa Helena, na Praça da Sé. Posteriormente integra o Grupo Santa Helena. Realiza pinturas com temática religiosa, como Fuga para o Egito, 1935 ou Esmola de Santo Antonio, 1938. Retrata também o homem do campo em suas atividades de trabalho, como em Colheita da Uva, 1939, ou em momentos de descanso ou lazer. Com os artistas do Grupo Santa Helena, vai aos domingos para arredores de São Paulo, onde pinta paisagens. Em seus trabalhos, porém, a figura humana é sempre integrada à paisagem. Revela interesse pela obra de Paul Cézanne (1839 - 1906) e de pintores italianos do primeiro Renascimento, como Giotto (1266 ou 1267 - 1337) e Masaccio (1401 - 1428).

Ainda nos anos de 1930, leciona desenho no Colégio Dante Alighieri. Pennacchi realiza muitos afrescos para as casas de famílias italianas de São Paulo e cidades próximas e para edifícios públicos. Como não havia aprendido a pintura em afresco na Itália, após algumas experiências consegue desenvolvê-la de maneira própria, inaugurando em São Paulo a pintura mural nessa técnica. Em 1941, é convidado a executar o projeto da Igreja Nossa Senhora da Paz, para a qual faz uma série de afrescos. Em 1949, o artista inaugura a nova residência de sua família no Jardim Europa. Para a casa, além do projeto, pinta diversos painéis e cria móveis e utensílios domésticos.

O contato com Rossi Osir (1890 - 1959) e com Cândido Cerqueira Leite, proprietário de uma indústria de porcelanas, faz com que se interesse pela cerâmica. O aprendizado da técnica ocorre de maneira autodidata e, com a pesquisa de terras e argilas brasileiras, obtém diferentes efeitos tanto de textura como de cor. O artista realiza em cerâmica diversas versões da Santa Ceia e da Via-Crucis, figuras humanas - geralmente trabalhadores -, pássaros, entre outros temas.

Pennacchi, que conhece as vanguardas artísticas do começo do século XX, nunca se filia a nenhuma delas. Procura, em sua produção, o equilíbrio entre o clássico e a modernidade, expresso na suavidade e delicadeza de suas composições e na simplicidade dos temas e figuras apresentados.

Obras 30

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

A Última Ceia

Aquarela sobre papel
Reprodução Fotográfica Romulo Fialdini

Aladino Giannotti

Têmpera vinílica sobre tela

Exposições 142

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • 40 ANOS: Grupo Santa Helena. Texto de Lisbeth R. Gonçalves. São Paulo: Paço das Artes/MIS, 1975.
  • AJZENBERG, Elza Maria (org.). Operários na Paulista: MAC USP e artistas artesãos. Apresentação Horacio Lafer Piva, Elza Maria Ajzenberg; introdução Daisy Valle Machado Peccinini de Alvarado. São Paulo: MAC, 2002. 92 p., il. p&b color.
  • ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao museu. São Paulo: Perspectiva : Diâmetros Empreendimentos, 1976. (Debates, 133).
  • BARDI, Pietro Maria. Fulvio Pennacchi. São Paulo: Raízes, 1980.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
  • FULVIO Pennachi. Apresentação de Antonio Zago. São Paulo: Galeria de Arte André, 1984.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. 500 anos da pintura brasileira. [S.l.]: Log On Informática, 1999. 1 CD-ROM.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • O GRUPO Santa Helena. Curadoria Walter Zanini, Marília Saboya de Albuquerque. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1996.
  • PENACCHI 85: 80 anos. Apresentação de Léo Grossman. São Paulo: Galeria Grossman, 1985.
  • PENNACCHI, Fulvio. Desvendando Pennacchi. São Paulo: MAB, Faap, 2000.
  • PENNACCHI, Fulvio. Pennacchi: sessenta anos de pintura. Sao Paulo: Galeria de Arte André, 1987.
  • PENNACCHI, Lucas (org.). Ofício de Pennacchi. Apresentação Francesco Milini; fotografia Horst Merkel; texto Valerio Antonio Pennacchi. São Paulo: Gema Design, 1989.
  • PENNACCHI, Valerio Antonio. Fulvio Pennacchi: pintura mural. Fotografia Romulo Fialdini; projeto gráfico Victor Burton; apresentação Francesco Milini. São Paulo: Metalivros, 2002.
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.
  • ZIMMERMANN, Silvana Brunelli. A Obra Escultórica de Galileo Emendabili: uma contribuição para o meio artístico paulistano. 2000. Dissertação (Mestrado em Artes) - Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes da Universidade São Paulo. 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: