Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

João Falcão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.06.2016
20.09.1958 Brasil / Pernambuco / Recife
João Barreto Falcão Neto (Recife PE 1958). Autor e diretor. Como autor, cria diálogos vivos, construindo um jogo lúdico de palavras e idéias a partir de situações simples. Como diretor, valoriza a expressão teatral do ator em marcações ágeis, sem assumir um ponto de vista sobre a história.

Texto

Abrir módulo

Biografia
João Barreto Falcão Neto (Recife PE 1958). Autor e diretor. Como autor, cria diálogos vivos, construindo um jogo lúdico de palavras e idéias a partir de situações simples. Como diretor, valoriza a expressão teatral do ator em marcações ágeis, sem assumir um ponto de vista sobre a história.

Depois de iniciar a carreira no Recife, onde escreve e dirige, entre outros, Xilique Peba Piriquito Xique, 1982, e Um Pequenino Grão de Areia, 1983, vai para o Rio de Janeiro na década de 90 e estréia com o musical infantil A Ver Estrelas, em que mistura uma estrutura fabular tradicional - um menino sai pelo mundo em busca de uma personagem misteriosa - a um nonsense bem-humorado. A crítica Lúcia Cerrone comenta: "A Ver Estrelas, de João Falcão, é um desses casos raros, onde o texto, de assustador palavrório, se converte, pela direção do autor, aliada à eficiência do elenco e demais elementos de apoio técnico, num dos mais brilhantes espetáculos da temporada. [...] é um espetáculo de impacto que se diferencia dos demais por levar ao público o exercício do pensamento [...]".1

No ano seguinte, João Falcão adapta e dirige O Burguês Fidalgo, de Molière - rebatizado para O Burguês Ridículo e protagonizado por Marco Nanini - em parceria com Guel Arraes. Com referências ao teatro popular, os diretores, mantendo a estrutura dramatúrgica original, fazem modificações no texto, incluindo cenas de outras peças do autor e de um prólogo em que Molière tenta imaginar um final para a peça que escreve. O crítico Macksen Luiz considera que a adaptação colabora para a comunicabilidade do espetáculo, dando-lhe humor e ingenuidade, embora os diretores, evitando o olhar crítico sobre os costumes e comportamentos, esvaziem o aspecto ácido do texto em prol de "um efeito nivelador no plano formal".2

Seguem-se duas montagens de textos de sua autoria que lhe valem dois prêmios consecutivos como autor: A Dona da História, com Marieta Severo e Andréa Beltrão, 1998, que recebe o Prêmio Shell, e Uma Noite na Lua, monólogo com Marco Nanini, 1999, que permanece três anos em cartaz e ganha o Prêmio Sharp de melhor espetáculo. Em ambas as peças, existe apenas uma personagem. Na primeira, a personagem se divide em duas - uma mulher aos 50 anos e aos 20 anos, estabelecendo um diálogo entre o passado e sua projeção de futuro e entre o presente e sua memória. Na segunda, um homem expõe o fluxo de seu pensamento. Nas duas peças, a história das personagens é um pretexto para o jogo narrativo. Novamente, segundo o crítico Macksen Luiz: "É na simplicidade com que se apropria de um jogo narrativo engenhoso, e na forma poética como despeja a carga amorosa sobre o vaivém daquilo que conta, que o texto de João Falcão provoca um envolvimento quase encantatório, capaz de tirar do derramamento romântico uma seiva que o impregna de realidade".3

Em 2000, estréia A Máquina, história de Adriana Falcão que o diretor adapta para o teatro. A crítica Mariangela Alves de Lima aponta algumas características da montagem: "No espetáculo adaptado e dirigido por João Falcão a marca de origem do herói é atenuada a amplitude mítica reforçada por recursos do espetáculo. Antônio tem o sotaque nordestino, mas multiplicou-se como um nordestino claramente alegórico. Vários atores representam o protagonista, diversificando a visualização, a tonalidade vocal e dramática do personagem. Há o amoroso, o cômico, o ardiloso, o poeta e cada faceta do personagem encontra um intérprete que o privilegia. Ao mesmo tempo, a formalização espacial do espetáculo situa essas figuras em uma arena com saídas para os quatro pontos cardeais. A sensação de multiplicidade, de que o personagem se expande, ubíqua, por todo o mundo que quer abarcar, se configura sobretudo por meio dessa representação espacial".4

Em 2001, encena Cambaio, escrito em parceria com Adriana Falcão, espetáculo com músicas de Chico Buarque, e direção musical de Lenine. Em 2002, dirige outro texto de sua autoria, Mamãe Não Pode Saber, que conta com Drica Moraes no elenco. Em todos esses espetáculos, o diretor valoriza a teatralidade em uma linguagem baseada no ritmo, na agilidade física e no jogo coletivo dos atores.

Notas
1. CERRONE, Lúcia. Viagem que deu certo. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 09 set. 1995.

2. LUIZ, Macksen. Um Molière alegre, divertido e popular. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 19 ago. 1996.

3. LUIZ, Macksen. Envolvente experiência sobre o pensar. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 01 dez. 1998.

4. LIMA, Mariangela Alves. Dinamismo de Á Maquina é sedutor. O Estado de S. Paulo, Caderno 2, 3 de novembro de 2000.

Espetáculos 51

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • FALCÃO, João. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • LUIZ, Macksen. Montagem acrobática em cenas com visual de impacto. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 11 jul. 2000.
  • LUIZ, Macksen. Sintonia de duas atrizes em um baile de histórias. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 mar. 1998.
  • Programa do Espetáculo - Cambaio - 2001. Não Catalogado
  • Programa do espetáculo - Divina Elizeth - 2008. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: