Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Fernando Coni Campos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.02.2017
15.04.1933 Brasil / Bahia / Conceição do Almeida
24.12.1988 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Fernando Luís Coni Campos (Conceição do Almeida, Bahia, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1988). Diretor de cinema, roteirista e produtor. Muda-se, quando criança, para Castro Alves e, na adolescência, para Salvador, onde se dedica às artes plásticas. Em 1951, vai a São Paulo estudar desenho, gravura e história da arte e, anos depois, para ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Fernando Luís Coni Campos (Conceição do Almeida, Bahia, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1988). Diretor de cinema, roteirista e produtor. Muda-se, quando criança, para Castro Alves e, na adolescência, para Salvador, onde se dedica às artes plásticas. Em 1951, vai a São Paulo estudar desenho, gravura e história da arte e, anos depois, para o Rio de Janeiro, estudar desenho industrial e comunicação visual.

Trabalha inicialmente com o designer gráfico Aloísio Magalhães (1927-1982) e depois com o urbanista Lúcio Costa (1902-1998) no Plano Piloto de Brasília – que origina seu primeiro filme, o curta-metragem Brasília, Planejamento Urbano (1964). Em 1960, estuda introdução à semiótica na Escola Superior da Forma, em Ulm, na Alemanha. Paralelamente, escreve os livros de poesia O Nome (1963) e Repasto Frugal (inédito). Estreia no longa-metragem com o policial Morte em Três Tempos (1964), adaptado do conto Ninguém Mais se Perderá por Luba, do escritor Luiz Lopes Coelho (1911-1975).

A partir de Brasília, realiza diversos curtas documentais, como Do Grotesco ao Arabesco (1965), Tarsila, 50 Anos de Pintura (1969) e Art Noveau (1979). Inspirado nos capítulos O Delírio e O Senão do Livro, de Memórias Póstumas de Brás Cubas, do escritor Machado de Assis (1839-1908), realiza o tropicalista Viagem ao Fim do Mundo (1967), premiado no Festival de Locarno em 1968. Com a saída do cineasta Paulo Gil Soares (1935-2000) da direção de Um Homem e Sua Jaula, adaptação do romance Matéria de Memória, de Carlos Heitor Cony (1926), Coni Campos, que já produzia o filme, assume a direção. Interditado pela censura,1 a obra não é lançada nos cinemas. Em seguida, dirige e escreve com o cineasta Renato Neumann (1943) o longa Sangue Quente em Tarde Fria (1970). Inspirado na canção País Tropical, do músico Jorge Benjor (1945), e com ele no elenco, realiza Uma Nega Chamada Tereza (1973). Realiza, em 1977, Ladrões de Cinema, buscando maior aproximação com o público. Seu último longa é O Mágico e o Delegado, inspirado no terceiro capítulo do livro Depois do Último Trem, do escritor Josué Guimarães (1921-1986), e grande ganhador do 16° Festival de Brasília, com quatro troféus, incluindo os de melhor filme e roteiro. Ainda escreve, em parceria, os roteiros de Romance (1987), de Sérgio Bianchi (1945), e Lua Cheia (1989), de Alain Fresnot (1951), entre outros não realizados.

Análise

Fernando Coni Campos dificilmente pode ser enquadrado em algum movimento ou escola cinematográfica. No Rio de Janeiro, conhece e se relaciona com a turma que forma o chamado cinema novo, sem aderir às temáticas e às formas praticadas pelos cinema-novistas. O cineasta prefere relatar um mundo que conhece, urbano, sem denúncias sobre a miséria do país. Seu primeiro longa, Morte em Três Tempos, é realizado no auge do cinema novo. Ao tratar sobre o assassinato da bela personagem Luba, Coni Campos opta por trabalhar o cinema de gênero, com cenas de violência e nudez, extirpadas depois pela censura.

Egresso de outras áreas artísticas, como as artes visuais – principalmente arquitetura, design, gravura – e a literatura, Coni Campos, ao migrar para o cinema, continua muito ligado às imagens fortes e ao texto. Dos sete longas que dirige, cinco são adaptações, quatro de livros, uma de música. O cineasta e roteirista, porém, realiza adaptações nada ortodoxas; todos os seus filmes têm forte inspiração literária, baseando-se mais no espírito das obras do que nos acontecimentos narrativos.

Seus cinco primeiros longas apresentam forte experimentalismo, aliando imagens ousadas a personagens verborrágicos e influências contraculturais. Tais características o associam ao chamado cinema marginal, em grande parte porque seus filmes são baseados em ideias do escritor Oswald de Andrade (1890-1954) – Coni Campos, inclusive, escreve o roteiro Tupy or Not Tupy?, nunca filmado. Em contrapartida, seus curtas são todos documentais, em sua maioria tratando de artes visuais, e trazem um tom educativo e professoral, com narração em off. Ele opta pelo risco, via experimentação estética e formal, em seus longas, diferindo da maioria dos cineastas brasileiros que se utilizam de curtas-metragens para tal finalidade.

Viagem ao Fim do Mundo é o filme mais emblemático de sua primeira fase. O crítico Ruy Gardnier (1976) caracteriza o longa como “radicalmente diferente de tudo que estava sendo feito no momento em cinema”. O filme-colagem – entremeado por documentários históricos, cinerreportagens e cenas filmadas para o longa, sem uma linha narrativa linear e com citações diversas a escritores, mídias e músicas – se passa numa viagem de avião de uma hora e meia de duração, em que a leitura, por um jovem, de Memórias Póstumas de Brás Cubas, desperta uma série de sensações e delírios – dele e de outros personagens. “Menos um descontrolado amontoado de citações do que a construção de uma tessitura de retalhos que constroem um novo significado a partir de signos já existentes, Viagem ao Fim do Mundo é um filme experimental na forma e instigante naquilo que tem a dizer”, complementa Gardnier em seu texto.2

Ainda que Coni Campos trabalhe com um cinema mais narrativo na primeira fase, especialmente em Morte em Três Tempos, Um Homem e Sua Jaula e Uma Nega Chamada Tereza, há uma guinada a partir de Ladrões de Cinema, quando o cineasta busca se aproximar de um público popular, utilizando uma narrativa linear, sem experimentalismos formais e com personagens populares. As influências oswaldianas permanecem, porém. No longa, favelados do morro assaltam uma equipe de filmagem norte-americana para eles mesmos fazerem um filme sobre a Inconfidência Mineira.3

Esse traço popularesco de Coni Campos é acentuado em seu último filme, O Mágico e o Delegado, um embate entre a magia da arte e a opressão do poder, em que o mágico é preso pelo delegado por ser considerado uma ameaça à autoridade. A resposta do mágico é dada com o contínuo exercício de prestidigitação e sonhos, mesmo que isso lhe custe a vida. Trata-se de um filme-testamento por sintetizar a carreira do cineasta que, em sua obra, busca se aprofundar na ludicidade e sinestesia. Porém seus filmes são interditados ou cortados pela censura do regime militar. O poder podando a arte.

Notas

1 À época o país estava sob o regime militar (1964-1985), que censurava todos os tipos de obra que considerasse subversiva, ou seja, que não se alinhassem a seu ideário.

2 GARDNIER, Ruy. A viagem de Fernando Coni Campos. In: Contracampo, edição 51. Rio de Janeiro, jul. 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2012.

3 O movimento separatista, ocorrido em 1789, pleiteia a independência da capitania de Minas Gerais do jugo português, principalmente devido à cobrança de altos impostos sobre a extração de ouro.

Obras 1

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: