Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

João do Rio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.01.2021
05.08.1881 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
23.06.1921 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1881 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1921). Cronista, contista, dramaturgo, jornalista. Filho do matemático positivista Alfredo Coelho Barreto e da dona-de-casa Florência Cristóvão dos Santos Barreto. Inicia a carreira no jornalismo em 1899, e colabora, entr...

Texto

Abrir módulo

João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1881 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1921). Cronista, contista, dramaturgo, jornalista. Filho do matemático positivista Alfredo Coelho Barreto e da dona-de-casa Florência Cristóvão dos Santos Barreto. Inicia a carreira no jornalismo em 1899, e colabora, entre 1900 e 1903, em publicações como O Paiz, O Dia, Correio Mercantil, entre outros, com diferentes pseudônimos. Na Gazeta de Notícias, assina pela primeira vez, em 26 de novembro de 1903, um artigo, O Brasil Lê, com o pseudônimo com o qual se torna conhecido, João do Rio. Negro, assume uma posição de dândi embranquecido nos meios literários, o que provoca séria polêmica com Lima Barreto (1881-1922), também negro, mas de comportamento 'engajado', que o retrata de modo caricato no romance Recordações do Escrivão Isaías Caminha (1909) no personagem Raul de Gusmão. João do Rio estreia na literatura em 1904, com o livro As Religiões do Rio, uma coletânea de reportagens publicadas na Gazeta de Notícias. É eleito para a cadeira número 26 da Academia Brasileira de Letras (ABL), em 1910. Como um flâneur, ele observa as transformações do Rio de Janeiro de então. Na introdução de A Alma Encantadora das Ruas (1908), diz: "Flanar é ser vagabundo e refletir, é ser basbaque e comentar, ter o vírus da observação ligado ao da vadiagem". É essa síntese que alimenta sua obra, fundindo a reportagem e a crônica num gênero único e pouco comum, inventando a imagem do Rio de Janeiro da belle époque.

Eventos relacionados 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo
  • ANTELLO, Raul. João do Rio: o dândi e a especulação. Rio de Janeiro: Livraria Taurus-Timbre Editores, 1989.
  • BROCA, Brito. A vida literária no Brasil em 1900. Rio de Janeiro: MEC, 1958.
  • CANDIDO, Antonio. Radicais de ocasião. In: Teresina etc. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
  • COUTINHO. Afrânio. A literatura no Brasil: Romantismo. 6. ed. rev. São Paulo: Global, 2002. v.3.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Salomé - 1968. Não catalogado
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • GOMES, Renato Cordeiro. João do Rio: vielas do vício, ruas das graças. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: Prefeitura, 1996.
  • GUIAFOLHA. Disponível em: < http://guia1.folha.com.br/guia/teatro/outros/1126869/dentro_da_noite >. Acesso em :20 de julho de 2011. Não catalogado
  • MAGALHÃES JUNIOR, Raimundo. A vida vertiginosa de João do Rio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
  • MANTA, Inaldo de Lima Neves. A arte e a neurose de João do Rio. 5ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.
  • MARTINS, Luís. João do Rio: a vida, o homem, a obra. In: João do Rio, uma antologia. Rio de Janeiro: Sabiá: INL, 1971.
  • RODRIGUES, João Carlos. A flor e o espinho. In: Rio, João do histórias de gente alegre: contos, crônicas e reportagens da belle époque carioca. Seleção, introdução e notas de J.C.R. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.
  • SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na primeira República. 4 ed., São Paulo: Brasiliense, 1995.
  • SÊCO, Carmem Lúcia Tindó Ribeiro. Morte e prazer no espaço ficcional de "Dentro da Noite". Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: