Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Vilma Slomp

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.12.2021
1952 Brasil / Paraná / Paranavaí

Estela, 1995
Vilma Slomp
Matriz - negativo

Vilma Luiza Slomp (Paranavaí, Paraná, 1952). Fotógrafa. Transitando entre a fotografia jornalística e a concepção em estúdio, a obra de Vilma traz especial atenção a cenas do cotidiano, valorizando a poética além do registro.

Texto

Abrir módulo

Vilma Luiza Slomp (Paranavaí, Paraná, 1952). Fotógrafa. Transitando entre a fotografia jornalística e a concepção em estúdio, a obra de Vilma traz especial atenção a cenas do cotidiano, valorizando a poética além do registro.

Gradua-se em administração de empresas pela Fundação de Estudos Sociais do Paraná, em 1975. Entre 1975 e 1982 atua como fotojornalista para a revista Quem de Curitiba. Trabalha com publicidade e ainda colabora para jornais e revistas sempre realizando sua obra autoral. 

Vilma Slomp dedica-se ao campo do fotojornalismo e da fotografia autoral. No início de seu trabalho como fotojornalista, na década de 1970, pauta-se pelos conceitos de fotografia direta (straight photography) e instante decisivo.

A partir de 1983 dedica-se a ensaios autorais e à fotografia publicitária. De 1986 a 1995 realiza o ensaio autoral Feliz Natal, no qual revela o gosto estético dos moradores imigrantes de bairros antigos de Curitiba, por meio dos arranjos natalinos que enfeitam as portas e janelas de suas casas de madeira. Mostra as particularidades da arquitetura dessas residências, a pintura colorida (porta rosa, parede azul e telhado verde, por exemplo) e a integração dos enfeites nesse ambiente. Este trabalho é exposto na individual Feliz Natal no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) e é reunido no livro homônimo. A exposição também transita por mais de 6 exibições, sendo metade realizadas no exterior em países como o Sri Lanka e na Índia, em 2010.

Em 1989 utiliza negativos no formato 4x5 e faz fotografias em estúdio, tanto em preto e branco quanto coloridas, de composições com recortes de papéis e arranjos de flores e inicia a série fotográfica Dor, concluída em 1997. Nesse período a iluminação dos objetos com luz direta ou indireta tem papel preponderante nas composições fotográficas de Vilma Slomp, que obtém efeitos diversos, como fazer com que a imagem pareça tridimensional e o trabalho é reunido em livro homônimo em 1998. A série ganha exposições ao longo de sua construção na década de 1990.

Entre 1999 e 2000 faz pós-graduação em história da arte do século XX, na Escola de Belas Artes do Paraná. Seu trabalho apresenta amadurecimento técnico e formal com a série Ilusão - produzida, na maior parte, entre 1999 e 2001 -, principalmente nas aproximações estéticas entre as fotografias de flores realizadas em estúdio e as de paisagens naturais ou às de detalhes do corpo humano, que se intensificam no ensaio Vísceras em Vice Versa, concluído em 2006 e exposta em no mesmo ano na Pinacoteca do Estado de São Paulo, em São Paulo e no ano seguinte em Curitiba, do Museu de Fotografia de Curitiba. Em 1999 a artista explora possibilidades como recortar a fotografia aplicada em uma superfície rígida transformando-a em objeto, como é o caso de Vertebral. Em 2013 lançou o livro Curitiba Central, obra que realizou de 1979 a 2013. Entre 2014 e 2020 realiza viagens na Amazônia descendo os rios Solimões, Negro, Amazonas e Branco fotografando os ribeirinhos e as paisagens. Parte deste trabalho compõe a exposição Amazônia: o ser & o estar, em 2017, na Bienal Internacional de Curitiba, realizada no Museu Alfredo Andersen.

A experiência no fotojornalismo leva ao trabalho de Vilma a função de registro sem deixar de lado a percepção da poética em meio ao cotidiano ao fotografar objetos, pessoas e paisagens à partir de seus recortes culturais.

Obras 12

Abrir módulo

Exposições 86

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • BIENAL INTERNACIONAL DE FOTOGRAFIA, 3. 2000, Curitiba, PR. 3ª Bienal Internacional de Fotografia Cidade de Curitiba. Curadoria Orlando Azevedo. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 2000. 90 p., il. p&b color.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli/MASP de Fotografias: v. 4. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: MASP, 1994.
  • CHIARELLI, Tadeu (org). Alegoria. São Paulo: MAM, [2002].
  • FOTOGRAFIAS no acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Texto Tadeu Chiarelli, Ricardo Mendes. São Paulo: MAM, 2002.
  • SLOMP, Vilma. Feliz Natal. Texto Maí Nascimento Mendonça, Rubens Fernandes Júnior; tradução Martha Dias Schlemm, Verônica Palacios; versão em inglês Peggy Parciornik Distéfano. Curitiba: Fotográfica Comunicação, 1996. s.p. il., color.
  • SLOMP, Vilma. Il-lu-sion. Texto Agnaldo Farias; versão em inglês Peggy Parciornik Distéfano. Curitiba: Fotográfica Comunicação, 2001. [74] p., il. p&b.
  • SLOMP, Vilma. Vísceras em vice versa. Curitiba: Fotográfica Comunicação e Editora Ltda., 2006, 1ª ed. 72 p. il. p&b.
  • TOMIE Ohtake na trama espiritual da arte brasileira: exposição comemorativa dos 90 anos da artista. Curadoria Paulo Herkenhoff; tradução Izabel Murat Burbridge, Cynthia Derriel, Cândida Luisa Alves Almeida, Teresa Van Acker. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2004. 272 p., il. p&b color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: