Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Antônio Torres

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.10.2016
13.09.1940 Brasil / Bahia / Sátiro Dias
Antônio Torres da Cruz (Junco, atual Sátiro Dias, Bahia, 1940). Romancista, contista, cronista, jornalista e redator publicitário. Filho de um pequeno proprietário rural, primogênito de 11 irmãos, nasce num povoado do sertão baiano. Faz o curso primário na Escola Rural Prof. Anísio Teixeira, os estudos ginasiais na cidade de Alagoinhas e muda-se...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Antônio Torres da Cruz (Junco, atual Sátiro Dias, Bahia, 1940). Romancista, contista, cronista, jornalista e redator publicitário. Filho de um pequeno proprietário rural, primogênito de 11 irmãos, nasce num povoado do sertão baiano. Faz o curso primário na Escola Rural Prof. Anísio Teixeira, os estudos ginasiais na cidade de Alagoinhas e muda-se para Salvador, onde ingressa no Colégio Severiano Vieira, sem concluir o segundo grau. 

Na capital baiana, exerce diversos ofícios até iniciar carreira como repórter no Jornal da Bahia. Transfere-se para São Paulo em 1961, trabalhando como repórter e depois como chefe de reportagem do caderno de esportes do jornal Última Hora. Abandona o jornalismo e se dedica à redação publicitária. Enquanto participa da intensa vida cultural paulistana do início dos anos 1960, publica suas primeiras tentativas literárias numa revista editada pelo compositor e escritor Jorge Mautner (1941)

Depois do golpe militar,1 viaja para a Europa, vivendo durante três anos em Portugal. Regressa ao Brasil e muda-se para o Rio de Janeiro, onde continua a trabalhar com publicidade. Estreia em 1972 com o romance Um Cão Uivando para a Lua, seguido de Os Homens dos Pés Redondos (1973). Na década de 1970, ainda publica Essa Terra (1976) e Carta ao Pai (1979). Sua atividade literária prossegue nas décadas seguintes e, no final dos anos 1990, recebe o título de chevalier des arts et des lettres, concedido pelo governo francês e, em 2000, o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Comentário crítico
A obra de Antônio Torres surge dentro do movimentado contexto das lutas culturais que se seguem ao golpe militar de 1964.  No campo da literatura, a década de 1970 é marcada, de acordo com Antonio Candido (1918), pelo desejo de ruptura com os modos tradicionais do fazer literário e pela pluralidade de tendências, que vão do “realismo feroz”, representado pela produção de escritores como João Antônio (1937-1996) e Rubem Fonseca (1925), à experimentação das vanguardas, personificada no movimento tropicalista e no diálogo aberto da literatura com a cultura de massas e outras artes. 

É dentro desse panorama que Antônio Torres publica Um Cão Uivando para a Lua, romance que exibe traços comuns à ficção do período, como o uso do monólogo interior, da linguagem coloquial e da quebra de hierarquia entre os gêneros. Por meio da história de um rapaz provinciano que migra para a capital para ganhar a vida como jornalista, o livro reverbera os impasses da intelectualidade de seu tempo, premida pela processo de modernização e pela perseguição política, numa narrativa realista marcada pela visceralidade e pela densidade psicológica de seu personagem. 

Ainda na década de 1970, escreve um de seus mais festejados livros, Essa Terra, romance centrado nos dramas da migração nordestina para os grandes centros urbanos, que funde literatura urbana com um regionalismo crítico, despojado dos cacoetes tradicionais do gênero.

Nota
1 A ditadura militar se instaura em 1º de abril de 1964 e permanece até 15 de março de 1985. Os direitos políticos dos cidadãos são cassados e os dissidentes perseguidos.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ANTÔNIO TORRES. Site Oficial do Escritor. Disponível em: www.antoniotorres.com.br. Acesso em: 8 dez. 2014.
  • ARRIGUCCI JR., Davi. Jornal, realismo, alegoria: o romance brasileiro recente. In: ______. Achados e Perdidos: ensaios de crítica. São Paulo: Polis, 1979.
  • CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: ______. A Educação pela Noite. 5.ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.
  • COSTA, Cristiane. Pena de aluguel: escritores jornalistas no Brasil 1904-2004. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
  • TORRES, Antônio. Entrevista com o autor. Site da Biblioteca Mário de Andrade, Projeto Memória Oral da Biblioteca Mário de Andrade. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/upload/Depoimento_Antonio_Torres_1256585018.pdf. Acesso em: 8 dez. 2014.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: