Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Sérgio Sant'anna

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.05.2020
30.10.1941 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
10.05.2020 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Registro fotográfico Bel Pedrosa/Companhia das Letras

Sérgio Sant'Anna
Bel Pedrosa, Sérgio Sant'anna

Sérgio Andrade Sant'Anna e Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1941 - idem, 2020). Contista, romancista, poeta e professor. Seu trabalho tem como características fundamentais a tendência à experimentação formal, o diálogo com diferentes linguagens artísticas e a mescla de gêneros narrativos. Ao voltarem-se para si mesmos, os textos questionam...

Texto

Abrir módulo

Sérgio Andrade Sant'Anna e Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1941 - idem, 2020). Contista, romancista, poeta e professor. Seu trabalho tem como características fundamentais a tendência à experimentação formal, o diálogo com diferentes linguagens artísticas e a mescla de gêneros narrativos. Ao voltarem-se para si mesmos, os textos questionam as possibilidades da literatura.

Em 1959, Sérgio muda-se para Belo Horizonte e ingressa na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde se forma em 1966. Cursa pós-graduação no Instituto de Ciências Políticas da Universidade de Paris entre 1967 e 1968. Na época, viaja também para Praga, República Tcheca, testemunhando os eventos que dão fim à Primavera de Praga, movimento que restituía liberdades democráticas durante o regime soviético. Estreia na ficção no ano seguinte, com uma pequena edição do livro de contos O Sobrevivente. Este lhe rende uma bolsa para participar do International Writing Program, da Universidade de Iowa, Estados Unidos.

Tanto no conto como no romance de Sérgio, a posição do narrador é frequentemente escancarada. Em primeira pessoa, ele revela sua fragilidade, assumindo-se como parcial e limitado. Em terceira, denuncia o próprio caráter arbitrário, em um jogo determinado pela consciência da impossibilidade de narrar.

No conto-título de Notas de Manfredo Rangel, Repórter (1973), o narrador apresenta observações escritas a respeito de Kramer, a quem acompanha por acreditar ser "um possível futuro presidente da República". A trajetória do político, marcada por oscilações em seu posicionamento e em sua relação com o poder dominante ⎼ a qual o leva à prisão e à tortura ⎼, é apresentada em fragmentos, em um formato que dispensa qualquer causalidade. Com o procedimento, o jornalista se isenta da responsabilidade fundamental de seu ofício ⎼ compreender e interpretar os acontecimentos ⎼  ao mesmo tempo que denuncia, pela impossibilidade da visão coesa, o caráter brutal e arbitrário dos eventos políticos brasileiros.

Confissões de Ralfo: Uma Autobiografia Imaginária (1975), o primeiro romance de Sant'Anna, é exemplar quanto à simulação de uma aparente liberdade narrativa. A atmosfera sugerida pelo subtítulo confere ao narrador-protagonista a licença para ignorar os limites entre a declarada ficção e o que se oferece como sua biografia: "Que alívio, portanto, pode trazer para mim o fato de que tais coisas aconteceram apenas ficcionalmente comigo?".

Nos fragmentos que compõem seu discurso, Ralfo se apresenta em diferentes versões ou personalidades: repórter, herói, mágico, ator, escritor, em clara tendência ao escapismo. As razões para que tente fugir da realidade aparecem em chave irônica ou paródica e tornam-se patentes no capítulo em que narra a tortura a que foi submetido. A cena, armada para retratar o interrogatório de um preso político, sugere, ao adotar o nonsense nas perguntas, o recuo da plausibilidade diante de uma realidade violenta.

Também se confundem os diferentes níveis de autoria demarcados no romance. Ralfo, o protagonista, assina o prólogo e o epílogo da autobiografia. O livro se encerra com uma nota final de Sant'Anna, que pertence também ao âmbito ficcional, não correspondendo ao autor de fato: "Entre as várias incoerências deste livro está a de ser guardado ou publicado, uma vez que todas as suas cópias foram supostamente destruídas, no capítulo a que se deu o nome de 'Literatura' ".

A frequente sobreposição dos diferentes níveis discursivos chama atenção, assim, para o falseamento próprio da escrita. Estão em jogo sempre as representações da realidade, jamais a realidade sem mediações, fato ressaltado pelo discurso metalinguístico.

O escritor volta a viver no Rio de Janeiro em 1977, ano em que integra o corpo docente da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde permanece até 1990. A partir de então, dedica-se exclusivamente à literatura, atuando como colunista do jornal O Dia e colaborando em diversos veículos da imprensa, como a revista Cult e os cadernos literários dos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil.

A tendência argumentativa do autor pode ser vista em trabalhos que procuram revelar outra arbitrariedade da escrita: a do próprio discurso ⎼ caso sobretudo das narrativas em terceira pessoa. No conto “A Mulher Nua” [O Voo da Madrugada (2003)], a alta recorrência de conectivos e o uso ostensivo de clichês como "é preciso apontar que" e "tornaremos a isso mais adiante" parodiam a dissertação da crítica de arte: não sem ironia, demonstra-se a falaciosa objetividade das conclusões interpretativas.

Trata-se de tema caro ao autor ⎼ e que é responsável por colocar à prova o depoimento do narrador do romance Um Crime Delicado (1997) ou determina a estrutura do conto “O Duelo” [A Senhorita Simpson (1989)]. No primeiro, o protagonista, um crítico de teatro, torna-se vítima de uma obra de arte; já o escritor, na narrativa breve, oprimido pelas relações de mercado implicadas na feitura de um livro, faz de sua própria escritura uma colagem de best-sellers costurada por clichês cinematográficos ou televisivos.

Em 2008, Sérgio volta a Praga para escrever O Livro de Praga: Narrativas de Amor e Arte, lançado em 2011. A obra integra o projeto Amores Expressos, criado pela editora Companhia das Letras.

Ao longo da carreira, Sérgio Sant’Anna provoca o questionamento sobre o próprio ato de escrever e mostra como a ficção pode ser um mecanismo de denúncia e relato da realidade, camuflada pela fantasia que se propõe ser.

Obras 5

Abrir módulo

Eventos relacionados 5

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • MARTINS, Wilson. A metáfora teatral. In: _____. Pontos de vista: crítica literária. São Paulo: T. A. Queiroz, 1995, v.10. p.403-406.
  • PELLEGRINI, Tânia. A imagem e a letra: aspectos da ficção brasileira contemporânea. Campinas: Mercado das Letras; São Paulo: Fapesp, 1999.
  • PORTO, Ana Paula Teixeira. A literatura e o discurso crítico: Sérgio Sant'Anna em debate. In: Literatura e autoritarismo, nº6, jul-dez de 2005. Disponível em: http://coralx.ufsm.br/grpesqla/revista/num6/ass05/pag01.html. Acesso em: 14 out. 2010.
  • Programa do Espetáculo - Exercício nº 2. Formas Breves - SP 2009.
  • SANTIAGO, Silviano. O caminho circular da ficção. In: _____. Uma literatura nos trópicos. 2 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p.176-187
  • SANTOS, Carlos Vinicius Veneziani. O contexto autoritário em Notas de Manfredo Rangel, repórter, de Sérgio Sant'Anna. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-16102009-145952/publico/CARLOS_VINICIOS_V_S.pdf. Acesso: 14 out. 2010.
  • SILVEMAN, Malcolm. Protesto e novo romance brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.
  • SILVERMAN, Malcom. A prosa criativa de Sérgio Sant'Anna. In: _____. Moderna Ficção Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981. p. 278-310.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: