Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Antonio Carlos da Fontoura

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.04.2021
20.11.1939 Brasil / São Paulo / São Paulo
Antonio Carlos da Fontoura (São Paulo, São Paulo, 1939). Diretor, escritor, produtor, roteirista. Em 1949, muda-se para o Rio de Janeiro. Antes de completar 14 anos, roda seu primeiro filme: um curta-metragem realizado com uma câmera 8 mm, trazida de Xangai por um colega de infância. Forma-se na primeira turma da Escola Nacional de Geologia, ins...

Texto

Abrir módulo

Antonio Carlos da Fontoura (São Paulo, São Paulo, 1939). Diretor, escritor, produtor, roteirista. Em 1949, muda-se para o Rio de Janeiro. Antes de completar 14 anos, roda seu primeiro filme: um curta-metragem realizado com uma câmera 8 mm, trazida de Xangai por um colega de infância. Forma-se na primeira turma da Escola Nacional de Geologia, instituição criada em 1958 no Rio de Janeiro.

Em 1960, assiste à peça A Mais-Valia Vai Acabar, Seu Edgar, de Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974). Vianinha convida Fontoura para escrever peças para o Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes (CPC/UNE). O autor redige a peça Auto dos 99% (1961), obra que lança a música “Canção do Subdesenvolvido”, de Carlos Lyra (1939) e Chico de Assis (1933-2015).

Em 1962, realiza curso sobre técnicas do cinema direto, com o documentarista sueco Arne Sucksdorff (1917-2001). Em 1964, aceita convite de Eduardo Coutinho (1933-2014) para participar, como continuísta, de Cabra Marcado para Morrer. As filmagens são interrompidas no começo de abril, após o golpe de estado que depõe o presidente João Goulart.

Estreia na direção com o documentário sobre o compositor Heitor dos Prazeres (1898-1966). Em 1967, roda o curta-metragem Ver Ouvir, documentário inspirado no trabalho dos artistas plásticos Rubens Gerchman (1942-2008), Roberto Magalhães (1940) e Antonio Dias (1944). Em 1968, realiza Copacabana me Engana, seu primeiro longa-metragem.

A Rainha Diaba (1973), obra ficcional sobre um criminoso homossexual, recebe vários prêmios no Festival de Brasília: roteiro, fotografia, melhor atriz para Odete Lara (1929-2015) e melhor ator para Milton Gonçalves (1934). Em Cordão de Ouro (1977), aproxima-se das manifestações populares ao centrar a narrativa na capoeira, umbanda e no candomblé. Após hiato de oitos anos, roda Espelho de Carne (1984), duramente criticado pelas cenas de sexo.

A partir do final da década de 1990, realiza filmes para público mais amplo: Uma Aventura do Zico (1998), O Gatão de Meia-Idade (2005); No Meio da Rua (2006). Somos Tão Jovens (2013) é seu último longa para o cinema.

Na TV, Fontoura dirige episódios de seriados para a Rede Globo, como Ciranda Cirandinha (1978), Carga Pesada (1979) e Você Decide (1992-2000), além de colaborar no roteiro das novelas Vidas Opostas (2006-2007) e Amor e Intrigas (2007-2008), ambas produzidas pela Rede Record.

Enquanto os realizadores do cinema novo voltam sua atenção para o fracasso dos intelectuais de esquerda diante do golpe civil-militar que estabelece a ditadura no país, Fontoura direciona sua câmera para a classe média alienada em Copacabana me Engana. A narrativa, que se aproxima do pequeno-burguês carioca, apoia-se no humor ácido que, por vezes, beira o cinismo. Essa característica, no entanto, não é utilizada para apresentar os personagens de forma positiva. Como observa o crítico José Carlos Avelar (1936-2016), o diretor trabalha com muita propriedade “o sentimento de inutilidade, solidão e impotência, que é o verdadeiro impulso que o filme procura retratar”2. Por vezes os atores olham diretamente para a câmera, recurso emprestado por Fontoura do cineasta francês Jean-Luc Godard (1930)3. Em um desses momentos, o personagem Marquinhos diz: “Quem gosta de mim sou eu mesmo. O resto é papo de jornal, tudo otário! Mas eu não, eu não!”. Como contraponto aos intelectuais em crise de filmes como Terra em Transe, de Glauber Rocha (1939-1981), e O Desafio, de Paulo Cesar Saraceni (1933-2012), por exemplo, essa breve sequência de Copacabana me Engana acentua o desejo da classe media de aferrar-se ao sistema. O desejo de transformar o país é substituído pela sedução do mundo do consumo.

A partir do final da década de 1990, Fontoura realiza um cinema mais popular, pretendendo ampliar o contato com o público. Clonagem e futebol aliam-se em Uma Aventura de Zico, fita protagonizada pelo famoso jogador do Flamengo e da seleção brasileira de futebol. O Gatão de Meia-Idade leva para as telas as agruras do personagem criado pelo cartunista Miguel Paiva (1950). No Meio da Rua narra a história de um menino rico que entra em contato com as favelas cariocas, quando sobe o morro para recuperar seu videogame. Com Somos Tão Jovens, o realizador constrói uma cinebiografia do cantor Renato Russo (1960-1996), líder do conjunto Legião Urbana, uma das principais bandas de rock dos anos 1980.

Notas:

1. RAMOS, J. R. de Andrade. Cursos de geologia completam 30 anos (CAGE: 1957). Anuário do Instituto Geociências. v.11, 1987. p. 7-14. 

2. MURAT, Rodrigo. Antonio Carlos da Fontoura: espelho da alma. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. p. 175.

3. MURAT, Rodrigo. Antonio Carlos da Fontoura: espelho da alma. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. p. 57.

4.  FASSONI, Orlando L. O fantástico bailado dos marginais. Folha de S.Paulo, São Paulo, 7 set. 1977. Ilustrada p. 29.

5. AZEREDO, Ely. Espelho de carne: mutantes na superfície de cristal. In: MURAT, Rodrigo. Antonio Carlos da Fontoura: espelho da alma. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. p. 180

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 2

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 13

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • AVELLAR, José Carlos. Copacabana me engana. In: MURAT, Rodrigo. Antonio Carlos da Fontoura: espelho da alma. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. p. 175-176.
  • AZEREDO, Ely. Espelho de carne: mutantes na superfície de cristal. In: MURAT, Rodrigo. Antonio Carlos da Fontoura: espelho da alma. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008. p. 179-181.
  • FASSONI, Orlando L. O fantástico bailado dos marginais. Folha de S.Paulo, São Paulo, 7 set. 1977. Ilustrada p. 29.
  • FREIRE, Rafael de Luna. “Na minha vida, mando eu”: o estereótipo do homossexual masculino nos filmes A Navalha na Carne (1969) e A Rainha Diaba (1974). Revista Galáxia, São Paulo, n. 17, p. 119-130, jun. 2009.
  • HEISE, Tatiana Signorelli. Rainha Diaba e Madame Satã: representações da violência e marginalidade social no cinema brasileiro. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • LAURA, Ida. O estudo de uma ilusão. Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 ago. 1969. p. 19.
  • SALEM, Helena. Zico vai reviver momentos de craque. Estado de S. Paulo, São Paulo, 24 dez. 1997. p. D4.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: