Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ziraldo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.12.2017
24.10.1932 Brasil / Minas Gerais / Caratinga

[Iiiaaaauuuuu], 1969
Ziraldo

BiografiaZiraldo Alves Pinto (Caratinga MG 1932). Desenhista, caricaturista, cartunista, ilustrador, jornalista e escritor. Apresenta seu primeiro desenho aos 7 anos de idade no jornal Folha de Minas, em 1939. Em 1949, muda-se para o Rio de Janeiro, onde colabora nos periódicos infantis Vida Infantil, Vida Juvenil e Sesinho e começa a publicar t...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Ziraldo Alves Pinto (Caratinga MG 1932). Desenhista, caricaturista, cartunista, ilustrador, jornalista e escritor. Apresenta seu primeiro desenho aos 7 anos de idade no jornal Folha de Minas, em 1939. Em 1949, muda-se para o Rio de Janeiro, onde colabora nos periódicos infantis Vida Infantil, Vida Juvenil e Sesinho e começa a publicar trabalhos na revista A Cigarra. Em 1952 ingressa na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e realiza trabalhos mensais na revista Era uma Vez. Em 1954, substitui o caricaturista Borjalo (1925 - 2004) no jornal Folha de Minas e colabora no jornal Binômio. Em 1957, muda-se para o Rio de Janeiro e, no ano seguinte, começa a trabalhar na  revista O Cruzeiro, onde, dois anos depois, cria o personagem Pererê. Com o sucesso desse personagem, a empresa O Cruzeiro passa a publicar uma revista mensal apenas com suas histórias. No ano de 1963, começa a trabalhar no Jornal do Brasil e, em 1964, na revista Pif-Paf, dirigida por Millôr Fernandes (1923). Em 1967, edita o suplemento dominical Cartum JS, do Jornal dos Sports. No ano seguinte, ganha destaque internacional, e tem seus desenhos publicados em revistas estrangeiras. Integra a equipe de fundadores do jornal O Pasquim, lançado em 1969. Desde então, dedica-se à publicação de livros infantis e, entre muitos títulos, destacam-se Flicts (1969), O Menino Maluquinho (1980) e O Bichinho da Maçã (1982). Em 1982 abandona a direção d'O Pasquim para dedicar-se principalmente à literatura infantil. Em 1999, funda as revistas Bundas - paródia da revista Caras - e Palavra. Em 2002, começa a publicar um novo periódico chamado O Pasquim 21.

Comentário Crítico
Nascido em Minas Gerais, Ziraldo cresce no Rio de Janeiro. Em 1949, tem seu primeiro cartum publicado na revista A Cigarra. No ano seguinte, retorna para Minas Gerais, onde conclui o curso de direito. Nesse período, colabora nas publicações Folha de Minas e Binômio. Em 1956, volta a residir no Rio de Janeiro, e se dedica à atividade de cartunista. Realiza trabalhos para publicações como Folha de S. Paulo, Fatos e Fotos, Fairplay, Jornal do Brasil e Correio da Manhã e, internacionalmente, na Mad (Estados Unidos), Penthouse e Private Eye (Inglaterra) e Planète e Plexus (França).

Para o historiador Herman Lima, Ziraldo integra o grupo de artistas cujo trabalho sucede, na imprensa ilustrada do Brasil, ao grupo dos que se dedicam à caricatura política ou pessoal, desde que esse gênero perde força durante o Estado Novo (1937 - 1945), com as restrições impostas pelo Departamento de Imprensa e Propaganda - DIP. O estudioso Gilberto Maringoni destaca a relação de suas obras, assim como as de Millôr Fernandes (1923) e Fortuna (1931 - 1994), entre outros, com a produção dos cartunistas europeus do pós-guerra.

Um dos primeiros personagens criados pelo artista é o Pererê, que aparece em histórias em quadrinhos de mesmo nome, publicadas pela empresa O Cruzeiro, no formato de revista, em cores, entre 1960 a 1964. Para o estudioso Joaquim da Fonseca, nessas histórias são apresentados temas e personagens brasileiros, sendo o principal deles o saci. Nos trabalhos, de maneira indireta, o autor faz alusão às injustiças e às iniqüidades que afligem o Brasil. A revista alcança grande popularidade. Em 1964, Ziraldo participa da criação do jornal O Pasquim. O próprio artista define a publicação como um centro difusor de jornalismo crítico que pretende fazer resistência à ditadura.

Seus personagens tornam-se muito conhecidos, como, por exemplo, a Supermãe, cujas histórias são publicadas no Jornal do Brasil e na revista Claudia. Nesses trabalhos, o artista satiriza a imagem da mãe superprotetora.

Em 1969, Ziraldo publica seu primeiro livro infantil: Flicts, que conta a história de uma cor que procura seu lugar no mundo. Desde então tem se dedicado à realização de livros para crianças. Com o Menino Maluquinho, publicado em 1980, explora o universo criativo da infância. Sua produção inclui também diversas paródias de atores famosos de cinema e de super-heróis de histórias em quadrinhos, como do Super-Homem, Dick Tracy ou Batman e Robin. Em 2002, Ziraldo é um dos responsáveis pela volta da publicação do Pasquim, que recebe o nome de Pasquim 21 em alusão ao novo século. Para o historiador Pedro Corrêa do Lago, Ziraldo é, dos caricaturistas brasileiros surgidos na segunda metade do século XX, aquele cujo desenho se torna mais popular e cujo traço é talvez o mais reconhecível dos artistas de sua geração.

Obras 35

Abrir módulo

Exposições 24

Abrir módulo

Eventos relacionados 24

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • BRAGA, José Luiz. O Pasquim e os anos 70: mais pra epa que pra oba... Brasília: UnB, 1991.
  • CAMPEDELLI, Samira Youssef (org.); ABDALA JUNIOR, Benjamin (org.). Ziraldo. Ilustração Ziraldo. Sao Paulo: Abril Educação, 1982. 108 p., il. p.b., foto. (Literatura comentada).
  • Enciclopédia dos quadrinhos. Assistência de edição Ana Maria Goidanich Fleck; design da capa Caulos. Porto Alegre: L&PM, 1990. 399 p., il. p&b.
  • FONSECA, Joaquim da. Caricatura: a imagem gráfica do humor. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1999.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LAGO, Pedro Corrêa do. Caricaturistas brasileiros: 1836-1999. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999. p. 164-169.
  • LIMA, Herman. História da caricatura no Brasil IV. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1963.
  • Programa do Espetáculo - Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá - 1973.
  • REGO, Norma Pereira. Pasquim: gargalhantes pelejas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996. 127 p., il. p&b. (Arenas do rio, 6).
  • TEATRO ALIANÇA FRANCESA. Belas Figuras: São Paulo, SP, [1983]. Programa do Espetáculo.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: