Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Fernanda Júlia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.10.2022
1979 Brasil / Bahia
Fernanda Júlia Barbosa (Alagoinhas, Bahia, 1979). Dramaturga, diretora e pesquisadora teatral. Fundadora do Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas (Nata), experimenta em sua produção artística encontros entre o teatro e o rito, convocando símbolos e mitos de matriz afro-brasileira provenientes da cultura iorubá. Em particular, investiga ...

Texto

Abrir módulo

Fernanda Júlia Barbosa (Alagoinhas, Bahia, 1979). Dramaturga, diretora e pesquisadora teatral. Fundadora do Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas (Nata), experimenta em sua produção artística encontros entre o teatro e o rito, convocando símbolos e mitos de matriz afro-brasileira provenientes da cultura iorubá. Em particular, investiga a cosmogonia do candomblé Ketu como instrumento espiritual e artístico.

Frequenta rituais do candomblé desde a infância, na periferia de Alagoinhas, agreste baiano, onde os transes espirituais a fascinam, assim como a sensorialidade das cerimônias. Filha de pai pedreiro e mãe manicure, aprende com esta e com a avó (ialorixá) as músicas de sua herança cultural. Por volta dos dez anos, afasta-se dessa tradição em decorrência do preconceito religioso no ambiente escolar. Em 1997, após participar dos rituais da cerimônia de adeiká que consagram sua mãe como ialorixá, volta a praticar a religião como filha de Omolú, orixá associado à cura. Este processo está presente em seus trabalhos por meio de uma direção que privilegia a sensorialidade da cena, os gestos, danças, vestes, texturas, musicalidades e línguas de matriz africana, assim como as conexões entre o plano humano e o divino instauradas pelos performers. 

Ainda estudante, no Colégio Estadual Polivalente de Alagoinhas, participa da fundação do Núcleo Amador de Teatro e Artes (Nata), em 1998. Escreve peças como Guarda-roupa íntimo (1999), eleito melhor espetáculo pelos júris oficial e popular de um festival local. 

O Nata se apresenta em Salvador pela primeira vez em 2004, no Teatro Vila Velha, e dois anos mais tarde Fernanda Júlia ingressa no curso de direção yeatral da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O núcleo passa a transitar entre as duas cidades até ser convidado a realizar uma residência artística naquele teatro. Feito inédito a um coletivo teatral do interior baiano e que lhe confere projeção estadual e nacional.

Em 2009, o Nata é rebatizado como Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas, nome que faz jus ao projeto estético sustentado por Fernanda Júlia, em que o rito se torna modo de construção cênica, enlaçando a teatralidade negra às vivências religiosas do candomblé, reforçando atributos artísticos e sagrados dessas duas práticas culturais.  

Em coautoria com o ator e diretor Thiago Romero, cria o espetáculo Sirê Obá, a festa do rei (2009), que dispõe divindades religiosas como protagonistas, em enfrentamento à intolerância religiosa. A dramaturgia parte de uma pesquisa sobre os orikis, poemas em exaltação a orixás. A encenação, ao som de instrumentos de percussão, coloca o público no centro de um cenário que, de acordo com o pesquisador Marcos

Antônio Alexandre, “remete à plateia de um terreiro em dia de festa” e promove a “ativação do movimento ancestral”1. Um teatro físico-ritual no qual os corpos dos atuantes se tornam instrumentos de estados alterados de consciência, como nos ritos de possessão.

Em trabalhos posteriores, Fernanda Júlia se dedica a distintas divindades do candomblé em dramaturgias musicais e poéticas. Em Exu, a boca do universo (2014), trabalha com elementos rítmicos de matriz africana, como o chamado do tambor, o samba e o pagode baiano, com a simbologia religiosa e as expressões em língua iorubá, cultuando a memória daquele povo. “Como Exu rege o movimento do corpo, o que é presentificado em cena, é o corpo em (eterno) movimento, fonte de amor, sexo e de comunicação”.2

Em 2015, dirige o Bando de Teatro Olodum em Ere, sobre os assassinatos de jovens negros no Brasil, com concepção geral do ator Lázaro Ramos (1978). Em sua pesquisa de mestrado, concluída em 2016, a artista avalia que, em parte de sua trajetória criativa, a forma dramática ocidental conflita com a narrativa e com a lírica da poesia africana. A partir dessa consciência crítica, inicia-se uma nova fase do trabalho artístico com o Nata. 

Ao analisar os procedimentos que norteiam sua prática cênica como encenadora, distingue três princípios: as narrativas mito-poéticas, o teatro ritual e a tradição na contemporaneidade, embasados em aspectos antropológicos e performáticos do candomblé. São as vias para forjar um teatro “descolonizado, afirmativo e engajado”3 em rever os processos de dominação e reaver a herança cultural negra africana. 

Também em 2016, Fernanda Júlia dirige a Companhia Transitória, de Curitiba, em Macumba – uma gira sobre poder. Na relação teatral com o público, recompõe a “energia contagiante do terreiro, sua corporeidade intensificada, a musicalidade vibrante” presentificando o poder dos orixás, enquanto a dramaturgia demanda o empretecimento do capitalismo4. Em 2017, realiza a direção de Traga-me a cabeça de Lima Barreto, com o ator Hilton Cobra (1956), no Rio de Janeiro. A recepção crítica enfatiza a ironia com que o monólogo destrincha a eugenia diante da produção artística de intelectuais negros.

Em 2019, já adotando o nome artístico-espiritual Onisajé, torna-se a primeira encenadora negra a assumir a direção de um espetáculo da Companhia de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 63 anos de história, à frente de Pele negra, máscaras brancas, baseado em escritos do psicanalista Frantz Fanon (1925-1961). Sobre a peça, a crítica Lorenna Rocha observa que o foco no empoderamento negro pelo viés mercadológico reitera “ficções neoliberais”5.

Ao mobilizar saberes ancestrais na construção de um teatro engajado na revalorização da herança cultural africana e no enfrentamento de estruturas racistas, no limiar entre os ritos teatrais e religiosos, Onisajé busca sensibilizar tanto iniciados no candomblé quanto o público geral, praticando a tradição na contemporaneidade.

Notas 

1. ALEXANDRE, Marcos Antônio. O teatro negro em perspectiva: Dramaturgia e cena negra no Brasil e em Cuba. Rio de Janeiro: Malê, 2017. p. 120.

2. Ibidem. p. 128.

3. BARBOSA, Fernanda Júlia. Ancestralidade em cena: o teatro negro do grupo Nata. Portal de Teatro Primeiro Sinal, Belo Horizonte. Textos. Disponível em: https://primeirosinal.com.br/ancestralidade-em-cena-o-teatro-negro-do-grupo-nata/. Acesso em: 20 jun. 2021.

4. ROMAGNOLLI, Luciana. Formas para as diferenças: Festival de Curitiba 2017, parte 3. Horizonte da Cena, 5 jul. 2017. Coberturas críticas. Disponível em:  https://www.horizontedacena.com/formas-para-as-diferencas-festival-de-curitiba/. Acesso em: 20 jun. 2020.

5. ROCHA, Lorenna. Festival Cenas do Nordeste – 2ª edição: sobre ecos e curadoria. 4ª Parede, 19 mai. 2021. Críticas. Disponível em: https://4parede.com/cenas-do-nordeste-2021-sobre-ecos-e-curadoria/ Acesso em: 20 jun. 2021.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: