Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Eliane Caffé

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.06.2016
1961 Brasil / São Paulo / São Paulo
Eliane Dias Alves (São Paulo, São Paulo, 1961). Diretora e roteirista. Formada em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), em 1985. Durante a graduação é assistente de direção do documentário Strip-tease (1988), do diretor Ivo Branco. Em 1987, estuda dramaturgia e roteiro na Escola Internacional de Cinema e Televis...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Eliane Dias Alves (São Paulo, São Paulo, 1961). Diretora e roteirista. Formada em psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), em 1985. Durante a graduação é assistente de direção do documentário Strip-tease (1988), do diretor Ivo Branco. Em 1987, estuda dramaturgia e roteiro na Escola Internacional de Cinema e Televisão de San António de los Baños, Havana. Retorna ao Brasil e realiza seu primeiro curta, O nariz (1988), baseado na crônica homônima de Luiz Fernando Verissimo (1936). O filme é produzido com auxílio do Prêmio Estímulo para Realização de Curta-metragem, da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, com o qual também é contemplada nos seus dois trabalhos seguintes. O Nariz recebe o Prêmio Melhor Curta-metragem no Festival Internacional de Cinema de Oberhausen, Alemanha. O segundo curta Arabesco (1990), é vencedor  de Melhor Curta-metragem no Festival de Gramado.

Cursa pós-graduação no Instituto de Estética e Teoria das Artes na Universidade Autônoma de Madri, e, em seguida, realiza o curta Caligrama (1995), vencedor dos Prêmios de Melhor Documentário no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e Melhor Filme Experimental no Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano, Havana. Seu primeiro longa-metragem é Kenoma (1998), vencedor de Melhor Filme no XX Festival de Cinema Latino-Americano de Biarritz, França, e no Festival Internacional de Gàva, Espanha. Seu mais aclamado trabalho, Narradores de Javé (2002), ganha prêmio de Melhor Filme no Festival de Cinéma des 3 Ameriques de Quebec, Canadá; no Festival Un Cine de Punta del Leste, Uruguai;  e no Festival do Rio de Janeiro. Dirige o documentário Milágrimas (2006), que registra o projeto de dança do coreógrafo Ivaldo Bertazzo (1949). É diretora e corroterista da microsérie O Louco do Viaduto (2009), produzida pela TV Cultura e TV SESC. Na sequência, lança o longa-metragem O sol do meio dia (2009), vencedor do prêmio de Melhor Filme na 33ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Nesse mesmo ano, estreia como diretora teatral com o espetáculo A Vida que eu Pedi, Adeus (2009) do dramaturgo Sérgio Roveri (1960). Coordena a produção do documentário O céu sem eternidade (2011).

Análise da Trajetória
Nas obras de Eliane Caffé prevalece o hibridismo entre ficção e realidade e temas com preocupação social. O curta Caligrama, por exemplo, traz os moradores de rua de São Paulo, usando textos, sons e falas produzidos por eles. Cria uma atmosfera que mescla realidade e ficção, na qual estão em destaque os excluídos. Em seu primeiro longa-metragem, Kenoma, as questões relativas ao progresso têm como argumento a ideia de moto-perpétuo, um mecanismo autossuficiente, capaz de gerar sua própria fonte de energia. Ambientado em uma cidade fictícia no interior do país, o longa traz José Dumont (1950) interpretando o personagem Lineu, homem que ambiciona durante vinte anos construir um moto-perpétuo para desenvolver sua cidade.  Circunscrita à disputa entre os que querem ou não o suposto progresso proveniente da tecnologia, a história revela-se como metáfora da persistência diante do fracasso, aludindo às lutas cotidianas daqueles que vivem às margens do desenvolvimento. Segundo a diretora, essa é “uma imagem poética muito forte”1, particularmente por tratar-se de um invento impossível, e pela obstinação dos que fracassavam em continuar tentando2.

Em Narradores de Javé, novamente obstinação e fracasso. Os moradores de Javé decidem escrever a história do vilarejo quando recebem a notícia de que ele irá desaparecer, inundado pelas águas de uma represa. Querem, com isso, provar a importância do lugar, para que ele não seja destruído. Contam com a ajuda de Birá, o ator José Dumont, que passa a ouvir as versões sobre a sua fundação. Os moradores não têm sucesso na empreitada e caminham à procura de um novo local para construírem sua cidade. De acordo com o crítico Ismail Xavier (1947), o filme é “(...) um título importante do ponto de vista cultural. Importante na relação que ele tem com questões que estão afetando a vida dos brasileiros”3. O comentário faz pensar, por exemplo, na construção da usina de Belo Monte, em Altamira, Pará, e seu impacto sobre as populações locais.

O filme é pensado com base nas viagens da diretora pela Bahia e por Minas Gerais, com gravador e câmera, nas quais registra contadores de histórias. Para Caffé, esse deslocamento é fundamental. Em suas palavras, Kenoma e Narradores de Javé fazem com que perceba “a importância de viajar, de expedicionar pelos lugares, descobrir mais, voltar a pesquisar, não as referências, mas revisitar o real”4. Com as viagens, a diretora procura encontrar outras referências do sertão. Inspira-se no Cinema Novo de Glauber Rocha (1939-1981) e na literatura de Guimarães Rosa (1908-1967), mas busca também sua próprias percepções5. Dessa maneira, sua vivência nas locações escolhidas para filmagem e com os moradores locais permite criar novos caminhos.   

As mesmas preocupações se atualizam em O céu sem eternidade. O documentário trata do município maranhense de Alcântara, no qual mais de três mil famílias quilombolas correm o risco de serem realocadas, para fundar o Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) – base de lançamento de foguetes da Força Aérea Brasileira. Produzido com base em oficinas de audiovisual realizadas na região, a temática das mudanças sociais, provenientes do avanço econômico-tecnológico, são tratadas em formato documental. Confirma, assim, a preocupação político-social da diretora e sua versatilidade para transitar pelas diversas expressões do cinema.

Notas
1 NAGIB, Lúcia. O Cinema da Retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. p.133.
2 Idem. p.133.
3 XAVIER, Ismail. Entrevista. Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante, 79 ed., Maranhão, ano III, 2005. Disponível em: < http://www.guesaerrante.com.br/2005/11/29/Pagina116.htm >. Acesso em: 1 out. 2015. 
4 NAGIB, Lúcia. O Cinema da Retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. p.131. 
5 Idem. p.130-131.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Festivais 2

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: