Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Maria do Carmo Secco

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.01.2021
05.11.1933 Brasil / São Paulo / Ribeirão Preto
2013 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título, 1983
Maria do Carmo Secco
60,00 cm x 70,00 cm

Maria do Carmo Fortes Secco (Ribeirão Preto, São Paulo, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013). Pintora, desenhista, professora. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1954, e estuda pintura na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). Em 1963, freqüenta os cursos de técnica de pintura e crítica de arte no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (M...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Maria do Carmo Fortes Secco (Ribeirão Preto, São Paulo, 1933 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013). Pintora, desenhista, professora. Muda-se para o Rio de Janeiro em 1954, e estuda pintura na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). Em 1963, freqüenta os cursos de técnica de pintura e crítica de arte no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), onde é orientada por Ivan Serpa (1923-1973). Um ano depois, realiza sua primeira exposição individual na Galeria Vila Rica, no Rio de Janeiro. Na década de 1960, dedica-se ao ensino de arte para crianças na Escolinha de Arte do Brasil (EAB) e em colégios particulares e funda o Curso de Arte Amarelinha. Participa das Bienais Internacionais de São Paulo em 1965 e 1967, e conquista, nesta última, o prêmio aquisição do Itamaraty. Na década de 1970, passa a trabalhar com super-8, por influência de seu marido, Dileny Campos (1942). Nos anos 1980, após um período sem pintar, retoma as atividades, e seus trabalhos passam a explorar a relação entre desenho e pintura. Em 1982 muda-se para Belo Horizonte, onde leciona desenho e pintura na Escola Guignard. Faz a curadoria das exposições itinerantes Brasil Pinturas, em 1983, e Brasil Desenhos, em 1984, promovidas pela Fundação Nacional de Arte. Em 1993, de volta ao Rio de Janeiro, passa a lecionar desenho na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage).

Análise

Maria do Carmo Secco dedica-se inicialmente à pintura. Realiza trabalhos figurativos, cujas temáticas mais freqüentes são o corpo e a casa. Em suas obras, faz uso freqüente de elementos da linguagem cinematográfica, como primeiros planos ou cortes. Utiliza ainda a fotografia como registro ou suporte para seus trabalhos, como na instalação A Casa do Homem, 1976, em que parte de fotografias que realiza anteriormente, enfocando interiores de casas. O trabalho reúne poemas, projeção de filmes e desenhos.

Seu interesse pelo desenho intensifica-se no final da década de 1960. Nesse período, sua produção revela um caráter construtivo. Em alguns trabalhos, a artista realiza incisões na superfície do papel, como em Corte, da série Desenhos Efêmeros, 1995. Cria também os primeiros objetos, que mantêm estreita relação com o rigor que apresenta nos desenhos: são monocromáticos, geométricos e despojados de referências figurativas.

Como nota o crítico de arte Fernando Cocchiarale, nos anos 1980, ao retomar a pintura, combina de várias maneiras elementos gráficos e pictóricos, embora mantendo, em suas telas, uma certa tensão entre o desenho e a pintura.

A artista utiliza a palavra como recurso poético em diversas obras, como na série Cidades, 1972 ou em A Palavra Visível, 1999. Na década de 1990, inicia também a projeção de palavras em espaços públicos, como o Arco da Lapa, no Rio de Janeiro e o Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Obras 7

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Cenas de Amor

Esmalte sobre madeira
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fogos

Acrílica sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Exposições 142

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 23

Abrir módulo
  • ANGELO Marzano, José Alberto Nemer, Marcos Coelho Benjamim, Maria do Carmo Secco, Mário Azevedo. Vitória: Galeria de Arte e Pesquisa da UFES, 1985.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUARTE, Paulo Sérgio. Anos 60: transformações da arte no Brasil. Rio de Janeiro: Lech, 1998.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • IMAGEM gráfica. Rio de Janeiro: Escola de Artes Visuais do Parque Lage, 1995. 160 p., il. p&b.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MARIA do Carmo Secco. Glossário de Arte. Belo Horizonte: C/Arte Projetos Culturais, 2006. Disponível em [http://www.comartevirtual.com.br/glossTOP.htm]. Acesso em: 25 abr. 2006.
  • MOSTRA DO DESENHO BRASILEIRO, 3., 1981, Curitiba, PR. 3ª Mostra do Desenho Brasileiro. Curitiba: Governo do Estado, 1981.
  • MULHERES de Laura. Curadoria Roberto Padilha, Flávio Marinho. Rio de Janeiro: Casa de Cultura Laura Alvim, [2001?]. [18] p., il. p&b.
  • O DESENHO moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand. São Paulo: Galeria de Arte do Sesi, 1993.
  • OBJETO na arte: Brasil anos 60. Coordenação Daisy Valle Machado Peccinini de Alvarado. São Paulo: FAAP, 1978.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PRETO no branco e/ou...: desenhos. Rio de Janeiro: Escola de Artes Visuais do Parque Lage, 1994.
  • RIBEIRO, Marília Andrés (org.); SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997. (Centenário).
  • RIBEIRO, Marília Andrés. Neovanguardas: Belo Horizonte - anos 60. Belo Horizonte: Rio, 1997. 304 p., il. (História & Arte).
  • SANTOS, José Roberto Marcellino (coord.). Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Apresentação M. F. do Nascimento Brito. São Paulo: Banco Safra, 1999. 357 p., il. color.
  • SECCO, Maria do Carmo. Duas. Curadoria e texto Frederico Morais; versão em inglês Paulo Henriques Britto. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2001. 44 p., il. p&b, color.
  • SECCO, Maria do Carmo. Maria do Carmo Secco. São Paulo: Galeria Arte Global, 1975. 8 lâms., il. color.
  • SECCO, Maria do Carmo. Maria do Carmo Secco: pintura, desenho, 1983.
  • SECCO, Maria do Carmo. Maria do Carmo Secco: pintura/desenho. Texto Fernando Cocchiarale. Rio de Janeiro: Galeria Saramenha, 1983. 8 p., il. p&b color.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: