Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

André Luiz Oliveira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.02.2017
1948 Brasil / Bahia / Salvador
André Luiz Oliveira (Salvador, Bahia, 1948). Diretor, roteirista, músico. Aos 14 anos, encontra uma câmera 16 mm do pai e começa a fazer filmes caseiros. Ingressa na Faculdade de Ciências Econômicas, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Paralelamente, em 1968, frequenta o Curso Livre de Cinema, ministrado pelo cineasta Guido Araujo (1933) e ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

André Luiz Oliveira (Salvador, Bahia, 1948). Diretor, roteirista, músico. Aos 14 anos, encontra uma câmera 16 mm do pai e começa a fazer filmes caseiros. Ingressa na Faculdade de Ciências Econômicas, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Paralelamente, em 1968, frequenta o Curso Livre de Cinema, ministrado pelo cineasta Guido Araujo (1933) e pelo crítico de cinema Walter da Silveira (1915-1970). Conhece o cineasta José Umberto Dias (1949) e juntos realizam, em 1968, o curta-metragem em 16 mm Doce Amargo, premiado como melhor documentário no Festival de Cinema Amador do Jornal do Brasil. Abandona a faculdade de Economia e, em 1969, dedica-se ao primeiro longa-metragem, Meteorango Kid – O Herói Intergaláctico, filme contracultural, cujo título é retirado de uma música de Tuzé de Abreu (1948). A película, influenciada por O Bandido da Luz Vermelha (1968), e alinhada ao chamado cinema marginal1, ganha o prêmio do público do 5º Festival de Brasília. Em 1970, filma o curta A Fonte. Muda-se para o Rio de Janeiro, onde é preso, em 1973, por porte de maconha. Com verba da Embrafilme, realiza A Lenda do Ubirajara (1975), baseado na obra Ubirajara (1875), de José de Alencar (1829-1877). Realiza curtas em 35 mm, como Ladeiras do Salvador (1975), Vaquejada (1976), Dia de Iemanjá (1978), … É Dois de Julho (1980) e O Cristo de Vitória da Conquista (1984).

A partir de meados dos anos 1980, trabalha com vídeo, fazendo programas televisivos e produtos para o mercado de home video, além de comerciais. Em 1986, grava o disco Mensagem, com composições musicais para os poemas do livro homônimo do poeta português Fernando Pessoa (1888-1935). Grava, ainda, Mensagem 2 (2004), entre outros álbuns. Nos anos 1990, muda-se para Brasília e, em 1994, realiza o longa Louco por Cinema. O filme ganha seis prêmios no 28º Festival de Brasília, incluindo os de melhor filme e direção. Em 1997 o cineasta lança o livro homônimo, uma breve autobiografia com o roteiro do filme. Em 2008, finaliza o longa documental Sagrado Segredo, lançado em 2012, sobre a fé. Além de trabalhar com audiovisual e música, Oliveira é também musicoterapeuta.

Análise

Entre o final dos anos 1950 e meados dos 1960, o Ciclo Baiano de Cinema coloca o estado no mapa cinematográfico do país, com filmes de denúncia social. Um dos braços do chamado cinema marginal surge na Bahia e tem André Luiz Oliveira como principal representante.

Doce amargo é uma tentativa poética de registrar a vida atormentada de um vendedor de pirulitos que passa por várias situações amargas. Já há, aqui, o uso da alegoria, de figuras de linguagem e uma fragmentação narrativa que iria se acentuar mais em Meteorango Kid, o Herói Intergalático 2.

Em Meteorango Kid, o cineasta conta a história de Lula, um rapaz que, em seu aniversário, sai de casa para o velório de um amigo. Durante o percurso, episódios delirantes e possivelmente fantasiosos ocorrem dentro da narrativa: o personagem protagoniza o filme Tarzan e as Bananas de Ouro, participa de um duelo pirata de guitarras, veste-se de Batmãe e enfrenta seus pais. Tendo como referencial O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla (1946-2004), o longa é carregado de irreverência – o filme, por exemplo, é dedicado ao cabelo do diretor –, realizado em tom anárquico e influenciado pela Tropicália.

O delírio funciona em duas chaves: é uma forma de escape de uma sociedade hipócrita e moralista e uma maneira de lutar contra a repressão – luta que eleva o personagem ao patamar de herói. A maconha, uma substância alucinógena, é a resposta para os personagens encontrarem-se.

A experiência documental em Doce Amargo e, especialmente, em A Fonte, tem impacto na segunda fase do cinema de Oliveira, mais contemplativa. Em tom documental ultrarrealista, A Lenda do Ubirajara abandona os delírios característicos da primeira fase – exceto na cena final. O longa, que conta a história do índio Ubirajara, em tempos pré-cabralianos, tem atores índios não profissionais no elenco e é falado na língua indígena macro-gê karajá. O cineasta privilegia o tempo dos acontecimentos e enfoca a relação entre homem e natureza e as relações de poder entre diferentes tribos e indivíduos.

A terceira fase de seu cinema apresenta um tom místico e retoma elementos da fase marginal. Em Louco por Cinema, o autor expurga suas questões como cineasta com base no personagem Lula, seu alter ego. O filme também serve como viagem de autoconhecimento, despertada pela prisão, em 1973: Lula está preso em um sanatório e, para se curar, precisa terminar um filme interrompido há vinte anos. Em Sagrado Segredo, documentário com elementos ficcionais, a busca do cineasta dá-se pela fé e pelo conhecimento de Deus fora dos paradigmas religiosos.

A carreira cinematográfica de André Luiz Oliveira relaciona-se às fases da vida do cineasta. Quando precisa reagir contra o status quo e a repressão, o diretor liga-se à marginália e realiza Meteorango Kid, um dos principais filmes do cinema marginal. Passada essa fase, quando precisa entender seu mundo, o exame cinematográfico torna-se contemplativo; na terceira fase, esse olhar introspectivo busca nos elementos externos respostas para o autoconhecimento.

Notas

1 O cinema marginal apresenta características em comum com a fase inicial do cinema novo: filmes rodados com baixo orçamento, noção de cinema de autor e personagens desesperançosos e desestruturados. O cinema marginal, entretanto, rejeita o cinema de espetáculo para o qual se encaminha o cinema novo e permanece à margem do circuito comercial de exibição.

2;SETARO, André. Meteorango Kid e a estética do Cinema Marginal. Revista Zingu!, São Paulo, jul. 2009. Disponível em: < http://www.revistazingu.blogspot.com.br/2009/07/dalometeorangokideaesteticadocinemamarg.html >. Acesso em: 20 jul. 2012.

Obras 1

Abrir módulo

Eventos relacionados 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CINEMATECA Brasileira. São Paulo. Disponível em < http://www.cinemateca.gov.br/>. Acesso em 02 de abril de 2012.
  • FERREIRA, Jairo. Candeias. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000.
  • NAGIB, Lúcia. O cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: curta e média metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2011.
  • SILVA NETO, Antonio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: longa metragem. São Bernardo do Campo: Edição do Autor, 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: