Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Jorge Furtado

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.02.2021
09.06.1959 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Jorge Alberto Furtado (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1959). Diretor de cinema e roteirista. Antes de trabalhar com televisão e cinema, Jorge Furtado cursa medicina e psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sem concluir nenhum dos cursos. Em seguida, interessa-se por artes plásticas e jornalismo, mas também não termina sua for...

Texto

Abrir módulo

Jorge Alberto Furtado (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1959). Diretor de cinema e roteirista. Antes de trabalhar com televisão e cinema, Jorge Furtado cursa medicina e psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sem concluir nenhum dos cursos. Em seguida, interessa-se por artes plásticas e jornalismo, mas também não termina sua formação acadêmica, revelando forte vocação autodidata. Em 1981, é convidado a dirigir o Museu de Comunicação do Estado, quando amplia seu conhecimento sobre cultura audiovisual.

A carreira profissional na televisão começa com um estágio na TV Educativa do Rio Grande do Sul, onde é repórter, produtor, editor e roteirista. Participa do programa semanal O Quizumba, que tem a colaboração do cineasta Giba Assis Brasil (1957). Em 1984, estreia no cinema com o curta-metragem Temporal (1984), codirigido com José Pedro Goulart (1959), baseado em conto do escritor Luís Fernando Veríssimo (1936). O filme ganha o prêmio de Melhor Direção de Curta no Festival do Cinema Brasileiro de Gramado. Nesse mesmo ano, inicia trabalhos de adaptação para o teatro, ao lado de Ana Luiza Azevedo (1959) e José Pedro Goulart.

Com incentivos da Lei do Curta, dirige O Dia em que Dorival Encarou a Guarda (1986), também premiado em festivais nacionais e estrangeiros. O ano de 1987 marca a criação da Casa de Cinema de Porto Alegre, projeto que reúne várias produtoras gaúchas, responsáveis por impulsionar o cinema no Rio Grande do Sul. Pela Casa de Cinema, Furtado realiza, em parceria com Ana Luiza Azevedo, o curta Barbosa (1988), baseado em livro de Paulo Perdigão (1940 - 2006). Escreve e dirige o premiado Ilha das flores (1989), que projeta sua carreira de diretor no Brasil e no exterior.

A partir de 1989, ministra cursos e palestras sobre roteiro para cinema e televisão na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e na Escuela Internacional de Cine y TV, em Santo Antonio de Los Baños, Cuba. Nessa mesma época, ao lado do cineasta Guel Arraes (1953), trabalha como roteirista e diretor de séries, minisséries e programas da TV Globo. Entre eles, Memorial de Maria Moura (1994), Anchietanos (1997), Luna Caliente (1999), Sexo Oposto (2008) e Decamerão: A Comédia do Sexo (2009).

Dirige A Matadeira (1994), resultado do longa-metragem coletivo Os Sete Sacramentos de Canudos (1993), produzido por Peter Przygodda (1941-2011) para a rede de televisão alemã ZDF; e Estrada, episódio de Felicidade é... (1995). A partir de 2002, dirige longas-metragens para o cinema, como Houve uma Vez Dois Verões (2002), O Homem que Copiava (2003), Meu Tio Matou um Cara (2004), baseado em livro homônimo publicado pelo diretor em 2002, e Saneamento Básico, o Filme (2007). Seu trabalho mais recente é Até a vista (2011), curta-metragem realizado para a série Fronteiras do canal TNT.

De formação e carreira dinâmica, Jorge Furtado aproxima-se do cinema na época em que trabalha como jornalista na TVE/RS nos anos 1980. Suas maiores referências são as comédias de Teixeirinha (1927-1985) e de Mazzaropi (1912-1981) e, sobretudo, os filmes em Super 8 produzidos no Rio Grande do Sul. O mais representativo é Deu pra Ti Anos 70 (1981), de Nelson Nadotti (1958) e Giba Assis Brasil (1957).

Seus três primeiros filmes – Temporal, O Dia em que Dorival Encarou a Guarda e Barbosa (1986) – nascem de adaptações literárias e são dirigidos em parceria com José Pedro Goulart e Ana Luíza Azevedo, sócios na empresa Luz Produções. Essas obras são realizadas graças ao esforço dos produtores e entidades de classe como a Associação Brasileira de Documentaristas (ABD). Deve-se, também, a uma conjuntura favorável à produção e circulação do filme de curta-metragem, que engloba a Lei do Curta, incentivos estaduais e Festivais de Cinema.

Ilha das flores é a primeira experiência autoral do diretor, que assina o roteiro e a direção da obra. O filme transita entre a ficção e o documentário, utilizando a paródia e o humor negro para abordar a realidade miserável das personagens e a linguagem documental e seus signos. A repercussão no Brasil e no exterior é síntese do bom momento vivido pelo cinema gaúcho, projeta a carreira de Jorge Furtado e aponta novos caminhos para o cinema documental. Esta Não é Sua Vida (1991), ao contrário, privilegia as formas clássicas do documentário, ao mesmo tempo em que dá voz e lugar a sujeitos comuns e suas histórias de vida. Para o cineasta Silvio Da-Rin (1949), os curtas de Furtado caracterizam-se por uma estética pós-moderna, na qual a paródia e ironia questionam e refletem valores políticos e morais.

Na televisão, dirige e escreve roteiros de séries e minisséries bem recebidas pela crítica, pelo uso da metalinguagem, da paródia e da intertextualidade. Luna Caliente, filmado em 35 mm para a TV Globo, pode ser considerado um ensaio na direção de longas-metragens. Jorge Furtado, mesmo criticado, afirma não enxergar diferenças de linguagem entre o cinema e a televisão, defende que é possível fazer programas e filmes para a TV com qualidade e audiência.

A diversidade de temas e a renovação da linguagem são constantes nos longas-metragens para o cinema. Os quatro filmes dirigidos entre 2002 e 2009 são distintos, mas guardam relações de estilo peculiares ao seu trabalho, conciliando sucesso de crítica e de público. Na criação valoriza-se o roteiro que articula texto e imagem. A narração em off permite identificar as subjetividades das personagens, sujeitos comuns em contraposição a grandes heróis. Protagonizam histórias urbanas, ambientadas em Porto Alegre, sem que isso represente uma estética regionalista.

Com recursos para filmes de baixo orçamento, realiza em vídeo digital seu primeiro longa-metragem, Houve Uma Vez Dois Verões (2002). O filme tem narrativa concisa e linear,  e uma linguagem realista, que rejeita convenções e preconceitos. Conta uma história de amor, cujo pano de fundo é o comportamento juvenil da época. O Homem que Copiava é seu maior sucesso de público (670 mil espectadores) e o consagra como um dos diretores mais criativos de sua geração. A obra dialoga com Ilha das flores, ao realizar uma colagem quase barroca de gêneros e recursos. Toda a narrativa é baseia-se na lógica do protagonista, que tenta superar, de forma irônica e arguta, sua condição marginal de operador de fotocopiadora.

Em 2004, com a colaboração do cineasta Guel Arraes, decide adaptar para o cinema o conto de sua autoria Meu tio Matou um Cara, publicado em 2002. Em uma mistura de comédia romântica e trama policial, utiliza referências da cultura pop e eletrônica dos jogos de videogame. Saneamento Básico, o Filme evoca o gênero teatral da Commedia dell’arte para satirizar as mazelas sociais e as políticas públicas de incentivo, por meio das proezas de personagens envolvidos na realização de um vídeo de ficção, financiado pelo município, e na construção de uma fossa para a cidade, para a qual não há recursos públicos disponíveis. A obra questiona, ainda que de forma controversa, as carências materiais e culturais de um país.

O trabalho de Jorge Furtado, no cinema ou na televisão, representa uma renovação da dramaturgia brasileira. Com texto universal e linguagem dinâmica, o diretor faz um cinema de vocação popular. Sua filmografia, como propõe o cineasta Leandro Saraiva, cumpre papel de entretenimento e estabelece, de forma reflexiva, um diálogo reflexivo com o cinema moderno.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 26

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ARAÚJO, Inácio. Furtado recorre ao clássico e dirige longa com segurança. In: Folha de S. Paulo – Ilustrada, p. 7. 06 set. 2002.
  • ASSOCIAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS CINEMATOGRÁFICOS DO RIO GRANDE DO SUL. APTC, 25 anos: eles só queriam fazer seu próximo filme. Organização Carlos Scomazzon. Porto Alegre: Casa Verde, 2011. 173 p.
  • CAETANO, Daniel (org.). Cinema brasileiro: 1995-2005. Ensaios sobre um década. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005. 352 p.
  • DA-RIN, Silvio. Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Prefácio por João Moreira Salles; apresentações Amir Labaki e Ivana Bentes. 3º edição. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2006. 247 p.
  • ESCOSTEGUY, Ana Carolina D.; ANTUNES, Ricardo Romanoff. As reabilitações do popular na voz do sujeito ordinário. In: GUTFREIND, Cristiane Freitas; GERBASE, Carlos (Org.). Cinema gaúcho: diversidades e inovações. Porto Alegre: Sulinas, 2009. (Imagem – Tempo). p. 145-163.
  • FIGUEIRÓ, Belisa. Comédia dos erros: em Saneamento Básico, Jorge Furtado discute em tom de comédia, a importância de se fazer filmes num país carente de saneamento, educação e vergonha na cara. Revista de Cinema, v. 8, n. 78, p. 26-27, jul. 2007.
  • FONSECA, Rodrigo. Em busca do jovem perdido. In: Revista de Cinema, v. 5, n. 51, p. 24-5, jan.-fev. 2005.
  • FONSECA, Rodrigo. O homem que fez sucesso. In: Jornal do Brasil – Caderno B, 28 dez. 2003.
  • FURTADO, Jorge. O filme que nasce de olho fechado, o filme que nasce de olho aberto, o filme que dá para passar no rádio. In: Cinemais, n. 30, p. 7-44, jul.-ago. 2001.
  • FURTADO, Jorge. Um astronauta no Chipre. Porto Alegre: Artes Ofícios, 1992. (Olhares, 2).
  • GUTFREIND, Cristiane Freitas, GERBASE, Carlos (org.). Cinema gaúcho: diversidades e inovações. Porto Alegre: Sulinas, 2009. (Série Imagem - Tempo).
  • MASCARELLO, Fernando. Brasileiros do Rio Grande do Sul: sobre o apagamento da identidade cenográfica urbana em Meu Tio Matou um Cara. In: Teorema, n. 8, p. 16-21, dez. 2005.
  • MASCARELLO, Fernando. O pampa vai virar mar. In: Teorema, n. 1, p. 7-16, ago. 2002.
  • MERTEN, Luiz Carlos. A aventura do cinema gaúcho. São Leopoldo: Unisinos. 112 p. (Aldus, 3).
  • MOURÃO, Maria Dora, LABAKI, Amir (org.). O cinema do real. Textos de Brian Winston et al. São Paulo: Cosac Naify, 2005. 285 p.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. O feijão e o sonho: em seu novo filme, Saneamento básico, Jorge Furtado busca mais uma vez o diálogo entre as linguagens do cinema e da TV. In: Teorema, n. 11, p. 16-19, set. 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: