Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Quirino Campofiorito

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.03.2021
07.09.1902 Brasil / Pará / Belém
16.09.1993 Brasil / Rio de Janeiro / Niterói
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Café-Exportação (Tríptico), 1940
Quirino Campofiorito
Óleo sobre tela, c.i.e.
56,00 cm x 46,00 cm

Quirino Campofiorito (Belém, Pará, 1902 - Niterói, Rio de Janeiro, 1993). Pintor, crítico de arte, professor, caricaturista, gravador. Filho do pintor e arquiteto italiano Pedro Campofiorito (1875-1945). Transfere-se com a família para o Rio de Janeiro em 1912. Trabalha como ilustrador nas revistas Tico-Tico, Revista Infantil e publica charges n...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Quirino Campofiorito (Belém, Pará, 1902 - Niterói, Rio de Janeiro, 1993). Pintor, crítico de arte, professor, caricaturista, gravador. Filho do pintor e arquiteto italiano Pedro Campofiorito (1875-1945). Transfere-se com a família para o Rio de Janeiro em 1912. Trabalha como ilustrador nas revistas Tico-Tico, Revista Infantil e publica charges nos periódicos A Maçã, O Malho, D. Quixote, entre outros trabalhos que o aproximam das artes gráficas, frequentando as oficinas de impressão. Em 1920, inicia os estudos na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), com os professores Modesto Brocos (1852-1936), Rodolfo Chambelland (1879-1967), João Baptista da Costa (1865-1926) e Augusto Bracet (1881-1960). Escreve para a coluna de Arte do jornal A Reação em 1926. Recebe da Enba o Prêmio de Viagem à Europa em 1929. Frequenta aulas na Académie Julian, na Académie de la Grande Chaumière e participa do Salon de Paris em 1931. Em Roma, estuda na Academia de Belas Artes e frequenta os cursos do Círculo Artístico e da Academia Inglesa de Roma. Em 1933, volta a residir em Paris e participa do Salon d’Automne. Retorna ao Brasil em 1934 e trabalha na organização da Escola de Belas Artes de Araraquara, interior de São Paulo, instituição que dirige entre 1935 e 1937, criando também o Salão de Belas Artes da mesma cidade. Em 1935, funda o periódico mensal Belas Artes, o primeiro no Brasil dedicado exclusivamente à arte, e extinto em 1940 pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). Filia-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) em 1938. Integra o Núcleo Bernardelli e torna-se seu presidente em 1942.

O grupo, formado por artistas como José Pancetti (1902-1958) e Milton Dacosta (1915-1988), se reunia à noite nos porões da Enba para discutir pintura, em busca de profissionalização e aprimoramento técnico. Participa ainda do grupo de artistas criadores da Divisão Moderna do Salão Nacional de Belas Artes. É nomeado professor interino da Enba em 1938, ocupando a cadeira de desenho artístico até 1949, quando presta concurso para a cadeira de artes decorativas. Desde então, trabalha na atualização dos métodos de ensino da Escola de Belas Artes. Tal reformulação é acentuada com a entrada de Oswaldo Goeldi (1895-1961) e Mário Barata (1921) para o corpo docente em 1954. Viaja à Europa em 1957 a serviço da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para observar programas de ensino, visando à reforma do regulamento da Enba. Torna-se vice-diretor da Enba em 1961 e recebe o título de Professor Emérito da UFRJ em 1981. Publica críticas de arte em jornais do grupo Diários Associados, de Assis Chateaubriand (1892-1968), entre eles O Jornal, O Cruzeiro, Diário da Noite e Jornal do Comércio, atividade que exerce por cerca de 40 anos. Em 1983 publica História da Pintura Brasileira no Século XIX, obra referencial para o estudo da arte oitocentista, pela qual recebe o Prêmio Jabuti.

Análise da Trajetória
A produção artística e intelectual de Quirino Campofiorito transita por diferentes áreas em torno das artes plásticas. Trabalha em sua difusão como crítico de arte. Como professor, compromete-se com a consolidação e reforma de um sistema de ensino artístico. Como artista, dedica-se às artes gráficas, sobretudo à pintura.

A formação de Campofiorito dá-se entre os rigores acadêmicos, sendo o desenho seu principal instrumento de aprendizagem, com especial atenção ao estudo do nu e ao modelado. A temporada na Europa apresenta novos caminhos para sua pintura, apontados pela arte simbolista, pela pintura metafísica italiana e pelas experiências das vanguardas interpretadas pelo movimento de retorno à ordem. Estas influências podem ser sentidas desde sua produção dos anos 1930, nas vistas de Roma, e em estudos que almejam a formas mais espontâneas e sintéticas. A partir desse período, a produção Campofiorito dedica-se a questões centrais para pintura modernista no Brasil, como a forma simplificada e a tensão do espaço figurativo ao manipular as leis da perspectiva. Defensor da arte figurativa, entre seus temas encontram-se a observação de tipos populares e seus vínculos com o universo do trabalho. O quadro O Operário (1932) apresenta-se como um retrato de classe, marcado pela expressividade fisionômica e pelas formas protuberantes das mãos acostumadas à labuta. Em pinturas como Operários - Estudo n. 1 (1939) ou Café-Colheita (1940), que representam cenas de trabalho coletivo, nota-se a proximidade com a pintura de Candido Portinari (1903-1962) e com uma plasticidade que remete à pintura muralista.

As citações em suas pinturas propõem um passeio e um comentário sobre a história da arte. Na natureza-morta A Geléia Francesa (1932) explora soluções espaciais e cromáticas observadas nas pinturas de Cézanne (1939-1906). Ricordo di Roma (1941) remete ao passado classicista com fragmentos de uma estátua e monumentos justapostos como em uma colagem.  Em Homenagem a Giorgio De Chirico (1973), dialoga com a pintura metafísica em composições de objetos em situação de estranhamento.

Apesar de sua resistência à abstração, realiza uma série de pinturas que a discutem, como Homenagem a Kasimir Malevitch (1979), na qual faz uma analogia entre formas concretas e elementos figurativos. A referência ao universo das artes plásticas também está presente em sua produção de charges, nas quais é recorrente a crítica do sistema cultural ou os comentários sobre as obras mais destacadas dos salões.

Como professor, busca uma prática de ensino atenta às diversas demandas da sociedade contemporânea, como a relação entre o desenho e a produção industrial nas artes gráficas, tecelagem etc.

Dedica muitos estudos às artes do século XIX, entre os quais o volume História da Pintura no Brasil no Século XIX, obra que configura uma visão ampla sobre a pintura oitocentista. No livro, Campofiorito apresenta o contexto geral e destaca os principais artistas de cada período. Parte de um breve traço biográfico e desenvolve considerações estéticas, atentando sobre as rupturas nos processos de amadurecimento dos artistas.

Ao longo de seus escritos, ressalta a necessidade de profissionalização da atividade do crítico de arte e identifica uma colaboração mútua  entre a história da arte e a crítica. Participa do debate sobre o abstracionismo nos anos 1950, travado por críticos como Mário Pedrosa (1900-1981). Assim como outros artistas e intelectuais modernistas, Campofiorito resiste à chegada da arte abstrata ao Brasil. Argumenta que ela foge à proposta de modernização cultural baseada no reconhecimento das raízes populares. Compreende a arte abstrata como um projeto de tendência elitista, enquanto a arte figurativa é acessível a todos. Como crítico tem papel importante na afirmação da arte moderna no Brasil.

Obras 13

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Fábio Praça

A Camponesa

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Auto-Retrato

Óleo sobre tela

Exposições 87

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • AMARAL, Aracy. Arte para quê?: a preocupação social na Arte brasileira 1930-1970: subsídio para uma história social da Arte no Brasil. São Paulo: Nobel, 1984.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. 90 anos do artista: retrospectiva comemorativa dos. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1992. 69p. il. p.b. color.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. Campofiorito. Texto Italo Campofiorito. Rio de Janeiro: Bolsa de Arte, 1977. [12 p.], il. p.b.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. Quirino Campofiorito: exposição retrospectiva comemorativa dos 90 anos do artista. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes; Niterói: Museu Antonio Parreiras, 1992. Exposição realizada no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro no período de 22 out. a 22 de nov. e no Museu Antonio Parreiras, em Niterói, no período de 1 a 20 dez. de 1992.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. Quirino Campofiorito: retrospectiva comemorativa dos 90 anos do artista. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1992. CAT-G C198 1992
  • CAMPOS, Beatriz Pinheiro de. Quirino Campofiorito e Mário Pedrosa: entre a figuração e a abstração. A crítica de arte e o surgimento da arte abstrata no (1940 a 1960). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.1 pt. 1
  • FERNANDES, Luiz Felipe. Artistas brasileiros contemporâneos. Rio de Janeiro: Edições de Arte, 1984.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • MARGUTTI, Mário. Desenho brasileiro. Tradução Amos Israel Zezmer; apresentação Geraldo Edson de Andrade. Rio de Janeiro: Europa, 1988. 136 p., il. p.b., foto.
  • MEDEIROS, João. Pintura brasileira contemporânea. Prefácio Ulysses Bittencourt; introdução João Medeiros. São Paulo: Mundo Musical, 1976. 371p. il.
  • MORAIS, Frederico. Núcleo Bernardelli: arte brasileira nos anos 30 e 40. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. 136 p., il. p&b color.
  • MORAIS, Frederico. Núcleo Bernardelli: arte brasileira nos anos 30 e 40. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. 136 p., il. p&b color.
  • O DESENHO moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand. São Paulo: Galeria de Arte do Sesi, 1993.
  • PEREIRA, Ricardo. A importância do desenho nas obras de Oswaldo Goeldi, Adir Botelho, Adir Botelho e Quirino Campofiorito. Rio de Janeiro: UFRJ. Publicação eletrônica disponível em: http://www.eba.ufrj.br/pintura/pesquisas.html.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • SALÃO ARTE PARÁ, 19., 2000, Belém, PA. Arte Pará 2000 = Arte Pará dois mil: a influência da arte e cultura italianas na arte e cultura do Pará. Curadoria Jussara da Silveira Derenji; tradução Guido Oddenino, Liceu Italiano. Belém: Fundação Romulo Maiorana, 2000. Disponível em: http://www.mediacenterliberal.com.br/pdf/catalogo2000.pdf. Acesso em: 30 jun. 2020.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: