Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Lucio Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.01.2021
27.02.1902 França / Provença-Alpes-Cote d'Azur / Toulon
13.06.1998 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Vila Operária da Gamboa, Rio de Janeiro, 1933
Lucio Costa, Gregori Warchavchik

Lucio Marçal Ferreira Ribeiro de Lima e Costa (Toulon, França 1902 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998). Arquiteto, urbanista, estudioso e teórico da arquitetura e conservador do patrimônio. Autor de uma expressiva obra e de textos fundadores da historiografia arquitetônica brasileira, Lucio Costa é figura-chave na implantação e consolidação ...

Texto

Abrir módulo

Lucio Marçal Ferreira Ribeiro de Lima e Costa (Toulon, França 1902 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998). Arquiteto, urbanista, estudioso e teórico da arquitetura e conservador do patrimônio. Autor de uma expressiva obra e de textos fundadores da historiografia arquitetônica brasileira, Lucio Costa é figura-chave na implantação e consolidação da arquitetura moderna no Brasil.

Forma-se em 1924 na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), no Rio de Janeiro. Entre 1922 e 1929, realiza inúmeros projetos e obras orientados predominantemente pelo estilo neocolonial, de teor nacionalista, e, eventualmente, pelos preceitos internacionais do ecletismo.

Em 1930, o arquiteto é convidado a trabalhar como assessor de obras do Itamaraty e, depois da Revolução de 1930, é nomeado diretor da Enba. Rompe com a tradição beaux-arts de sua formação e consuma sua “conversão” ao movimento moderno, após descobrir a Casa Modernista, de Gregori Warchavchik (1896-1972). Como diretor, realiza uma importante reviravolta no ensino da escola, demitindo antigos professores e contratando outros, de orientação moderna, como o próprio Warchavchik. 

Ainda no cargo, organiza o Salão Revolucionário de 1931, que conta com a participação de artistas como Guignard (1986-1962)Candido Portinari (1903-1962)Di Cavalcanti (1897-1976), Anita Malfatti (1889-1964) e Tarsila do Amaral (1886-1973), e tem papel fundamental na divulgação e legitimação do movimento modernista iniciado em São Paulo com a Semana de 1922

Nos anos seguintes, aprofunda o estudo da obra do suíço Le Corbusier (1887-1965), e dos alemães Walter Gropius (1883-1969) e Ludwig Mies van der Rohe (1886-1969), e aos poucos recupera o prestígio profissional adquirido como arquiteto acadêmico. Seu percurso caracteriza-se não por uma ambição de sucesso pessoal, mas por um projeto de “formação nacional”1. Escreve o importante texto-manifesto Razões da Nova Arquitetura (1934/1936), advogando a inevitabilidade histórica do modernismo.

Em 1935, é convidado pelo então ministro Gustavo Capanema (1900-1985) a conceber o projeto da nova sede do Ministério da Educação e Saúde (MES), tarefa para a qual constitui um grupo de jovens arquitetos: Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), Carlos Leão (1906-1983), Jorge Moreira (1904-1992)Ernani Vasconcelos (1912-1989) e Oscar Niemeyer (1907-2012), com a coordenação de Le Corbusier. É o primeiro arranha-céu no mundo a realizar integralmente os “cinco pontos da arquitetura moderna” idealizados por Le Corbusier.2 Esse edifício, bem como o Pavilhão do Brasil, na Feira Mundial de Nova York, (1939), projetado em parceria com Niemeyer, e o Conjunto da Pampulha, são considerados o marco inaugural da arquitetura moderna brasileira. 

Em 1937, passa a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), que posteriormente passa a se chamar Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelo qual se aposenta em 1972. Deve-se a Costa a definição de critérios e normas de classificação, análise e tombamento do patrimônio arquitetônico brasileiro, bem como a definição de critérios para a intervenção em centros históricos, como a realizada na construção do Grande Hotel de Ouro Preto, em 1940. 

Lucio Costa defende a convergência entre modernidade e patrimônio, o que é possível observar tanto em seus textos quanto em suas obras arquitetônicas. Ao combinar inovações técnico-formais do modernismo (pilotis, brise-soleil, concreto armado, panos de vidro) com elementos da tradição artesanal (treliças, cobogós, alvenarias de pedra), procura encontrar a conciliação entre a impessoalidade da sociedade de massas vindoura e a afetividade do mundo doméstico, herdada dos tempos da colônia. Exemplos dessa articulação são: o Museu das Missões (1937), em São Miguel, Rio Grande do Sul; os edifícios do parque Guinle (1943-1948), no Rio de Janeiro; e o Park Hotel São Clemente (1944), em Nova Friburgo, Rio de Janeiro.

Em 1957, Costa vence o concurso para o plano piloto de Brasília, a nova capital do Brasil, inaugurada em 1960. Concebe-a com base em dois eixos que se cruzam em ângulo reto – o eixo rodoviário-residencial e o eixo monumental –, como a gravar no terreno o sinal da cruz. Assim, o desenho da cidade orienta-se pela definição de diferentes escalas de uso do espaço: a escala residencial, nas superquadras; a monumental, no eixo dos edifícios públicos; a gregária, no setor cultural e de diversões, situado em um anel em torno do encontro dos dois eixos; e a bucólica, à beira do lago, para os passeios da população urbana. Em 1987, Brasília é considerada Patrimônio Mundial, Cultural e Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Depois dessa grande exposição, Costa mantém-se reservado e distante da cena principal da arquitetura brasileira. Em 1995, aos 93 anos de idade, lança Lucio Costa: Registro de uma Vivência, livro autobiográfico contendo projetos, ensaios críticos, cartas pessoais e textos memorialísticos, referência para qualquer estudo da arquitetura brasileira.

Lucio Costa tem importância inquestionável para a formação da arquitetura moderna brasileira. Rompe com o antigo, ao adotar os princípios arquitetônicos do modernismo, mas preserva e incorpora alguns de seus elementos, estabelecendo um diálogo harmonioso entre passado e presente, produzindo, assim, uma arquitetura brasileira com identidade própria. 

Notas:

1. Otília Arantes estende o conceito de “formação”, formulado por Antonio Candido no caso da literatura brasileira, para a arquitetura, com base na ação de Lucio Costa. Ver: ARANTES, Otília B. F. Lucio Costa e a 'boa causa' da arquitetura moderna. In: ______. Sentido da Formação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

2. São eles o pilotis, o térreo livre, o teto-jardim, a fachada livre e as janelas horizontais.

Obras 6

Abrir módulo

Exposições 16

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • BRUAND, Yves. Arquitetura Contemporânea no Brasil. Tradução Ana M. Goldberger. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.
  • COSTA, Lucio. Registro de uma vivência. 2.ed. São Paulo: Empresa das Artes, 1997.
  • GUIMARAENS, Cêça de. Lucio Costa: um certo arquiteto em incerto e secular roteiro. Rio de Janeiro: Rio, 1996. 115 p. (Perfis do Rio, 4).
  • NOBRE, Ana Luiza (org.); KAMITA, João Masao (org.); LEONÍDIO, Otávio (org.). Um modo de ser moderno: Lúcio Costa e a crítica contemporânea. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. 336 p., il. p&b.
  • PESSÔA, José (org.). Lucio Costa : documentos de trabalho. Rio de Janeiro: IPHAN, 1999. 325 p., il., p.b.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • WISNIK, Guilherme (org.). O Risco: Lucio Costa e a utopia moderna: depoimentos do filme de Geraldo Motta Filho. Rio de Janeiro: BangBang Filmes, 2003. 272 p., il. p&b. color.
  • WISNIK, Guilherme. Lucio Costa. Coordenação Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac & Naify, 2001. 128 p., il. color. (Espaços da arte brasileira).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: