Artigo da seção pessoas Silvio Tendler

Silvio Tendler

Artigo da seção pessoas
Cinema  
Data de nascimento deSilvio Tendler: 12-03-1950 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia
Silvio Tendler (Rio de Janeiro RJ 1950). Cineasta, professor e historiador. Aproxima-se do cinema em 1965 pela atividade cineclubista e, em 1968, torna-se presidente da Federação de Cineclubes do Rio de Janeiro. Trabalha como assistente de direção na produtora Mapa Filmes. Em 1968, entrevista o marinheiro João Cândido (1880 - 1969), líder da Revolta da Chibata (1910), mas não realiza o projeto cinematográfico. Após o Ato Constitucional nº 5 (AI-5), de 1968, viaja para o Chile no fim do ano de 1970, e se inicia em fotografia e edição, participando de produções de cunho popular.

Muda-se para Paris em 1972, e lá completa sua formação acadêmica. Aproxima-se do coletivo Sociedade para o Lançamento de Obras Novas (Slon), criado pelo cineasta francês Chris Maker (1921), com quem trabalha na realização do filme La Spirale (1975), sobre o golpe civil-militar no Chile, de 1973. Matricula-se no curso de história da Universidade de Paris 7, e se gradua em 1975, com orientação do historiador Marc Ferro (1924). Em 1976, torna-se mestre em cinema e história pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS), com dissertação sobre a obra do cineasta holandês Joris Ivens (1898 - 1989).

De volta ao Rio de Janeiro, em 1976, inicia a pesquisa e entrevistas para seu primeiro longa-metragem: o documentário Os Anos JK, uma Trajetória Política, concluído em 1980. Desde 1979 é professor de cinema no Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Realiza seu segundo longa-metragem, O Mundo Mágico dos Trapalhões, em 1981, e, no mesmo ano, funda a Caliban Produções Cinematográficas e inicia o seu terceiro longa-metragem, que retoma o caráter político biográfico da trajetória de outro ex-presidente da República: Jango, finalizado em 1984. Dirige a TV Brasília em 1995 e, no ano seguinte, a Secretaria de Cultura e Esporte do Distrito Federal. Entre 1997 e 2000 assume a Coordenação de Audiovisual para o Brasil e o Mercado Comum do Sul (Mercosul), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Volta à direção, em 1998, com o longa-metragem Retrato Falado de Castro Alves, sua única ficção. Realiza o média-metragem Marighella, Retrato Falado do Guerrilheiro em 2001, e um ano depois o longa-metragem Glauber o Filme, Labirinto do Brasil, em que apresenta uma série de depoimentos e imagens de arquivo, entre as quais cenas do velório e do enterro do cineasta.

Finaliza, em 2006, o sexto longa-metragem, Encontro com Milton Santos ou o Mundo Global Visto do Lado de Cá, filme que traz uma das últimas entrevistas concedidas pelo professor e geógrafo Milton Santos (1926 - 2001). Lança Utopia e Barbárie em 2010, filme que sintetiza, em duas horas, importantes acontecimentos ocorridos entre os anos 1960 e a primeira década dos anos 2000. Seu mais recente trabalho é Tancredo: A Travessia (2011), a biografia e a trajetória política do presidente da República eleito em 1985.

Análise de trajetória
Os aspectos históricos e políticos com que Silvio Tendler aborda personagens e contextos nos documentários decorrem da formação de historiador, daí a pesquisa em imagens de arquivos, entrevistas e demais fontes documentais em seus filmes. Nesse sentido, credita ao cinema o status de expressão artística privilegiada para o relato e debate de questões históricas, pois supõe ilusória a ideia de neutralidade na narrativa documental. Suas opções, segundo o próprio cineasta, se revestem de posicionamentos políticos perante os temas tratados, procurando novos ângulos na abordagem de figuras como os ex-presidentes Juscelino Kubitschek (1902 - 1976) e João Goulart (1919 - 1976), o guerrilheiro Carlos Marighella (1911 - 1969), o cineasta Glauber Rocha (1939 - 1981), o geógrafo Milton Santos (1926 - 2001).

O "cinema-verdade" de Joris Ivens, proposta engajada de documentário com posicionamento político em relação àquilo que apresenta, é a maior inspiração de Silvio Tendler, que se espelha na coerência da trajetória do documentarista holandês, sempre preocupada em legitimar suas narrativas abertamente ideológicas em relação aos fatos. O que se reforça, inclusive, pela formação acadêmica e artística de Tendler na França, em parte motivada pela censura e perseguição no cenário político brasileiro e em parte pela pesquisa e convivência com o próprio Ivens. Soma-se a sua formação outra grande presença: a do cineasta francês Chris Marker (1921), com quem tem a primeira experiência na realização de um documentário, o filme La Spirale (1975). Entre os brasileiros, o documentarista Vladimir Carvalho (1935), que conhece ainda antes de deixar o Brasil, em 1970, é sua primeira referência.

Seus três primeiros longas-metragens marcam o alcance do diálogo que estabelece com o público, até hoje as melhores bilheterias de documentários no Brasil: 1 milhão com Jango (1984), 800 mil com Os Anos JK, uma Trajetória Política (1980) e 1,8 milhão de espectadores com O Mundo Mágico dos Trapalhões (1981). O primeiro trabalho, Os Anos JK, além de boa recepção do público, é premiado pela crítica. Para o crítico de cinema Jean-Claude Bernardet (1936), em Os Anos JK é clara a opção do diretor pela valorização da imagem de um "presidente liberal", na articulação entre cenas de cinejornais e os comentários do locutor. O sociólogo José Mário Ortiz Ramos, ao comparar Os Anos JK a Jango - filme mais premiado de Tendler -, identifica no primeiro a marca de uma narrativa fria (acentuada pela voz off) pontuada pelo eixo "desenvolvimento e democracia" e, em Jango, o papel da montagem que expressa o posicionamento político do diretor na composição de imagens, fotografias, depoimentos, textos e trilhas musicais que tornam a narrativa mais dinâmica.

Em Encontro com Milton Santos ou o Mundo Globalizado Visto do Lado de Cá (2006) e Utopia e Barbárie (2010), Tendler muda a forma de suas abordagens. No primeiro, resgata o momento histórico da virada do século não mais pela trajetória política de um personagem, mas pelas próprias ideias do geógrafo; em Utopia e Barbárie, apresenta importantes eventos políticos dos últimos 50 anos, enfatizando sua experiência e observação pessoal, a partir da reinterpretação de sequências de obras cinematográficas incorporadas e de depoimentos.

Tal como no conjunto de sua obra, agrega aqui a perspectiva "cinema e história" como exposição de um ponto de vista para além do aspecto puramente documental.

Outras informações de Silvio Tendler:

  • Outros nomes
    • Silvio Tendler
  • Habilidades
    • Cineasta
    • historiador
    • professor

Obras de Silvio Tendler: (2) obras disponíveis:

Midias (2)

Silvio Tendler - Série Cinema - Jogo de Ideias (2012) - Parte 1/2
Produção Itaú Cultural

Silvio Tendler - Série Cinema - Jogo de Ideias (2012) - Parte 2/2
Produção Itaú Cultural

Eventos relacionados (10)

Fontes de pesquisa (34)

  • TENDLER, Silvio. Meu Livro Preferido de História. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 6, n. 68, p. 93, maio 2011.

     

  • SANTOS, Renata. Furação Documentado. Bravo!, v. 3, n. 35, p. 64, ago. 2000.
  • BARROS, João de. O Que Está Acontecendo? Caros Amigos, v. 11, n. 126, p.26-38, set. 2007.
  • BELISÁRIO, Adriano. Silvio Tendler comenta sobre seu novo documentário. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, 13 ago. 2008. Disponível em: < http://www.revistadehistoria.com.br/secao/reportagem/utopia-e-barbarie >. Acesso em: 26 jul. 2011.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e Imagens do Povo. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.
  • BEZERRA, Júlio.  Silvio Tendler: Documentário Social. Revista de cinema, v. 6, n. 63, p. 22-27., fev. 2006.
  • BOJUNGA, Cláudio. A reconstrução da memória. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 44, p. 20-29, abr. /ago. 1984.
  • CAETANO, Maria do Rosário. Festival. Revista de Cinema, v. 7, n. 72, p. 36-37, nov. 2006.
  • CALIBAN PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS. Site oficial da companhia produtora. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: < http://www.caliban.com.br > . Acesso em: 26 jul. 2011.
  • CATARINA FESTIVAL DE DOCUMENTÁRIO, 3, 2004, Balneário Camboriú. Catálogo. Apresentação Cloris de Souza Ferreira. Balneário Camboriú, 2004. 35 p.
  • CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. Painel do Documentário Brasileiro. Apresentação de Vladimir Carvalho. Brasília, 2001. 20 p.
  • Cinema Engajado. SESCTV, n. 35, p. 8-9, fev. 2010.
  • Cinemateca do MAM: Bodas de Ouro e Muitas Histórias. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, , p. 8, ago. 2005.
  • Enciclopédia do Cinema Brasileiro. Organização Fernando Pessoa Ramos, Luiz Felipe A. de Miranda. São Paulo: Editora Senac, 2000. p. 537-538.
  • FERREIRA, Jorge. Como as sociedades esquecem: Jango. In: SOARES, Mariza de Carvalho; FERREIRA, Jorge (orgs.). A História vai ao cinema: vinte filmes brasileiros comentados por historiadores. Rio de Janeiro: Record, 2001. p.161-178.
  • FILME B. O Maior Portal Sobre Mercado de Cinema no Brasil. Rio de Janeiro. Disponível em: < http://www.filmeb.com.br/portal/html/calendario.php#ano=a11 >. Acesso em: 15 set. 2011.
  • FORUMDOC.BH.2000. Festival do Filme Documentário e Etnográfico, 4, 2000, Belo Horizonte. Catálogo: fórum de antropologia, cinema e vídeo. Apresentação Junia Torres; textos de Claudia Mesquita et al. Belo Horizonte : Filmes de Quintal, 2000. 60 p.
  • KACTUZ, Flávio (org). Daqui Onde Estou Dá pra Ver o Brasil. Rio Branco: CATAC - Centro de Antropologia do Teatro e Antropofagia do Cinema, 2006.
  • Labyrinth Glauber, the Brazilian Movie. Brazilian Cinema, p.71, 2007.
  • LEAL FILHO, Hermes. Um Cineasta em Transição. Cisco, v. 1, n. 2, p. 9-13, dez. 1985/jan.1986.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. São Paulo: Art Editora, 1990, 408 p. p. 337-338.
  • MORAES, Malú (coord). Perspectivas Estéticas do Cinema Brasileiro: Seminário. Brasília: Editora da Universidade de Brasília / Embrafilme, 1986. p.105-142.
  • MOSTRA INTERNACIONAL DO FILME ETNOGRÁFICO, 11, 2006. , Rio de Janeiro. Catálogo: filmes e vídeos, fórum de cinema e antropologia. Curadoria Patricia Monte-Môr; apresentação de Luiz Fernando de Almeida e outros. Rio de Janeiro, 2006. 79 p.
  • NUZZI, Vitor. Quem Ganhou. Revista do Brasil - SP, n. 46, p.36-39, abr. 2010.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. O Sonho Não Acabou, Segundo Silvio Tendler. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 23 abr. 2010, Caderno 2, p. D6.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Para Pensar o Mundo Globalizado. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 17 ago. 2007, Caderno 2, p. D5.
  • Os Felizardos do Baixo Orçamento. Revista de cinema, v. 5, n. 52, p. 31, mar. 2005.
  • PARAIZO, Lucas. Silvio Tendler. Beta, n. 8, 2010.
  • RAMOS, José Mário Ortiz. JK/JQ/JG: Memórias e Sonhos de uma Geração. Folhetim, São Paulo, 24 mar. 1985, p.8-9.
  • RIZZO, Sérgio. Tendler Faz Reflexão sobre o Mundo com Apoio de Milton Santos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 ago. 2007, Caderno Guia, p. 14.
  • TENDLER, Silvio. "La Spirale". Palestra proferida na Cinemateca do Museu Guido Viaro em 19 de setembro de 1991. Cadernos Cineamericanidad, n. 1, out. 1991, 12 p.
  • TENDLER, Silvio. Cinema, História e Paixão. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 20, p. 54-56, nov. 1984.
  • TENDLER, Silvio. Entrevista concedida a Vicente Duque Estrada. Cine Imaginário, v. 5, n. 49, p. 8-9, dez. 1989/jan. 1990.
  • TENDLER, Silvio. Entrevista concedida pelo cineasta a Rodrigo Elias, da Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, 17 jun. 2010. Disponível em: < http://www.revistadehistoria.com.br/secao/entrevista/silvio-tendler >. Acesso em: 26 jul. 2011.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • SILVIO Tendler. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa14524/silvio-tendler>. Acesso em: 23 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7
abrir pesquisa
;