Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Alfredo Bosi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.04.2021
26.08.1936 Brasil / São Paulo / São Paulo
07.04.2021 Brasil / São Paulo / São Paulo
Alfredo Bosi (São Paulo, São Paulo, 1936 - Idem, 2021). Crítico, historiador, ensaísta e professor. Considerado um dos mais importantes críticos literários do Brasil, produz obras sobre a literatura e escritores brasileiros e italianos, e é referência nos estudos de literatura e sociedade.

Texto

Abrir módulo

Alfredo Bosi (São Paulo, São Paulo, 1936 - Idem, 2021). Crítico, historiador, ensaísta e professor. Considerado um dos mais importantes críticos literários do Brasil, produz obras sobre a literatura e escritores brasileiros e italianos, e é referência nos estudos de literatura e sociedade.

Em 1955, ingressa no curso de letras neolatinas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (FFCL/USP).1 Em 1959, especializa-se em filologia românica e em literatura italiana e ocupa o cargo de docente do departamento de Literatura Italiana até 1969. Recebe uma bolsa do governo italiano em 1961 para estudar na Universidade de Florença, onde se dedica à filosofia do Renascimento e estética. 

De volta ao Brasil, organiza e prefacia com o jornalista Nilo Scalzo (1929-2007) a obra José Bonifácio, o Moço - Poesias (1962). Entre 1963 e 1970, escreve na seção Letras Italianas do suplemento literário do jornal O Estado de S. Paulo. Nesse período, doutora-se com a tese inédita Itinerário della Narrativa Pirandelliana (1964).

Além dos estudos sobre a língua italiana, aproxima-se da literatura brasileira e publica as obras O Pré-Modernismo (1966) e História Concisa da Literatura Brasileira (1970), que firmam Bosi como referência na crítica nacional. No mesmo ano, obtém o título de livre-docência com a tese Mito e Poesia em Leopardi, também inédita. Com a mudança de foco dos estudos, transfere-se para o Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da USP ainda em 1970 e assume a cadeira de literatura brasileira, da qual se torna titular em 1985. 

Atua politicamente no Brasil, e é um dos responsáveis por introduzir o pensamento do filósofo marxista italiano Antonio Gramsci (1891-1937). Durante a década de 1970, participa de grupos militantes em Osasco e São Paulo, ao lado de pastorais operárias, dando aulas e fazendo trabalho humanitário.

De 1985 a 1987, torna-se membro do Conselho Editorial da Edusp. No ano seguinte, lança Céu, Inferno, em que reúne ensaios que revelam seus interesses em estudos sobre as literaturas brasileira e italiana. Em 1989, assume o cargo de editor da revista Estudos Avançados, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP). Publica Dialética da Colonização (1992), traduzida para o espanhol e o francês, em que mostra a amplitude de um olhar crítico que vê a literatura e suas interpretações dentro de um panorama amplo, transformando a história da literatura em análise profunda da sociedade brasileira. No ano seguinte, recebe o Prêmio Jabuti na categoria Ciências Humanas pela obra.

A importância de seu trabalho gera convites para lecionar em diversas instituições, como na École des Hautes Études en Sciences Sociales [Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais], em Paris, na qual atua em 1993, 1996 e 1999. 

Em 1997, assume a direção do IEA-USP e, em 1998 e 1999, coordena a Comissão de Defesa da Universidade Pública. De 2002 a 2003, preside a Comissão de Ética da USP. Publica Literatura e Resistência (2002), em que apresenta o reconhecimento da grande literatura como ruptura aos modelos da ideologia dominante, um padrão predominante em suas análises críticas.

No ano de 2003, torna-se o sétimo ocupante da cadeira número 12 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Em 2006, atua como professor titular aposentado na faculdade de Letras da USP. Publica Arte e Conhecimento em Leonardo da Vinci, pela Edusp, em 2017, e, dois anos depois, deixa o cargo de editor da revista Estudos Avançados.

Alfredo Bosi se constitui como um nome importante para os estudos da produção literária ao analisá-la como documento essencial para compreender a sociedade brasileira e sua dinâmica.

 

Nota

1. O nome permanece até 1969, quando a faculdade passa a se chamar Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: