Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Marcelo Tas

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.06.2016
1959 Brasil / São Paulo / Ituverava
Marcelo Tristão Athayde de Souza (Ituverava, SP, 1959). Jornalista, ator, diretor e roteirista. Conhecido como Marcelo Tas, acrônimo dos seus sobrenomes. Muda-se no final da década de 1970 para São Paulo, onde se forma em engenharia civil na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), em 1983. Na faculdade, faz parte da chapa Bel...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Marcelo Tristão Athayde de Souza (Ituverava, SP, 1959). Jornalista, ator, diretor e roteirista. Conhecido como Marcelo Tas, acrônimo dos seus sobrenomes. Muda-se no final da década de 1970 para São Paulo, onde se forma em engenharia civil na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), em 1983. Na faculdade, faz parte da chapa Beleza Pura, editando o jornal de humor anarquista Cê-Viu? e, em 1980, começa a cursar comunicação social na Escola de Comunicações e Artes (ECA), também da USP, mas não conclui a graduação.

Formado e ainda morando em São Paulo, ingressa no Centro de Pesquisa Teatral (CPT), do dramaturgo Antunes Filho (1929). Na mesma época, conhece Fernando Meirelles (1955), Marcelo Machado (1958), Paulo Morelli (1956) e Beto Salatini – jovens formados na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU/USP), que haviam acabado de fundar uma das primeiras produtoras independentes de vídeo do Brasil: a Olhar Eletrônico. Seu trabalho junto à Olhar Eletrônico o leva a iniciar a carreira como ator na televisão, criando seus primeiros personagens que o tornam conhecido: o repórter Ernesto Varela e o apresentador Bob Mac Jack, do programa Crig-Rá, da TV Gazeta.

Em 1987, morando no Rio de Janeiro a trabalho para o Vídeo Show, da TV Globo, Tas é premiado com uma bolsa de estudos da Fundação Fullbright para cinema e televisão na Tisch School os Arts, parte da New York University (NYU), onde se estabelece por um ano. De volta ao Brasil, compõe, entre 1989 e 1992, a equipe do programa infantil Rá-Tim-Bum, da TV Cultura, atuando na direção, roteiro e como ator com o personagem Professor Tibúrcio. Depois, no Castelo Rá-Tim-Bum (1994-1997), interpreta o personagem Telekid. Além disso, é roteirista do Programa Legal (1991-1992, TV Globo); diretor e roteirista de Netos do Amaral, na MTV Brasil; diretor de criação do Telecurso 2000, entre 1995 e 1997, na Fundação Roberto Marinho; e âncora do programa Vitrine, na TV Cultura, entre 1998 e 2003.

É colunista do caderno Link, do Estado de S. Paulo, entre 2004 e 2005. Em 2006, cria e dirige o espetáculo multimídia ZAP – O Resumo da Ópera, para a série de pocket óperas do Sesc São Paulo. Desde 2008, é apresentador do programa CQC – Custe o que Custar, na Rede Bandeirantes.

Tem dois livros publicados: Nunca Antes na História deste País, 2009, que reúne frases do ex-presidente Lula durante seu mandato e É Rindo que se Aprende, 2011, que compila uma entrevista concedida ao jornalista Gilberto Dimenstein (1956) sobre educação e comunicação.

Comentário crítico
O trabalho de Marcelo Tas destaca-se principalmente nas áreas de comunicação social, novas tecnologias e educação – principalmente para o público infantil –, sempre permeadas por um traço característico de informalidade e humor.

Sua primeira contribuição para a televisão dá-se com personagens que, mesmo fora do ar há anos, são referência em diversos programas. O primeiro deles, e talvez o mais célebre, é o repórter Ernesto Varela, que elabora perguntas desconcertantes aos entrevistados e por vezes recebe respostas surpreendentes. Como no caso da entrevista coletiva com o então deputado Paulo Maluf (1931), na ocasião de seu aniversário. Depois de levar um bolo e puxar um “parabéns a você” para o político, Varela pergunta: “Deputado, muitas pessoas não gostam do senhor, dizem que o senhor é corrupto, ladrão. É verdade isso, deputado?”, e Maluf lhe dá as costas. Outro episódio clássico ocorre com o piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet (1952), quando Varela indaga sobre atrás de quê os pilotos correm. Piquet responde rapidamente: “Atrás da grana”. O repórter elabora perguntas que todos os telespectadores gostariam de fazer, mas nenhum repórter tinha coragem de formular.

No início da década de 1980, as produtoras independentes não existiam e as emissoras não compravam programações terceirizadas. A Olhar Eletrônico foi uma das estreantes neste segmento. Daí seu pioneirismo. Outra novidade é o tipo de jornalismo praticado, mantendo estreitos laços com a ficção e fortemente humorístico – a ingenuidade do repórter é uma representação, pois ele sabe exatamente o que quer perguntar. E tudo tem início quando o  jornalista Goulart de Andrade (1933) se interessa pelo trabalho da produtora e a leva para a Gazeta.

Na sua segunda fase de personagens, Tas trabalha com iniciativas educativas e novas tecnologias. Incorporando o Professor Tibúrcio, em Rá-Tim-Bum, faz brincadeiras para as crianças em fase de pré-alfabetização, trazendo noções básicas de raciocínio lógico e percepção visual, como a categorização de objetos e as formas geométricas. Dois anos depois, já como o Telekid do Castelo Rá-Tim-Bum, responde às perguntas do personagem Zequinha, vivido pelo ator Fredy Allan (1985), sempre iniciando suas explicações com o famoso bordão “Porque sim não é resposta”. As explicações são mais complexas, visto que o programa volta-se para um público de 4 a 10 anos, e por isso envolvem história, geografia e temas sociais.

Pela excelência da iniciativa educativa, ambos os programas foram muito bem recebidos pela crítica e ganharam diversos prêmios. Entre eles estão o da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) como “melhor programa infantil” para Rá-Tim-Bum (1992) e Castelo-Rá-Tim-Bum (1994), e as medalhas de ouro categoria “infantis” para Rá-Tim-Bum (1990) e prata para Castelo (1994), no New York Film and Television Festival.

Após o Telecurso, dedicado a assuntos do ensino médio, o caminho de Tas pela educação continua prezando pelo estreitamento com a tecnologia. Em 1999, cria o espetáculo multimídia ZAP – O Resumo da Ópera e é responsável pela instalação Beco das Palavras, no Museu da Língua Portuguesa de São Paulo, em que, também por meio de recursos tecnológicos, aprende-se sobre a etimologia das palavras.

Desde 2008, comanda a bancada do programa da Rede Bandeirantes CQCCuste o que Custar, que alia humor a jornalismo. Tas continua com projetos voltados ao público infantil, a exemplo do programa CGGConversa de Gente Grande, no mesmo canal, que conta com a participação de diversas crianças de 3 a 10 anos em entrevistas e discussões; e do Plantão do Tas, para o canal de TV por assinatura Cartoon Network, em que é o âncora de um jornal divertido de notícias inventadas.

Espetáculos 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 10

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • BRESSANE, Ronaldo. Páginas negras: careca de saber. Revista Trip, n. 166. São Paulo: Trip Editora, mai. 2008.
  • CASTRO, Rui. No ar, o trapalhão Ernesto Varela. Folha de S.Paulo, São Paulo, 24 jun. 1984.
  • CHARLAB, S.; CREMACIO, C. Marcelo Tas voltou. Publicado originalmente na revista UM, ed. 41, editora Símbolo. Disponível em: http://www.selecoes.com.br/marcelo_tas_voltou. Acesso em: set./out. 2013.
  • FRANÇA, Carla. Tas invade o Fantástico. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 15 mar. 1998.
  • HAMA, Lia. Ernesto Varela, o repórter. Revista Trip, n. 221. Trip Editora, São Paulo, mai. 2013.
  • MARSIAJ, Angela. Globo contrata Marcelo Tas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 21 fev. 1997.
  • PRIOLLI, Gabriel. No ar, inteligência e ritmo. Folha de S.Paulo, caderno Acontece, São Paulo, 27 nov. 1984.
  • SASSA, Yone. A despedida de Marcelo e sua turma. Jornal da Tarde, São Paulo, 10 jul. 1987.
  • TAS, Marcelo. Site oficial. Disponível em: http://marcelotas.terra.com.br/. Acesso em: out./nov. 2013.
  • TINOCO, Pedro. MTV chega à fronteira. Jornal do Brasil, São Paulo, 22 dez. 1990.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: