Artigo da seção pessoas Andrea Tonacci

Andrea Tonacci

Artigo da seção pessoas
Cinema  
Data de nascimento deAndrea Tonacci: 01-09-1944 Local de nascimento: (Itália / Lazio / Roma) | Data de morte 16-12-2016 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Andrea Tonacci (Roma, Itália, 1944 - São Paulo, São Paulo, 2016). Diretor de cinema, produtor e fotógrafo. Destaca-se como pioneiro na introdução do vídeo portátil no Brasil. Muda-se com a família para São Paulo, em 1953. Cidade onde inicia o curso de arquitetura e de engenharia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, mas abandona para se dedicar ao cinema.

Seus primeiros filmes contribuem para a discussão sobre a estética do Cinema Marginal, como o curta-metragem Olho por Olho (1965), o média - metragem Blá, Blá, Blá (1968), melhor filme da categoria, no Festival de Brasília do mesmo ano, e o longa Bang Bang (1970), considerado uma obra importante do movimento.

Apesar de sua trajetória ter início nos filmes de ficção, a maior parte de sua obra é composta de documentários, gênero no qual se estabelece a partir de meados dos anos 1970. Em 1972, realiza ao lado do diretor Júlio Bressane (1946) uma viagem ao Extremo Oriente e faz o registro fotográfico da viagem. Neste ano, iniciam-se suas experiências precursoras em vídeo. Em 1975, faz dois documentários sobre o artista plástico José Roberto Aguilar (1941), Do Tabu ao Totem e Roberto Aguilar em Nova York, ambos realizados em vídeo.

No mesmo ano, Tonacci dirige seu segundo longa metragem, Interprete Mais, Ganhe Mais, que registra em vídeo preto-e-branco a montagem da peça Os Autos Sacramentais, do dramaturgo espanhol Calderón de La Barca (1600-1681), o filme é finalizado apenas em 1995. Entre 1977 e 1984, realiza ampla documentação das culturas indígenas das Américas. Seu primeiro filme a respeito do tema é Conversas no Maranhão (1977), que se torna um dos pontos fundamentais do documentário brasileiro.

Andrea Tonacci inicia o projeto A Visão dos Vencidos, que se estende até 1983, com o apoio da Fundação Guggenheim, cujo o objetivo é aprofundar os trabalhos iniciados em Conversas no Maranhão. Viaja aos Estados Unidos, México, Peru, Bolívia, em 1978, quando realiza diversos documentários. No mesmo ano, Tonacci também se dedica à realização do documentário Hermeto, Macalé e Novos Baianos, em que grava, em 16mm, show dos artistas. Em 1979, produz documentários para os sindicatos operários do ABC, como 1º de Maio em São Bernardo do Campo e 13 de Maio em São Bernardo do Campo.

Em 1980, inicia outro documentário sobre a questão indígena chamado Os Arara. Dividido em três partes, gravado entre 1980 e 1983, respectivamente, o vídeo não tem uma edição final, pois apenas as duas primeiras partes foram finalizadas. Em 1994, faz um documentário em vídeo, para a Fundação Bienal, chamado Bienal Brasil século XX. No mesmo ano, dirige Óculos Para Ver Pensamentos, um vídeo de curta-metragem para o evento Arte/Cidade, em São Paulo. Em 1998, faz para a TVE do Rio de Janeiro, o documentário sobre direitos humanos Idade não é Documento.

Depois de três décadas, o diretor volta a produzir um longa-metragem, Serras da Desordem (2006). Tanto o filme quanto seu diretor são premiados como os melhores das suas categorias no Festival de Cinema de Gramado, em 2006.

Identificado com o chamado cinema marginal e com a questão indígena, Andrea Tonacci constrói sua obra baseado na experimentação de diversas ferramentas cinematográficas. Blablablá e Bang Bang são exemplos desse experimentalismo e colaboram para a compreensão do Brasil no período da ditadura militar. Segundo o crítico Ismail Xavier (1947), em Bang Bang:

 Tonacci monta uma estrutura de tema e variações em torno da situação clássica de perseguição no cinema; enreda figuras grotescas de bandidos numa ação sem continuidade, que se torna pretexto para jogos de composição espacial, onde tudo sempre recomeça, o cineasta dando prioridade ao processo, não ao produto final, e ironizando a narrativa clássica 1.

O diretor recusa a narrativa clássica e constrói um filme que surpreende pelo inesperado, pelo humor e pela construção rigorosa. A influência de Jean-Luc Godard (1930) é percebida pela citação direta ou pela incorporação de elementos estilísticos. Para o crítico Alcino Leite Neto (1959):

 

Tonacci é completa vontade de potência cinematográfica. E, afinal, Bang Bang é um filme policial, em tom de sátira, cujos fundamentos provêm tanto das histórias em quadrinhos quanto do cinema burlesco [...]. Importa ao diretor extrair do personagem a sua identidade visual e reduzir as cenas à condição do puro acontecimento cinematográfico, ou seja, de ilusionismo e catástrofe. Por isso, esse filme, sempre deliciosamente juvenil, amadurece como um dos documentos por excelência de sua época 2.

 

A partir de 1970, sua obra torna-se símbolo de irreverência e liberdade, colocando o diretor ao lado dos cineastas Rogério Sganzerla (1946-2004), João Callegaro (1945) e Carlos Reichenbach (1945-2012), expoentes do cinema marginal paulista.

Depois de Bang Bang, Tonacci começa a utilizar o vídeo portátil em suas filmagens e, em 1972, torna-se pioneiro dessa técnica no Brasil. Grava o longa-metragem Jouez Encore, Payez Encore, tanto em vídeo em preto e branco quanto em 35 mm e 16 mm. O filme acompanha uma montagem teatral da companhia de Ruth Escobar (1936), dirigida pelo argentino Victor Garcia (1934-1982). Tonacci, com sua câmera, registra as oscilações de humor do elenco, da direção e da produção. O filme, previsto como vídeo institucional, ganha caráter documental das contradições internas dos discursos do grupo. A improvisação e a experimentação, características na obra do diretor, são perceptíveis nesse trabalho, finalizado somente em 1995, por causa de divergências com a produtora.

Em 1977, o diretor inicia a pesquisa sobre comunidades indígenas de diversos países e grava dois documentários sobre índios do Maranhão: Conversas no Maranhão e Os Arara . Nesses filmes, marcados pela espontaneidade e pelo improviso nas filmagens do dia a dia dos índios, Andrea questiona a vivência do homem branco em comunidades tribais, tema que ganha força em seus trabalhos. 

Em Serra da Desordem, seu último longa-metragem, Tonacci experimenta com rigor a linguagem cinematográfica. O filme conta a história de Carapiru, um índio que escapa do massacre de sua aldeia e percorre sozinho o interior do Brasil, entre 1977 a 1988. Ao ser encontrado por fazendeiros e identificado pela Funai, é levado de volta à tribo, na Bahia.

O crítico Luís Alberto Rocha Melo resume:

há momentos em que se busca [nas imagens de arquivo] a complementaridade, o fio narrativo linear, a harmonia na sucessão dos planos; em outros trechos, verifica-se o predomínio do choque, o desequilíbrio proposital na relação entre os universos ficcionais e documentais, tornando-se mais evidente o artifício da montagem 3.

Andrea Tonacci leva o espectador a refletir sobre o mundo e as várias formas de apreensão e construção da realidade. O retrato do real é alçando por meio do uso de diferentes ferramentas de registro, que permitem mesclá-lo com a ficção e oferecer novos olhares sobre o que já existe.

Notas

1. XAVIER, Ismail.; BERNARDET, Jean-Claude.; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985. p.21

2. LEITE NETO, Alcino. Bang Bang. In: PUPPO, Eugênio (org.). Cinema Marginal Brasileiro e suas Fronteiras. 2ª ed. Rio de Janeiro, Heco Produções, 2002, p.91.

3. MELO, Luís Alberto Rocha. O lugar das imagens. In: CAETANO, Daniel (Org.). Serras da desordem. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2008. p.35.

Outras informações de Andrea Tonacci:

  • Habilidades
    • Diretor de cinema
    • Produtor
    • Fotógrafo

Obras de Andrea Tonacci: (1) obras disponíveis:

Exposições (3)

Eventos relacionados (6)

Artigo sobre Rumos Itaú Cultural Cinema e Vídeo. Bastidores. Júlio Bressane, Walter Silveira e Andrea Tonacci (1998 : São Paulo, SP)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo:  
Data de inícioRumos Itaú Cultural Cinema e Vídeo. Bastidores. Júlio Bressane, Walter Silveira e Andrea Tonacci (1998 : São Paulo, SP): 16-09-1998  |  Data de término | 14-10-1998
Resumo do artigo Rumos Itaú Cultural Cinema e Vídeo. Bastidores. Júlio Bressane, Walter Silveira e Andrea Tonacci (1998 : São Paulo, SP):

Fontes de pesquisa (9)

  • ANDREA Tonacci. Quem é Quem no Cinema. FILME B. Disponível em: http://www.filmeb.com.br/quem-e-quem/diretor/andrea-tonacci.  Acesso em: 11 jul. 2011.
  • BRASILIDADE. Site oficial do Ministério da Cultura. Disponível em: http://www.cultura.gov.br/brasilidade/agraciados-2010/andrea-tonacci/.  Acesso em: 11 jul. 2011.
  • GARDNIER, Ruy. Tonacci, o Eros e o Zero. CONTRACAMPO Revista de Cinema. Disponível em:  http://www.contracampo.com.br/79/arttonaccigeral.htm. Acesso em: 12 jul. 2011.
  • GENESTRETI, Guilherme; MEIRELES, Maurício. Diretor do cinema marginal, Andrea Tonacci morre aos 72 em São Paulo. Folha de S. Paulo. São Paulo, 16 dez. 2016. Disponivel em: < http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/12/1842230-diretor-do-cinema-marginal-andrea-tonacci-morre-em-sao-paulo.shtml. Acesso em: 16 dez. 2016.
  • MECCHI, Leonardo. Serras da Desordem, de Andrea Tonacci (Brasil, 2006).  Cinética. Disponível em:  http://www.revistacinetica.com.br/serrasdadesordem.htm.  Acesso em: 12 jul. 2011.
  • MELO, Luís Alberto Rocha. O lugar das Imagens. In: CAETANO, Daniel (org.). Serras da Desordem. Rio de Janeiro, Azougue Editorial, 2008, p.35.
  • PUPPO, Eugênio (org.). Cinema Marginal Brasileiro e suas Fronteiras. 2. ed. Rio de Janeiro, Heco Produções, 2002.
  • RAMOS, Fernão; MIRANDA, Luis Felipe. Enciclopédia de cinema brasileiro. São Paulo: Editora SENAC, 2ª Edição, 2004.
  • XAVIER, Ismail.; BERNARDET, Jean-Claude.; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ANDREA Tonacci. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa14062/andrea-tonacci>. Acesso em: 17 de Jan. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7