Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Laís Bodanzky

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.07.2020
23.09.1969 Brasil / São Paulo / São Paulo
Registro fotográfico Marcus Leoni

Laís Bodanzky, 2019

Laís Bodanzky (São Paulo, São Paulo, 1969). Diretora. O contato entre pessoas ou ideias é o tema central de seus trabalhos. Suas narrativas aproximam espectadores e personagens por meio de dramas universais, sentidos individualmente.

Texto

Abrir módulo

Laís Bodanzky (São Paulo, São Paulo, 1969). Diretora. O contato entre pessoas ou ideias é o tema central de seus trabalhos. Suas narrativas aproximam espectadores e personagens por meio de dramas universais, sentidos individualmente.

Antes de estudar cinema, tem aulas de atuação e experiências de direção e produção com o diretor Antunes Filho (1929) no Centro de Pesquisa Teatral (CPT). Estuda cinema na Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) e estreia em direção com o curta Cartão Vermelho (1994). O filme narra a história de Fernanda, menina de 12 anos que joga futebol com os meninos do bairro, em descoberta de seu corpo e sexualidade.

No projeto social Tela Brasil, a diretora viaja o interior do país exibindo filmes, fomentando a indústria cinematográfica e ampliando o acesso dos espectadores às produções nacionais. Muitos brasileiros têm seu primeiro contato com o cinema nessas exibições. As viagens dão origem ao documentário Cine Mambembe – O cinema descobre o Brasil (1998), dirigido em parceria com o roteirista Luis Bolognesi (1966).

Os dramas e conflitos individuais em diferentes momentos da vida são temas recorrentes de Laís. Em 2001, estreia seu primeiro longa-metragem de ficção, Bicho de Sete Cabeças, no qual mantém uma estética documental, herdada de trabalhos anteriores. No longa, o jovem Neto [Rodrigo Santoro (1975)] é internado em uma clínica psiquiátrica pelo pai, com quem vive uma relação conturbada, na tentativa de afastá-lo do uso de drogas. Tido como adolescente problemático, Neto vive o drama do precário e violento sistema manicomial brasileiro e tem que lidar com as sequelas emocionais da experiência. A fotografia realista de Hugo Kovenski, associada à preparação de elenco, garantem a atmosfera documental e fazem o espectador acreditar que os atores são pacientes reais.

Laís também usa o recurso da câmera na mão, aproximando ainda mais o espectador dos personagens e do cenário. O filme é baseado no livro autobiográfico de Austregésilo Carrano (1957), O Canto dos Malditos (1990). Ambos, além de retratos do sistema manicomial brasileiro, tornam-se documentos de denúncia. 

Em As Melhores Coisas do Mundo (2010), retorna à questão da adolescência para contar a história de Mano, um jovem da classe média, e de seus colegas de um colégio particular da capital paulistana. O filme não provoca discussões comuns ou apenas relacionadas aos problemas comportamentais da idade. Nele, são tratados temas universais como convivência escolar, pressão pelo sucesso, relações familiares e a descoberta do mundo, ampliadas pelo uso e alcance da internet.

Para a realização do filme e escolha dos atores, a diretora entrevista alunos de escolas de São Paulo. Procura se aproximar do universo juvenil e levar para a tela as demandas e dificuldades reais dele, por meio de um olhar próximo. Tal abordagem é diferente da que outros retratos desta idade se preocupam em fazer.

Em Chega de Saudade (2008), as mulheres estão no centro da história de Laís. O mesmo acontece em Como Nossos Pais (2017) em que Rosa [Maria Ribeiro (1975)] lança luz sobre os conflitos da mulher moderna, que vive a pressão das imposições sociais e familiares. A “super-mulher”, que precisa dar conta de filhas, casa, trabalho e de um casamento em crise sente-se falhando em todas essas tarefas. Tem a vida revirada depois de se separar do marido e descobrir segredos de sua família, que a fazem repensar as escolhas e a construção de sua personalidade.

Por meio da relação conflituosa de Rosa com a mãe, Clarice [Clarisse Abujamra (1948)], e com a filha pré-adolescente, Nara [Sophia Valverde (2005)], Como Nossos Pais quebra o senso comum sobre estereótipos. Narra um ciclo de conflitos geracionais e crises particulares dos personagens, com seus afetos familiares e amorosos, e o lugar de Rosa nessas relações. A protagonista se apresenta mais fechada às relações do que a mãe, invertendo os papéis habituais na tensão sobre as crenças que acompanham diferentes idades.

As obras de Laís Bodanzky traçam um retrato de conflitos, interpessoais e individuais. A diretora é sensível ao tratar de diferentes faixas etárias em seus trabalhos, destacando as questões que envolvem cada uma e rompendo estereótipos.

Obras 3

Abrir módulo

Espetáculos 2

Abrir módulo

Eventos multiculturais 2

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 2

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Laís Bodanzsky – Série Cada Voz (2019)
Lais Bodanzsky fala sobre ser mulher e a importância de resistir e se impor em cenários cotidianos dominados por homens. A carreira profissional, inspirada pelo pai, e a formação no Centro de Pesquisa Teatral (CPT), como atriz, construída sob olhar de Antunes Filho, é dissociada do glamour e sustentada na paixão pelo cinema.

A Enciclopédia Itaú Cultural produz a série Cada Voz, em que personalidades da arte e cultura brasileiras são entrevistadas pelo fotógrafo Marcus Leoni. A série incorpora aspectos de suas trajetórias profissionais e pessoais, trazendo ao público um olhar próximo e sensível dos artistas.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo: Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Assistência e montagem: Renata Willig
Assistência de fotografia: Rui Dias Monteiro
Laís Bodansky- Série Encontra - Arte 1 (2019)
Laís Bodansky fala sobre suas escolhas de atores, baseada no olhar sobre os personagens, a busca por uma avaliação distanciada de seu trabalho, a experiência no set de filmagem, a conexão com o pai e a experiência com Antunes Filho.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Tauana Carlier

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: