Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Paula Gaitán

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.04.2022
18.11.1952
Paula Maria Gaitán Moscovici (Paris, França, 1954). Cineasta. Ao utilizar linguagens variadas e misturar documentário e ficção, abre espaço para liberdades estéticas. Sua obra, caracterizada por tramas dramáticas, apresenta temas recorrentes, como o feminino, seu lugar no mundo como mulher latino-americana, os povos indígenas e a vida artística....

Texto

Abrir módulo

Paula Maria Gaitán Moscovici (Paris, França, 1954). Cineasta. Ao utilizar linguagens variadas e misturar documentário e ficção, abre espaço para liberdades estéticas. Sua obra, caracterizada por tramas dramáticas, apresenta temas recorrentes, como o feminino, seu lugar no mundo como mulher latino-americana, os povos indígenas e a vida artística.Também é artista plástica, fotógrafa e poeta, além de professora de cinema experimental.

Desde o começo de sua trajetória, Paula transita por diferentes linguagens visuais, registrando suas obras por meio de vídeo e escrita e dedicando-se aos estudos de artes plásticas. Filha do poeta colombiano Jorge Gaitán Durán (1924-1962), vive desde a primeira infância na Colômbia. Forma-se em Belas Artes pela Universidade de Los Andes (Bogotá) e em Filosofia pela Universidade Nacional (Medellín), nos anos 1970. Influenciada pela mãe, a escritora, poeta e dramaturga brasileira Dina Moscovici (1929-2020), migra com a família para o Brasil em 1977.

Definindo-se como cineasta colombiano-brasileira, logo se envolve com o cinema brasileiro. Sua estreia se dá com A idade da Terra (1980),o último filme dirigido por Glauber Rocha (1939-1981), com quem desenvolve uma relação pessoal e profissional. A película experimental coloca em cena quatro Cristos do Terceiro Mundo. Por gostar de manipular imagens, ressaltar a simbologia delas e trabalhar traços das artes visuais e da videoarte, Paula assina a direção de arte e o cartaz do filme. Neste, um personagem se encontra em um cenário invertido: o céu está embaixo, e a terra, em cima.

Em 1988, Paula realiza seu primeiro longa-metragem como diretora: Uaka, um misto de documentário e ficção sobre a festa Quarup, rodado na terra indígena do Xingu. Premiado nos festivais de Brasília e de Amiens, na França, o filme é falado na língua kamaiurá e os personagens, todos indígenas, praticamente criam o filme. Por meio de filmagens da aldeia e detalhes do cotidiano, a direção busca retratar os costumes dos moradores, com o mínimo possível de interferência.

Em 1991, a diretora participa de uma série de vídeos sobre os artistas plásticos mais importantes do Brasil. O vídeo, de 43 minutos, gravado em estilo de videoarte, interpreta a obra de Lygia Pape (1927-2004), recriando seu universo visual e sonoro da artista a partir de suas instalações.

No início dos anos 1990, Paula volta para a Colômbia, onde produz documentários para a televisão pública. Retorna ao Brasil nos anos 2000, quando o país vive a retomada da produção cinematográfica. Em 2007, lança Diário de Sintra, documentário sobre seu último ano de convívio com Glauber Rocha e o último ano de vida do diretor, durante a estadia do casal na cidade portuguesa. A partir do arquivo da família (fotos e filmagens em Super-8), Paula transforma imagens antigas e caseiras em material estético para consumo externo. Usa conversas com amigos que convivem com eles em Sintra e entrevista moradores locais para saber se reconhecem Glauber nas fotos. Como resultado, constrói uma série de camadas visuais e sonoras que apresentam um Glauber desconhecido do grande público, um homem de família que oscila entre ternura e amargura.

A iminência da morte reaparece na sua cinematografia quando dirige Sobre a neblina (2013), adaptação do romance homônimo da escritora Christiane Tassis (1967). O filme trata das emoções e dos modos de olhar a vida de um fotógrafo com tumor cerebral.

No mesmo ano, Paula assina a direção de Exilados do vulcão (2013), que aborda figuras femininas gravitando em torno de um personagem desmemoriado. O filme recebe o prêmio de melhor longa-metragem no Festival de Brasília.

Os interesses da artista pela videoarte e pelas questões do feminino voltam a convergir em 2017, no primeiro videoclipe da carreira de Elza Soares (1937-2022), A mulher do fim do mundo, dirigido e montado por Paula. Em dois dias de filmagem e com um orçamento modesto, a diretora realiza um trabalho com o objetivo de revelar o universo da cantora.

De volta ao cinema, Paula embarca em um projeto de duração peculiar: Luz nos trópicos (2020), com quatro horas e meia de duração. A trama do longa evolui, em grande parte, a partir das memórias de Igor, um descendente da etnia indígena Kuikuro que está em busca de sua ancestralidade. Entre Nova York e o Xingu, o filme estabelece uma cartografia para recuperar, em todos os sentidos, um território perdido. A diretora mistura linguagens visuais para construir um panorama colonial dos povos nativos das Américas e suas travessias, simbólicas e literais, conduzindo o espectador em deslocamentos por rios, pântanos e florestas.

Segundo o crítico Eduardo Valente, seja qual for o assunto ou o formato, a cineasta recorre a uma estética própria, afeita à videoarte, permitindo-lhe mexer livremente nas imagens, sem ficar a reboque de determinado contexto ou significado e apostando numa construção imagética cheia de sentimento, uma característica de sua obra.

Paula Gaitán desempenhou variadas funções no audiovisual, como diretora, montadora, atriz, produtora e figurinista, e as cumpriu com interesse ávido pelas muitas camadas envolvidas em uma produção e por todas as possibilidades oferecidas pelas mais diversas linguagens artísticas.

Exposições 12

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: