Artigo da seção pessoas João Batista de Andrade

João Batista de Andrade

Artigo da seção pessoas
Teatro / cinema  
Data de nascimento deJoão Batista de Andrade: 01-12-1939 Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais / Ituiutaba)

João Batista de Andrade (Ituiutaba, Minas Gerais, 1939). Cineasta, jornalista e escritor. Em sua carreira, conjuga militância política, direção de filmes sobre questões político-sociais do Brasil e participação ativa na política cultural do país. Nos documentários, desenvolve uma linguagem que dialoga de modo crítico com os acontecimentos da atualidade e, nas ficções, desafia as fronteiras entre realidade e invenção.

Nascido em Minas Gerais, muda-se para São Paulo em 1959 e ingressa na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), mas não chega a concluir o curso de engenharia. Entre 1960 e 1961, presta serviço militar no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo. Retorna à faculdade e produz na república onde reside o Jornal da Casa do Politécnico, jornal literário para o qual escreve contos.

Em 1963, inicia a carreira cinematográfica no Grupo Kuatro, ao lado dos cineastas Francisco Ramalho Jr. (1940), José Américo Vianna e Clóvis Bueno (1940-2015). O grupo filma, sem finalizar, os documentários Catadores de Lixo e TPN: Teatro Popular Nacional. Depois do golpe militar de 1964, recebe convite do escritor e cineasta Rudá de Andrade (1930-2009) para trabalhar na Sociedade Amigos da Cinemateca, entidade apoiadora da Cinemateca Brasileira, onde passa a exercer a função de programador.

Em 1967, dirige o curta-metragem Liberdade de Imprensa, patrocinado pelo jornal Amanhã, ligado ao movimento universitário. O filme evidencia os interesses por trás da Lei de Imprensa instituída no Brasil em 1967. Por mostrar a equipe de filmagem em ação, o crítico Jean-Claude Bernardet (1936) classifica o filme como exemplo de documentário “de intervenção”, que capta a realidade não como fetiche, mas como resultado da presença e, portanto, da mediação do cineasta diante do real. Apenas duas exibições fechadas do filme são realizadas antes de sua proibição pela censura.

Gamal, o Delírio do Sexo (1968), filme de baixo orçamento, rende ao diretor a identificação – por ele recusada – com o Cinema Marginal. Embora seja uma obra de ficção, estão presentes no filme a interação com a cidade, seus habitantes e o período vivido pelo país. Em meio à narrativa anárquica e desorganizada, discute-se de forma alegórica a repressão política imposta pela ditadura civil-militar.

Entre 1972 e 1974, trabalha no telejornal Hora da Notícia, da TV Cultura, criado pelos jornalistas Fernando Pacheco Jordão (1937-2017) e Vladimir Herzog (1937-1975). O programa retrata de modo crítico o drama social brasileiro, destacando-se da adesão de outros telejornais ao discurso oficial.

Entre 1975 e 1979, João Batista trabalha no programa Globo Repórter. Na emissora, dirige, em 1978, o documentário Wilsinho Galiléia. No filme, o diretor conta a história de vida do criminoso Wilsinho Galiléia até sua execução pela polícia aos 18 anos, mesclando imagens reais e dramatizações. O documentário é censurado antes de ser exibido.

Nos anos seguintes, realiza os premiados longas-metragens Doramundo (1977), O Homem que Virou Suco (1981) e A Próxima Vítima (1983). Os três filmes abordam histórias de violência envolvendo personagens das classes trabalhadoras e consolidam a linguagem própria do cineasta ao transitar entre as fronteiras da ficção e do documentário, com forte referência às reportagens jornalísticas.

Em Doramundo, a história ficcional é inspirada em fatos reais ocorridos durante o Estado Novo (1937-1945), com uma narração em voz off que confere ao filme o contorno de um programa televisivo para aproximar-se do espectador. Em O Homem que Virou Suco, os personagens se parecem com atores sociais na São Paulo da década de 1980. Em A Próxima Vítima, conta a história do assassinato de prostitutas no bairro paulistano do Brás, mesclando linguagem cinematográfica e reportagens televisivas. Nesse filme, o diretor documenta a cidade, seus personagens e dramatiza o clima das eleições para governador de São Paulo em 1982.

Em 1999, seu filme O Tronco conquista o prêmio de melhor filme oferecido pela comissão das comemorações dos 500 anos de descobrimento do Brasil no Festival de Brasília. No mesmo ano, obtém o título de doutor em cinema pela Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP com a tese O Povo Fala: Um Cineasta na Área de Jornalismo da TV Brasileira. Em 2002, esse trabalho é publicado pela Editora Senac. 

Em 2005, lança o documentário Vlado: 30 Anos Depois. O filme, confessional, de baixo custo e grande circulação, serve de base para inúmeras reportagens televisivas sobre o caso do assassinato do repórter Vladimir Herzog pelo governo militar. Por meio de testemunhos, o documentário recupera a memória de companheiros e familiares do jornalista e os traumas que lhes restaram depois de sua morte. João Batista narra a história com o recurso de voz off  e aparece em cena como uma das testemunhas. Os depoimentos são quase sempre filmados com a câmera na mão, que, trêmula, registra de baixo para cima, em close-up, o rosto dos personagens, potencializando sua fala.

Nos anos 2000, o diretor participa ativamente da política cultural e ocupa cargos na gestão pública. Como secretário estadual da cultura de São Paulo (2005-2006), cria o Programa de Apoio à Cultura (Proac). O projeto publica editais de incentivo à produção artística no estado de São Paulo, por meio do orçamento governamental e da renúncia fiscal do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Em 2017, João Batista atua por apenas dois meses como ministro da cultura, durante a gestão de Michel Temer (1940).

Como cineasta, escritor ou gestor da área cultural, João Batista de Andrade expressa, ao longo de sua carreira, o desejo de transformação social e política que move a geração dos anos 1960 no Brasil e no mundo.

Outras informações de João Batista de Andrade:

  • Outros nomes
    • João Batista Moraes de Andrade
  • Habilidades
    • diretor

Obras de João Batista de Andrade: (1) obras disponíveis:

Espetáculos (1)

Eventos relacionados (5)

Fontes de pesquisa (33)

  • ANDRADE, João Batista de. O Povo Fala: Um Cineasta na Área de Jornalismo da TV Brasileira. São Paulo: Editora do Senac, 2002.
  • ANDRADE, João Batista de. Entrevista concedida ao Canal Curta!. Vídeo publicado na plataforma YouTube em 10 dez. 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sKpNR8TzZaM. 
  • ANDRADE, João Batista de. Entrevista concedida ao Canal Curta!. Vídeo publicado na plataforma YouTube em 10 dez. 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sKpNR8TzZaM.  Acesso em: 18 set. 2019
  • ANDRADE, João Batista de. João Batista de Andrade (depoimento, 2013). Entrevista concedida a Adelina Maria Alves Novaes e Cruz e Mila Henriques Lo Bianco. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2013.
  • ANDRADE, João Batista de. “A difícil arte de produzir”. Revista de Cinema, São Paulo, v. 1, n. 6, pp. 36-9, out. 2000.
  • ANDRADE, João Batista de. “João Batista de Andrade e o moderno documentário brasileiro: intervenção, ruptura e reflexão”. Entrevista concedida a Gilberto Alexandre Sobrinho para Rebeca – Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, São Paulo, ano 1, n. 2, p. 226-41, jul.-dez. 2012.
  • ANDRADE, João Batista de. “Latinoamerica: Batista de Andrade habla”. Entrevista concedida a Cine Boletin, v. 3, n. 17, p. 18, ago. 1983.
  • ANDRADE, João Batista de. “Na luta pelo mercado, política é um dado além do preconceito”. Entrevista com outros cineastas concedida para o Jornal da Jornada, Sãi Paulo, n. 1, p. 9-11, set. 1977.
  • ANDRADE, João Batista de. “O caso Herzog”. Cisco, v. 3, n. 12, p. 6, 1988.
  • ANDRADE, João Batista de. “O Estado lava as mãos”. Jornal da Jornada, São Paulo, n. 5, p. 9, set. 1981.
  • ANDRADE, João Batista de. “O importante era fazer o filme”. Filme Cultura, Distrito Federal, n. 46, pp. 40-6, abr. 1986.
  • ANDRADE, João Batista de. “Onde está o prazer de filmar?”. Revista de Cinema, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 16-7, maio 2000. 
  • ANDRADE, João Batista de. “Os construtores da Embrafilme”. Entrevista concedida a Hermano Penna. Jornal da Tela, p. 13, 1990.
  • ANDRADE, João Batista de. “Uma trajetória particular”. Estudos Avançados, São Paulo, ano 16, n. 46, p. 245-269, 2002
  • ANDRADE, João Batista. Depoimento. In: NAGIB, Lúcia (Org). O Cinema de retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. 
  • BERNARDET, Jean Claude. Piranha no mar de rosas. São Paulo: Nobel, 1982
  • CAETANO, Maria do Rosário. João Batista de Andrade: alguma solidão e muitas histórias – a trajetória de um cineasta brasileiro. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.
  • CARRO, Nelson. “Gente: João Batista de Andrade”. Revista Cinemateca, São Paulo, v. 6, n. 37, pp. 33-6, mar. 1983.
  • CINEMATECA BRASILEIRA. 30 Anos de Cinema Paulista: 1950-1980. Entrevistas e montagem dos depoimentos por Tania Savietto e Carlos Roberto de Souza. Cadernos da Cinemateca, São Paulo, n. 4, 1980. 
  • FRANCO, Marília; FERREIRA, Maria Nazareth. O país dos tenentes. São Paulo: FDE, 1990.
  • GUTFREIND, Cristiane Freitas; RECH, Nathalia Silveira. A memória em construção: a ditadura militar em documentários contemporâneos. Em Questão, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p.133-146, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4656/465646053009.pdf. Acesso em: 31 jul. 2019
  • KHEL, Maria Rita. Anos 70: televisão. Rio de Janeiro: Empresa Gráfica, 1979/1980.
  • LEAL, Hermes. “O cinema combativo de João Batista de Andrade”. Revista de Cinema, São Paulo, v. 1, n. 8, p. 8-16, dez. 2000.
  • MENDONÇA FILHO, Kleber. “Filme sobre preconceito no Brasil continua atual”. Folha de S.Paulo, 8 nov. 2009.
  • PARANAGUA, Paulo Antonio. “Notice sur les auteurs des films présentés dans le cadre de la semaine brésilienne”. In: PARANAGUA, Paulo Antonio; AVELLAR, José Carlos (Orgs.). Cinéma brésilien 1970-1980: une trajectoire dans le sous-développement. Locarno: Festival International du Film, 1983. p. 115-23. 
  • Programa do Espetáculo - Nostradamus - 1986 Não catalogado
  • RAMOS, Alcides Freire. “História e cinema: reflexões em torno da trajetória do cineasta João Batista de Andrade durante a Ditadura Militar brasileira (1964-1985)”. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 5, n. 1, jan.-mar. 2008.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000. p. 22-23.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. 2.ed. São Paulo: Senac, 2004.
  • RAMOS, José Mario Ortiz. O cinema brasileiro contemporâneo. In: RAMOS, Fernão (Org.). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art Editora, 1987.
  • SANTOS, Francisco Alves dos. Cinema Brasileiro 1975: Entrevistas com Cineastas Brasileiros. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1975. 
  • SANTOS, Francisco Cezar. “Não se conspira a céu aberto”. Cisco, v. 1, n. 3, p. 32-3, abr. 1986.
  • SZYNKIER, Claudio. O Impacto da História. Contracampo, revista de Cinema, Rio de Janeiro. Crítica. Disponível em: http://www.contracampo.com.br/75/vlado.htm.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • JOÃO Batista de Andrade. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa13440/joao-batista-de-andrade>. Acesso em: 07 de Dez. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7