Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Aloysio Raulino

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.04.2017
19.02.1947 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
18.04.2013 Brasil / São Paulo / São Paulo
Aloysio Albuquerque Raulino de Oliveira (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1947 - São Paulo, São Paulo, 2013). Diretor e fotógrafo cinematográfico. Muda-se para São Paulo na segunda metade da década de 1960, período em que ingressa na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), formando-se em 1970. A relação com o cinema...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Aloysio Albuquerque Raulino de Oliveira (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1947 - São Paulo, São Paulo, 2013). Diretor e fotógrafo cinematográfico. Muda-se para São Paulo na segunda metade da década de 1960, período em que ingressa na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), formando-se em 1970. A relação com o cinema é cultivada desde a juventude, no Rio de Janeiro, quando frequenta o Cine Paissandu, para assistir a filmes europeus e japoneses, bem como brasileiros, em especial as obras do cinema novo.

Na ECA/USP, realiza São Paulo (1967), filme desaparecido, e no ano seguinte, Retorna, Vencedor, premiado pelo júri do Festival Brasileiro do Cinema Amador (1968), promovido pelo Jornal do Brasil. Parte para o Chile, em 1969, para apresentar no Festival de Viña Del Mar o filme Rua 100, New York (1969), feito em parceria com Plácido de Campos Jr. (1944-2008). Nesse período, tem grande interesse pela cinematografia latino-americana e seu discurso revolucionário.

Nos anos seguintes, filma Lacrimosa (1970); A Santa Ceia (1970), episódio de Vozes do Medo, coordenado por Roberto Santos (1928-1987); e Jardim Nova Bahia (1971). Entre 1972 e 1973, momento de recrudescimento da ditadura no Brasil, vive na Europa, passando pela França, Iugoslávia e Itália.

Em 1974, assume a presidência da Associação Brasileira de Documentarista (ABD), criada um ano antes durante a Jornada Nordestina de Curta-Metragem. Na entidade, participa ativamente na luta pelo documentário, em especial o de curta-metragem. Realiza Teremos Infância (1974), premiado no Festival de Oberhausen (1975), na Alemanha. Até 1982, dirige cinco curtas-metragens, entre eles O Tigre e a Gazela (1976) e Porto de Santos (1978).

Do seu trabalho como fotógrafo cinematográfico de importantes diretores, destacam-se os filmes Braços Cruzados Máquinas Paradas, de Sérgio Toledo (1956) e Roberto Gervitz (1957), Greve (1979) e O Homem que Virou Suco (1980), ambos de João Batista de Andrade (1939) e O Baiano Fantasma (1984), de Denoy de Oliveira (1933-1998) .

Na década de 1980, dirige Noites Paraguayas (1982), seu único longa-metragem. Preside a Associação Paulista de Cineastas (Apaci), entre 1983 e 1984, e coordena as duas edições (1983 e 1987) do Encontro Nacional de Cineastas (Ecine), em São Paulo.

De 1990 a 1995, dá aulas de fotografia na ECA/USP. Dirige Cinemacidade (1995) que, ao lado de São Paulo Sinfonia e Cacofonia, de Jean-Claude Bernardet (1936), apresenta um mosaico sobre a cidade de São Paulo e seu imaginário cinematográfico a partir de imagens de arquivo. Entre 1996 e 1998, realiza uma série de três médias-metragens intitulada Puberdade I, II e III, que discute o universo adolescente. Fotografa alguns filmes, entre eles Prisioneiro da Grade de Ferro (2003), de Paulo Sacramento, O Aborto dos Outros (2007), de Carla Gallo, e Fim da Linha (2008), de Gustavo Steinberg.

Análise

A figura de Aloysio Raulino é fortemente identificada com o cinema documental de curta-metragem, entendido por ele como uma permanente tentativa de olhar o mundo sem disfarces. Sua estética, de forte caráter autoral, é tida como não convencional, mas que não culmina no experimentalismo.

Retorna, Vencedor, considerado pelo diretor seu primeiro filme, propõe uma discussão sobre os problemas políticos enfrentados pelo país, a partir de uma ocupação de alunos na Universidade de São Paulo. Essa produção de jovens realizadores alcança significativa visibilidade em mostras e festivais de cinema, entre outros aspectos, pelo seu caráter crítico. Nessa mesma época, dedica-se também à fotografia cinematográfica, em filmes de Tânia Savietto (1947-1998), Djalma Limongi Batista (1950) e João Batista de Andrade (1939). A qualidade técnica como fator estético relevante é produto direto de sua relação com a fotografia e da preocupação com a plasticidade da imagem. Na maioria de seus filmes, é também o responsável pela direção fotográfica, sempre muito elogiada. Sobre essa condição de diretor-fotógrafo, declara ser a câmera a expressão de seu olho e de sua consciência.

Em seus curtas-metragens seguintes emergem inúmeras inquietações políticas, mas, sobretudo linguísticas. Lacrimosa capta as contradições sociais de São Paulo, estampada na paisagem vista de um automóvel, em um travelling que percorre a via expressa, e nas fisionomias de cidadãos à margem do progresso da metrópole. Tarumã e Jardim Nova Bahia, analisados por Jean-Claude Bernardet, em Cineastas e Imagens do Povo, as tensões na relação entre o cineasta e seu objeto, principalmente nos momentos em que a câmera é posta pelo diretor à disposição do outro para que ele se revele.

Noites Paraguayas, ficção que incorpora elementos do cinema documental, conta a história de Rosendo, um paraguaio que sai de sua terra natal na ilusão de encontrar uma vida melhor na cidade grande, Assunção, e logo em seguida, em um país estrangeiro, o Brasil. Mas esse sonho se desgasta no cotidiano cruel da grande cidade, e o enredo se fecha no retorno do herói ao seu país de origem. Segundo Ab'Saber, o diretor utiliza o grotesco para mostrar o Brasil, na intenção de evitar a despersonalização de Rosendo. Em um jogo de inversão do sistema periferia-centro, a potência idealizada transforma-se em inferno. Bernardet evidencia a convivência entre uma estrutura linear e segmentos autônomos, no qual a narrativa é constantemente ameaçada pela fragmentação, mas encontra um ponto de equilíbrio e conforta o espectador.

A militância em entidades de classe é um aspecto significativo na relação de Raulino com o cinema nacional. Seu discurso problematiza os meios de produção dos realizadores, a pluralidade da produção cinematográfica e a dependência em relação ao Estado. Da sua atuação como presidente da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas (ABD) destacam-se os esforços em favor da reserva de mercado para o curta-metragem, conquistada em 1975 com a Lei do Curta. Anos depois, na Associação Paulista de Cineastas (Apaci) empenha-se na revitalização da produção cinematográfica em São Paulo e, dessa luta, são estabelecidos convênios com a Embrafilme que permitem, por exemplo, a realização de Noites Paraguayas, sétima produção do Polo Cinematográfico Paulista. O filme não tem grande repercussão de público, mas é bem recebido pela crítica, atenta à sua linguagem ousada e inovadora, traços que se estendem a toda filmografia de Aloysio Raulino, empenhada em fazer do cinema um instrumento de questionamento da realidade.

Obras 1

Abrir módulo

Eventos relacionados 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 17

Abrir módulo
  • AB'SÁBER, Tales A. M. O Corpo: limites e morte. In. A Imagem Fria: cinema e crise do sujeito no Brasil dos anos 80. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
  • ARAUJO, Inácio. Duas paixões simultâneas. Filme Cultura, n. 43, p. 108-9, jan./abr. 1984.
  • ARAÚJO, Inácio. A voz do outro. In: Anos 70: cinema. Rio de Janeiro: Europa, 1979-80. p. 7-27
  • BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985. 197 p.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Os Jovens Paulistas. In. XAVIER, Ismail.; BERNARDET, Jean-Claude.; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.
  • BOTELHO JÚNIOR, Francisco Cassiano. Técnica e estética na imagem do novo cinema de São Paulo. 1991. 292 p. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.
  • CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. Cineastas e imagens do povo. Curadoria Simplício Neto. Rio de Janeiro, 2010. 176 p.
  • CINEMA e Estado. Transcrição do 2o. debate do evento Cinema Brasileiro, promovido pela ABD/SP, APACI, Cinemateca Brasileira e outros, 30 maio-06 jun. 1982. Cineasta, n. 1, p. 19-30, set./out. 1982.
  • FUNDAÇÃO CINEMATECA BRASILEIRA. 30 anos de cinema paulista: 1950-1980. São Paulo: Fundação Cinemateca Brasileira, 1980. (Série Cadernos da Cinemateca, v.4).
  • GARDNIER, Ruy. Lacrimosa. In: PUPPO, Eugênio. Cinema marginal brasileiro e suas fronteiras: filmes produzidos nos anos 60 e 70. Realização Centro Cultural Banco do Brasil. São Paulo, 2004. 160 p.
  • KAHNS, Cláudio. Inventando o cinema. Filme Cultura, v. 14, n. 37, p. 60-63, jan./mar. 1981.
  • MIRANDA, Luiz Felipe. Dicionário de cineastas brasileiros. Apresentação Fernão Ramos. São Paulo: Art Editora, 1990, 408 p.
  • PICHIA. Pedro del. O primeiro filme falado em guarani. Folha de S. Paulo, 15 ago. 1982.
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • RÖSELE, Ursula. O Tigre e a Gazela, de Aloysio Raulino. Disponível em http://www.filmespolvo.com.br/site/eventos/cobertura/460. Acessado em 03 jan. 2013.
  • SIQUEIRA, Sérvulo. Fotografia de cinema no Brasil, hoje. Filme Cultura, v. 14, n. 38/39, p. 2-29, ago./nov. 1981.
  • ZANIN, Luiz. Aloysio Raulino foi tão preciosista como prolífico. Blog do Estadão. Disponível em; . Acesso em: 24 abr. 2013.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: