Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Chico Botelho

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.06.2016
1948 Brasil / São Paulo / Santos
08.11.1991 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Francisco Cassiano Botelho Júnior (Santos, SP, 1948 - Rio de Janeiro, RJ, 1991). Fotógrafo, roteirista, cineasta e professor universitário. Nasce em Santos, onde vive até os 16 anos, quando se muda com a família para São Paulo. Em 1966, inicia curso de engenharia mecânica, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e, paralelame...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Francisco Cassiano Botelho Júnior (Santos, SP, 1948 - Rio de Janeiro, RJ, 1991). Fotógrafo, roteirista, cineasta e professor universitário. Nasce em Santos, onde vive até os 16 anos, quando se muda com a família para São Paulo. Em 1966, inicia curso de engenharia mecânica, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e, paralelamente, dá aulas particulares de matemática. Conclui apenas o primeiro ano da graduação e, em 1969, ingressa no curso de cinema, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), formando-se em 1973. No ano seguinte, torna-se professor de fotografia no setor de cinema da ECA e prossegue com a carreira acadêmica, defendendo dissertação de mestrado e tese de doutorado na mesma universidade. 

No final dos anos de 1960, atua em peças de teatro de diretores como Zbigniew Ziembinski (1908-1978) e Antonio Pedro Borges (1940), mas é na realização de trabalhos para a televisão que Botelho se profissionaliza. Na Rádio e Televisão Cultura (RTC) é assistente de direção, cinegrafista, produtor, diretor de fotografia e diretor em séries e programas especiais. Nos anos de 1980, é diretor de fotografia de documentários para a Rede Globo, para a rede de televisão inglesa BBC e para alemã ZDF.

O trabalho como diretor cinematográfico tem início com os curtas-metragens produzidos pela ECA/USP: Gare do Infinito (1972), Os Cinco Patamares (1972), Exposição - Henrique Alvim Correa (1974) e Corpo de Baile (1974), todos codirigidos por Ella Dürst (1951). Nos anos seguintes, assina a direção de fotografia de longas-metragens, com destaque para As Três Mortes de Solano (1976), de Roberto Santos (1928-1987); Daniel, o Capanga de Deus (1977), de João Baptista Reimão (1940), ao lado do fotógrafo Dib Luft (1936); e Estrada da Vida (1980), de Nelson Pereira dos Santos (1928).

Em 1981, em parceria com seis cineastas, funda a produtora Tatu Filmes que, com outras produtoras instaladas no bairro paulistano da Vila Madalena, compõem o chamado cinema da Vila. Na mesma época, preside a Associação Paulista de Cineastas (Apaci), voltada à reflexão e à articulação de políticas para o campo cinematográfico paulista.

Com recursos da Embrafilme, roteiriza e dirige seu primeiro longa, Janete (1982), premiado em festivais nacionais. Em 1984, com financiamento da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, filma o curta A Longa Viagem, documentário sobre a geração hippie. Em 1985, desliga-se da Tatu Filmes e, com Maria Ionescu (1958), funda a Orion Cinema e Vídeo. No ano seguinte, dirige seu segundo longa, Cidade Oculta (1986), filme mais premiado de sua carreira, alcançando sucesso de público e de crítica.

Realiza videoclipes para a gravadora Polygram e colabora como assistente de fotografia e roteirista em produções de cineastas, sobretudo paulistas. De 1989 a 1990, é representante dos realizadores cinematográficos no Conselho Nacional de Cinema (Concine). Em 1991, graças ao prêmio recebido da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, filma o documentário A Cidade e o Corpo. Falece no mesmo ano, na cidade do Rio de Janeiro, onde realizaria a direção de fotografia da série Paisagens Urbanas, de Nelson Brissac Peixoto (1951), coproduzida pela TV Cultura.

Comentário crítico
Chico Botelho integra uma geração de profissionais de cinema egressos da ECA/USP que marca a década de 1980 em São Paulo. Realiza filmes, mas também desenvolve projetos para televisão e publicidade. Participa de ações coletivas na criação de suas produtoras e reivindica espaço nas políticas de financiamento dos órgãos públicos, como a Embrafilme e a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. O cinema produzido por esses jovens fica conhecido como cinema da Vila ou jovem cinema paulista, termos questionados pela crítica e pelos próprios realizadores. Em 1985, Jean-Claude Bernardet (1936), um dos primeiros críticos a escrever sobre o grupo, assinala algumas das características de suas obras: duplicidade estrutural (linearidade e fragmentação), oscilação entre cinema de autor e cinema industrial, exploração da sensibilidade urbana, citacionismo e caráter acrítico.

O apuro técnico é um elemento que se destaca nos filmes do grupo. A fotografia passa a fazer parte da narrativa, a imagem é construída, rompendo relações com o real. No caso de Botelho, essa preocupação com a primazia da imagem é reforçada pela sua experiência na área de fotografia cinematográfica, cultivada desde a graduação. A preferência pela temática urbana é outro elemento relevante nessa produção e aumenta seu distanciamento em relação à tradição cinematográfica dos anos de 1960 e 1970. Nesses filmes a cidade, personagem fundamental da trama, é onipresente, contemplada em suas nuances.

O primeiro longa-metragem de Chico Botelho, Janete aborda as aventuras de uma jovem marginalizada que percorre o mundo da prostituição, dos presídios e do circo. A escolha de uma história simples demonstra uma preocupação do diretor em alcançar o grande público, e a qualidade técnica do acabamento reforça a ideia de que estilo passa pela técnica.

Cidade Oculta, protagonizado por Arrigo Barnabé (1951) (Anjo) e Carla Camurati (1960) (Shirley Sombra), duas personalidades em ascensão no meio artístico, é o principal filme de Chico Botelho e um dos mais emblemáticos do novo cinema paulista. Narra a história do marginal Anjo, que é solto  após alguns anos na prisão. A volta à sociedade é marcada por perseguições e acertos de contas. As referências aos quadrinhos, ao filme noir, aos velhos seriados e ao cinema japonês são explícitas na narrativa e na construção das imagens. O filme compõe a chamada "trilogia paulistana da noite", junto com Anjos da Noite (1987), de Wilson Barros (1948-1992), e A Dama do Cine Shangai (1988), de Guilherme de Almeida Prado (1954), obras que consolidam as características apontadas por Bernardet.

O longa-metragem desperta críticas positivas e negativas. Se, por um lado, a fotografia de José Roberto Eliezer (1954) é reverenciada, pois forja beleza à concretude de São Paulo, por outro, as referências à cultura pop servem de argumento para tratar o filme como internacionalizante e artificial, e a influência do cinema clássico é vista como um traço de conservadorismo. O pesquisador Renato Luiz Pucci Júnior enquadra o filme no pós-modernismo do cinema brasileiro, destacando, entre outros aspectos, a paródia lúdica; a coexistência da linearidade com a fragmentação; e a apropriação de elementos de outros filmes, extrapolando a mera citação.

Além de ser um dos cineastas mais atuantes de sua geração, Botelho demonstra uma preocupação em conciliar sua prática cinematográfica com a reflexão teórica. Em 1981, sob orientação de Eduardo Peñuela Cañizal, defende a dissertação de mestrado A Imagem Fotográfica e o Real e, em 1991, com orientação de Ismail Xavier (1947), torna-se doutor com a tese Técnica e Estética do Novo Cinema de São Paulo. Este último trabalho se constitui em uma importante reflexão sobre a experiência cinematográfica em São Paulo nos anos de 1980, momento de transição técnica e estética do cinema brasileiro, do qual o diretor é um dos protagonistas.

Obras 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • AVELLAR, Marcello Castilho. Janete: a verdadeira inocência. Disponível no Anuário do Cinema Brasileiro (P. 853/3), da Cinemateca Brasileira, (s.d.).
  • BARBOSA, Andréa Claudia Miguel Marques. São Paulo: cidade azul. Imagens da cidade construídas pelo cinema paulista dos anos 80. 2002. 198 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - FFLCH/USP, São Paulo, 2002.
  • BERNARDET, Jean-Claude. Os Jovens Paulistas. In. XAVIER, Ismail.; BERNARDET, Jean-Claude.; PEREIRA, Miguel. O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.
  • BOTELHO JÚNIOR, Francisco Cassiano. Memorial. São Paulo: ECA/USP, 1991. 62 p.
  • BOTELHO JÚNIOR, Francisco Cassiano. Técnica e estética na imagem do novo cinema de São Paulo. 1991. 292 p. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.
  • BUENO, Zuleika de Paula. As harmonias padronizadas da juventude: a produção de um cinema juvenil brasileiro. Comunicação, Mídia & Consumo. São Paulo, vol. 5, nº 13, jul. 2008. P. 27-34
  • COIMBRA, Cristiano Maitan. O cinema da Vila Madalena como modelo para a retomada: as lições, as direções, a técnica. O desfecho glorioso de uma geração pioneira. 2007. 97 f. Monografia (Especialização) - Pontíficia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP, São Paulo, 2007.
  • PUCCI JR., Renato Luiz. Cinema Brasileiro Pós-Moderno: o neon-realismo. Porto Alegre: Sulina, 2008.
  • TAVEIRA, Maurício Cândido. Entrelaçamentos, interfaces, hibridismos, passagens em Anjos da Noite, a Dama do Cine Shangai e Cidade Oculta. 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: