Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Elyseu Visconti Cavalleiro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.02.2018
27.01.1939 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
11.03.2014 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Elyseu Visconti Cavalleiro (Rio de Janeiro, RIo de Janeiro, 1939 - Idem 2014). Cineasta e artista plástico. Estuda na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), sendo aluno de gravura de Oswaldo Goeldi (1895-1961). Aos 20 anos de idade trabalha como repórter para a Herbert Richers S.A., ingressando depois na TV Rio, sob direção de Walter Clark (1936...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Elyseu Visconti Cavalleiro (Rio de Janeiro, RIo de Janeiro, 1939 - Idem 2014). Cineasta e artista plástico. Estuda na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), sendo aluno de gravura de Oswaldo Goeldi (1895-1961). Aos 20 anos de idade trabalha como repórter para a Herbert Richers S.A., ingressando depois na TV Rio, sob direção de Walter Clark (1936-1997). Beneficiado com uma bolsa de estudos em cinema e televisão, permanece três anos vivendo em Paris. Depois de rápida passagem pela Itália faz estágios na Polônia e Tchecoslováquia.

De volta ao país no final da década de 1960, se aproxima do grupo carioca do cinema marginal, especialmente de Júlio Bressane (1946). Participa da fundação da produtora Belair e realiza Os Monstros de Babaloo (1970), seu primeiro longa-metragem. Tendo em vista o contexto repressivo da época e a proibição pela censura1 de seu segundo longa-metragem Lobisomem, Terror da Meia-Noite (1971), se afasta de vez do circuito comercial. Inicia a carreira de documentarista etnográfico, muito influenciado pela leitura do sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987). Desta lavra destacam-se obras como Ticumbi (1978) e Feira da Campina Grande (1979), além das parcerias com o folclorista Câmara Cascudo (1898-1986) em curtas como Boi Calemba (1979) e Pastoril (1982). Paralelamente ao cinema, mantém um trabalho como artista plástico, dedicando-se principalmente aos desenhos e às gravuras, com exposições no Brasil e no exterior.

Comentário crítico
Em sua filmografia, Visconti destaca-se sobretudo como diretor de Os Monstros de Babaloo (1970) já que, logo em sua estreia no cinema, realiza um filme limite. O cineasta parece aprofundar a ironia típica do cinema marginal a partir de um diálogo aberto com as chanchadas e os filmes de terror, promovendo de modo radical, segundo as palavras do crítico Ismail Xavier (1947), a "implosão da família e a encenação da decadência de uma elite associada à barbárie"2, expondo toda a agonia existencial daquela geração que viveu o auge da repressão militar. Isso lhe renderia sérios problemas com a censura e com a polícia.

Opta, então, por um exílio voluntário no interior do país. Daí nasce um segundo movimento em sua carreira, agora voltado para a antropologia visual. Longe dos excessos de sua fase marginal, filmes como Ticumbi (1978), ou mesmo trabalhos em vídeo como O Palhaço na Folia de Reis (1998) e Coroação do Rei do Congo (2002) se distinguem pelo registro sóbrio e objetivo da cultura popular, sem deixar de lado certo tom cerimonioso, de quem documenta um fenômeno que parece fadado a se perder no tempo, mas que, no entanto, resiste. Pois é nessa resistência que Visconti nos mostra um outro Brasil, para além da alegoria de Babaloo.

Notas
1 À época o país estava sob o regime militar, que censurava todos os tipos de obra que considerasse subversiva, ou seja, que não se alinhassem a seu ideário.
2 XAVIER, Ismail. O cinema marginal revisitado ou o avesso dos anos 90. In: PUPPO, Eugênio: HADDAD, Vera (org.). Cinema marginal e suas fronteiras. (catálogo de mostra). São Paulo, Rio de Janeiro, Centro Cultural Banco do Brasil, 2001.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BELAIR. Direção: Noa Bressane e Bruno Safadi. Brasil, 2009, documentário, 80 min.
  • MASINI, Fernando. Filmes de guerrilha (entrevista de Elyseu Visconti). Revista Trópico, 13 jul. 2009.
  • OS MONSTROS DE BABALOO. Coleção Cinema Marginal - vol. 3. São Paulo, Lume Filmes, Cinemateca Brasileira, 2009, encarte de DVD.
  • PUPPO, Eugênio e HADDAD, Vera. Cinema Marginal e suas fronteiras. Filmes produzidos nas décadas de 60 e 70. São Paulo: Heco Produções, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: