Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Denoy de Oliveira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.06.2020
Denoy Gonçalves de Oliveira (Belém, Pará,  1933 – São Paulo, São Paulo, 1998). Diretor, ator, produtor, roteirista, músico. Cresce no subúrbio do Rio de Janeiro, onde começa a trabalhar aos 14 anos em funções diversas. Cursa Arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) a partir de 1957, sem concluir a graduação, e artes cênicas n...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Denoy Gonçalves de Oliveira (Belém, Pará,  1933 – São Paulo, São Paulo, 1998). Diretor, ator, produtor, roteirista, músico. Cresce no subúrbio do Rio de Janeiro, onde começa a trabalhar aos 14 anos em funções diversas. Cursa Arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) a partir de 1957, sem concluir a graduação, e artes cênicas na Escola de Teatro Martins Pena. 

Estreia como ator na peça O Círculo de Giz Caucasiano (1962) e engaja-se no Centro Popular de Cultura (CPC). Em 1964, após o fechamento do CPC pelo governo, funda com alguns remanescentes do CPC o grupo de teatro Opinião. Trabalha no setor administrativo e integra o elenco das peças Liberdade, Liberdade (1965) e Se Correr o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come (1966), da qual também faz a música. Compõe, ainda, a trilha musical de Dois Perdidos numa Noite Suja (1966). Em 1966, abre a produtora Lestepe com o irmão e cineasta Xavier de Oliveira (1937), de quem produz o curta Escravos de Job (1965). Estreia como ator no cinema em Massacre no Supermercado (1968), do croata J. B. Tanko (1906-1993) e escreve a peça Os Monstros (1969). Em 1970, deixa o Opinião.

Atua e compõe a trilha sonora de Marcelo Zona Sul (1970) e produz e musica André, a Cara e a Coragem (1971), ambos de Xavier. Escreve e dirige Amante “Muito Louca”! (1973), prêmio de melhor direção no 2º Festival de Gramado. Realiza, ainda, o episódio “A Louca de Ipanema”, para o longa Esse Rio Muito Louco (1976), antes de se mudar para São Paulo, onde se torna um dos principais articuladores da Associação Paulista de Cineastas (Apaci).

Após a morte do diretor Egydio Eccio (1929-1977), assume o piloto para televisão, transformado em longa-metragem, J.J.J. – O Amigo do Super-Homem (1978), nunca lançado comercialmente. Em seguida, adapta o conto O Encalhe dos 300, de Domingos Pellegrini (1949), no filme 7 Dias de Agonia (O Encalhe) (1982). Finaliza O Baiano Fantasma (1984), grande vencedor do 12º Festival de Gramado.

Paralelamente, atua em filmes como Doramundo (1978) e O Homem que Virou Suco (1980), ambos de João Batista de Andrade (1939); Eles Não Usam Black-Tie (1981), de Leon Hirszman (1937-1987), Janete (1982), de Chico Botelho (1948-1991) e A Hora da Estrela (1985), de Suzana Amaral (1928-2020). Realiza os médias documentais Nós de Valor... Nós de Fato (1985) e Fala só de Malandragem (1985). Escreve e dirige A Grande Noitada (1997), lançado comercialmente após sua morte. 

Análise

A obra cinematográfica Denoy de Oliveira reúne diversos gêneros e estéticas e relaciona-se a momentos diversos da produção brasileira. Norteia-se, porém, pelos mesmos ideais sócio-políticos aprendidos no CPC: preferência por temas e/ou personagens à margem da sociedade, elaboração de narrativas com enfoque humanista e escrita de uma obra acessível e popular, para criar identificação com o público. Para isso, vale-se do humor, que traz leveza à história.

Seus dois primeiros longas são comédias e trazem tipos comuns da classe média baixa para o centro da trama. Em Amante “Muito Louca”!, Denoy usa os parâmetros da comédia erótica carioca para criticar a hipocrisia pequeno burguesa . Realizado no auge da repressão do Regime Militar, o longa acompanha a viagem de um bancário e sua família para o litoral, interrompida pela amante do patriarca. Dentro do espírito de contestação dos valores morais tradicionais, Denoy contrapõe a lógica das aparências, mantida pela classe média, à ruptura e transgressão das artes e do teatro. A personagem da amante, uma atriz, serve para desmascarar um ideal de decência e moralidade da família brasileira.

O filme seguinte, J.J.J. – O Amigo do Super-Homem, comédia policial, trabalha referências dos quadrinhos e das histórias de detetive. João Juca Jr. é um chaveiro que mora com a mãe, mas sonha com uma profissão que lhe dê sucesso e glória. O cineasta apropria-se de recursos cartunescos gráficos e sonoros, típicos das comédias populares da segunda metade dos anos 1970, que buscam fácil adesão do espectador. Isso acontece, por exemplo, quando um balão de quadrinhos (em que está escrito “Hi-hi-hi...”) aparece sobre a cabeça do vilão no momento em que tem uma ideia para o roubo de uma joia. O filme não é lançado comercialmente.

7 Dias de Agonia (O Encalhe) é um drama social com poucos momentos de humor. O cineasta debruça-se sobre o infortúnio de trabalhadores que têm suas vidas interrompidas em decorrência das fortes chuvas que atolam caminhões em uma estrada de terra. O filme demonstra a preocupação didática do cineasta em construir um discurso de classe contrário ao da classe dominante. Num momento em que os sindicatos voltam a ter uma participação social na realidade brasileira, no filme, após sete dias de sofrimentos, os caminhoneiros sentam, conversam e, juntos, entendem a importância de se unirem para exigir melhorias em suas condições de trabalho.

O forte acento social e a comédia de costumes encontram-se em O Baiano Fantasma, filme que o consagra. O longa acompanha Lambusca [José Dumont (1950)], um paraibano que vem a São Paulo para melhorar de vida e aceita fazer cobranças de serviço de proteção de uma gangue. Durante uma visita, um cliente enfarta e Lambusca passa a ser procurado pela polícia e pela gangue. Em tom crítico, o cineasta apresenta o preconceito ao nordestino assim que Lambusca aparece. Paraibano, é sempre chamado pelo termo pejorativo de baiano. Denoy acompanha os dramas de seu personagem, invisível aos olhos da sociedade paulistana, sem o transformar em vítima.

O último longa de Denoy de Oliveira, A Grande Noitada, também enfoca personagens marginalizados, como um transformista e uma ex-presidiária em liberdade condicional. Inspirado em Tristão e Isolda, é seu filme mais alegórico, em que utiliza uma estética cênica artificial, oriunda da ópera. Na primeira metade do filme, os personagens cantam e os cenários são evidentemente construídos. Apenas quando os personagens socialmente excluídos entram em cena, o filme encaminha-se para o naturalismo. Tal tônica serve para compreender a obra do cineasta: para ele, os únicos personagens reais são as pessoas comuns, anônimas.

Espetáculos 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • ADRIANO, Carlos. ‘Grande Noitada’ tem discurso piegas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 dez. 1998. Ilustrada, p. 7.
  • ARAÚJO, Inácio. Denoy de Oliveira distinguiu-se pelo afeto. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 nov. 1998. Ilustrada, p. 4.
  • CARNEIRO, Gabriel. Noites Paulistanas: o cinema paulista da geração 1980. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2016.
  • FASSONI, Orlando L. O rebolado invade a classe média. Folha de S.Paulo, São Paulo, 18 nov. 1974. Ilustrada, p. 41.
  • FASSONI, Orlando L. Os encalhados da estrada e da sociedade. Folha de S.Paulo, São Paulo, 2 jun. 1983. Ilustrada, p. 30.
  • FERREIRA, Fernando. 7 dias de agonia. O Globo, Rio de Janeiro, 21 jun. 1983. Rio Show, p. 33.
  • LESTEPE Produções. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.lestepe.com.br/. Acesso em: 21 set. 2016
  • MERTEN, Luiz Carlos. Brasil perde cineasta do homem comum. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 nov. 1998. Caderno 2, p. D3.
  • MOTTA, Carlos M. “Baiano”, premiado, chega às telas. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 4 out. 1984. p. 21.
  • NAGIB, Lúcia (Org.). O cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. p. 331-333.
  • O ESTADO de S. Paulo. Cineasta dividiu filme com diretor de arte. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 dez. 1998. Caderno 2, p. D18.
  • O GLOBO. Denoy de Oliveira – Uma carreira vitoriosa do teatro até o cinema. O Globo, Rio de Janeiro, 5 abr. 1974. p. 28.
  • OLIVEIRA, Denoy de. Por que ‘Tristão e Isolda’ & outras óperas? O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 dez. 1998. Caderno 2, p. D18.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Denoy de Oliveira filma o povo simples. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 fev. 1995. Caderno 2, p. D2.
  • PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Amante Muito Louca. O Globo, Rio de Janeiro, 3 maio 1974. p. 35.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Rosyane Trotta. Não Catalogado
  • RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2000.
  • SUKMAN, Hugo. O estilo CPC é rejuvenescido em ópera-bufa. O Globo, Rio de Janeiro, 11 dez. 1998. Rio Show, p. 10.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: