Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Tim Rescala

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.05.2019
21.11.1961 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Luiz Augusto Rescala, (Rio de Janeiro, RJ 1961). Compositor, pianista, arranjador e dramaturgo e ator. Filho de músicos, estuda piano com Maria Y. Cadah na Escola de Música da UFRJ (1976‑1978), contraponto, arranjo e composição com H‑J. Koellreutter na Escola de Música Villa-Lobos (1979-1983) e licencia‑se em música pela UNI-RIO (1983). Recebe, ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Luiz Augusto Rescala, (Rio de Janeiro, RJ 1961). Compositor, pianista, arranjador e dramaturgo e ator. Filho de músicos, estuda piano com Maria Y. Cadah na Escola de Música da UFRJ (1976‑1978), contraponto, arranjo e composição com H‑J. Koellreutter na Escola de Música Villa-Lobos (1979-1983) e licencia‑se em música pela UNI-RIO (1983). Recebe, nesse período, o prêmio de Composição da Escola de Música Villa-Lobos e Colégio da OSB (1979) e torna‑se um dos fundadores do Estúdio da Glória1 (1981). Trabalha como arranjador e pianista popular até 1979. A partir de 1980 envolve-se com o teatro. Desde então, participa de mais de 50 espetáculos como instrumentista, escritor, compositor, diretor artístico e ator e recebe inúmeros prêmios, entre os quais o Mambembe (1983, 1993, 1997), o Sated (1993), o Golfinho de Ouro (1997) e o Shell (1999, 2001, 2009). No início da década de 1990 inicia um trabalho direcionado ao público infantil e à educação musical, destacando-se Pianíssimo (1993), primeira peça infantil a ser apresentada na Comédie Française de Paris, além de apresentar os Concertos para a Juventude (1997-2000), criar e dirigir a série de concertos didáticos Multimúsica (2005) e publicar o livro Pequena História (não autorizada) da Música (1996). Como compositor, participa de diversos festivais, entre eles, o Sonidos de las Américas-Brasil no Carnegie Hall (1996). Trabalha igualmente com televisão, dança, cinema, rádio e vídeo. Para a televisão, torna-se produtor musical da TV Globo (1988-1997); para a dança, cria o roteiro e a música de espetáculos da Orquestra Brasileira de Sapateado; para o cinema, atua como compositor e ator, criando a trilha de filmes como Histórias da Unha do Dedão do Pé do Fim do Mundo (2007), sobre poemas de Manoel de Barros; Para a rádio, cria e escreve o roteiro e apresenta o programa de música clássica para crianças Blim‑blem‑blom (2011) na Rádio MEC; na área de vídeo, destaca-se sua colaboração com o diretor Eduardo Coutinho, que rende filmes como O Fio da Memória (1991) e Boca de Lixo (1992). Recebe inúmeras encomendas, entre as quais a Bolsa Rio-Arte para realizar a ópera A Orquestra dos Sonhos (1995), a Vitae para a obra Brincando de Orquestra (1999), do SESC para a ópera A Redenção pelo Sonho (1999) e da Funarte para a obra de câmara Sete vezes (2011). Em 1995 cria o selo Pianíssimo, editando CDs próprios como Romance Policial (2002, com obras de teatro musical) e Contos, cantos e acalantos (2002, Prêmio TIM de melhor CD infantil). Apresenta-se como comediante no programa Chico Total, de Chico Anysio, na TV Globo, em 1996. Faz a trilha musical das sérier Hoje é dia de Maria I e II, dirigidas por Luís Fernando Carvalho, na TV Globo. Em 2002, ao lado de Arrigo Barnabé e Guto Lacaz, escreve e encena a ópera 22 Antes Depois no Sesc Ipiranga, em comemoração dos 80 anos da Semana de Arte Moderna de 1922. Em 2005 torna-se diretor da Sala Baden Powell (RJ).

 

Comentário crítico

Três fases circunscrevem a carreira de Rescala. À composição de música pura de sua juventude sobrepõe-se, na década de 80, um trabalho com o teatro, onde descobre sua vocação humorística. Posteriormente, a experiência com a música incidental de cena, no final dessa década, leva à emergência dessa como elemento principal de suas peças e a integração da narração como seu fio condutor, conduzindo-o à criação de teatros musicais. Esse percurso rende‑lhe a reputação de um artista polifônico, eclético, que concebe a música como um veículo de interpretação da sociedade e de suas práticas político-sociais2, sobretudo através do humor. Seu caráter polifônico é atestado pela capacidade de executar várias atividades em um só trabalho, tal como em O Homem que Sabia Português, no qual assina o libreto, a composição, além de ter sido o diretor musical e o pianista em sua estreia. Seu ecletismo é manifesto tanto na natureza das artes com as quais trabalha como na palheta de estilos que adota e que respondem às exigências que vão desde vinhetas comerciais, passando pela música incidental até a composição de música pura. O humor mostra-se como um elemento imanente que catalisa uma abordagem crítica através da exposição de situações banais que evidenciam as contradições dessa estimulando a reflexão3. Nesse contexto, a exploração de estruturas simbólicas do cotidiano torna-se indispensável à desmistificação de modelos a qual se propõe, tornando-se um elemento estratégico tanto no seu trabalho de compositor quanto de educador. Quase sempre, tais estruturas aparecem em sua obra de maneira metalinguística, sendo um bom exemplo disso o início da opereta mencionada acima, cujo preâmbulo, O que é uma opereta, cumpre a função de explicar a história do gênero. Igualmente, em Clichê Music I, para música de câmara e eletrônica, "vários clichês da música contemporânea de concerto" são explorados "através de uma sátira do ambiente da música de vanguarda [...]. não só como uma crítica, mas também como uma autocrítica"4. Assim, Rescala desloca os códigos de seu contexto natural, desvirtuando-os a fim de provocar, ao mesmo tempo, o riso e a reflexão. Essa estratégia permite-lhe a criação de peças que são verdadeiras personagens. Seu Concerto para pandeiros, por exemplo, leva em consideração a utilização histórica do instrumento e mimetiza o chorinho em sua trama. Ao mesmo tempo, a problemática ligada ao fato de que a compreensão desse procedimento de composição depende da formação musical do ouvinte na medida em que só se pode "fazer uma piada em contraponto bachiano para quem os conhece"5, o que impõe limites estilísticos, conduz a uma priorização da utilização de textos literários em suas peças. É o emprego de textos facilmente apreensíveis, como demonstra sua ópera A Orquestra dos Sonhos, que lhe permite utilizar uma linguagem musical mais elaborada (como o atonalismo, o dodecafonismo, o minimalismo6) em suas personagens. De fato, o estilo musical escolhido para cada uma delas segue o perfil e desenvolvimento dramático dessas na obra. Maria, por exemplo, a faxineira, a quem é reservada a expressão de sentimentos, possui um caráter tonal romântico; Zeca, o copista-compositor frustrado, é marcada pelo minimalismo. Para o compositor, essa dualidade da complexidade entre texto e música "contribui para que o resultado seja ao mesmo tempo instigante e compreensível"7 e permite às crianças "um contato direto e profundo com esse universo, sem as barreiras e os pré-conceitos do formalismo e da tradição que normalmente caracterizam o gênero"8. Essa concepção norteia igualmente sua atividade didática com o público leigo, onde tenta levar informação sobre música clássica sem que ela carregue o peso elitista e excludente da dita alta cultura.

 

Notas:

1 Cooperativa de compositores destinada à produção de música eletroacústica.

2 Andrade, Débora. A orquestra dos Sonhos, p. 104.

3 Martins, Pedro. "o artista tem que respeitar a capacidade da criança apreender estruturas musicais complexas", [s.p.].

4 Rescala Tim, Saadi, Fátima. "Tim Rescala: O homem dos sete instrumentos", p. 86.

5 Débora Andrade. op. cit., p. 66.

6 Técnicas de escrita empregadas na música erudita contemporânea.

7 Martins, Pedro. op. cit., [s.p.]

8 Rescala, Tim. Encarte do CD de A orquestra dos sonhos.

Eventos relacionados 86

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Tim Rescala. (ficha curricular) In: _________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • Andrade, Débora. A orquestra dos Sonhos: proposta didática e atuação polifônica. Dissertação de mestrado sob a orientação de Lucas José Bretas Santos. Belo Horizonte: Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, 2008. Disponível em: <<http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/AAGS-7XPN6V/disserta_c3_a7_c3_a3o_d_c3_a9bora__1_.pdf?sequence=1>>. Acesso em 10/12/2012.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Noite de Reis - 1997. Não catalogado
  • Enciclopédia Itaú Cultural Teatro. Tim Rescala. Disponível em: <<http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_teatro/index.cfm?fuseaction=personalidades_biografia&cd_verbete=188>>. Acesso em 10/12/2012.
  • HORTA, Luiz Paulo. "Fim e ciclo: A música contemporânea começa a encontrar os caminhos para sair de sua solidão e comunicar-se com o público". Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 31 mai. 1987. Caderno B/ Especial, p.9.
  • HORTA, Luiz Paulo. "Tim, o indefinível". Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 set. 1989. Roteiro.
  • Lobo, Júlio César de Freixo. "Tim Rescala e a orquestra rebelde que faz sonhar". Inverta, Rio de Janeiro, 23 a 29 jul. 1997. Caderno Cultura, p. B-1B.
  • Martins, Pedro. "O artista tem que respeitar a capacidade da criança apreender estruturas musicais complexas". Projeto Guri Santa Marcelina. Série Horizontes Musicais. São Paulo: Faculdade Santa Marcelina, 2012. Disponível em: <<http://www.gurisantamarcelina.org.br/secao.aspx?categoria=1&id=998>> Acesso em 10/12/2012.
  • Música Brasilis. Verbete biográfico de Tim Rescala. Disponível em: <<http://www.musicabrasilis.org.br/personalidades/tim-rescala>>. Acesso em 10/12/2012.
  • Programa do Espetáculo - Amigos para Sempre - SP - 2000. Não Catalogado
  • RESCALA, Tim. A Orquestra dos Sonhos. CD. Selo Pianíssimo: Rio de Janeiro, 1997.
  • RESCALA, Tim. O humor sem rótulos tem múltiplos caminhos. O Globo, Rio de Janeiro, 30 mar. 1986. Segundo Caderno, p. 5. Entrevista.
  • RESCALA, Tim. Rio de Janeiro: Funarte / Cedoc. Dossiê Personalidades Artes Cênicas.
  • Rescala, Tim, Saadi, Fátima. "Tim Rescala: O homem dos sete instrumentos". Entrevista a Fátima Saadi. Folhetim: Uma edição quadrimestral do Teatro do Pequeno gesto. Rio de Janeiro: Teatro do Pequeno Gesto, jan-abr 2000. pp. 86‑94. Disponível em: <<http://www.pequenogesto.com.br/folhetim/folhetim6.pdf>>. Acesso em 10/12/2012.
  • Rescala, Tim, Tolomei Teixeira, Rogério, "Rogério Skylab entrevista Tim Rescala". Matador de passarinho. Rio de Janeiro: Globo TV, 03/12/2012. Disponível em: http://globotv.globo.com/canal-brasil/matador-de-passarinho/v/tim-rescala/2274435/. Acesso em 10/12/2012.
  • Rescala, Tim. Pianíssimo: a história de um piano encantado. Belo Horizonte: Editora RHJ, 1995.
  • Rescala, Tim. Tim Rescala. Site pessoal. Disponível em: <<http://www.timrescala.com.br/>>. Acesso em 10/12/2012.
  • Teixeira, Sandra. "Música, humor e teatro". Disponível em: <<http://www.revistagavea.com.br/6/teatro.htm>> Acesso em 10/12/2012.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: