Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlos Drummond de Andrade

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.12.2020
31.10.1902 Brasil / Minas Gerais / Itabira
17.08.1987 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Sentimento do Mundo, 1940
Carlos Drummond de Andrade
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, Minas Gerais, 1902 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1987). Poeta, cronista, contista, ensaísta e tradutor. É um dos principais poetas da segunda geração do modernismo brasileiro. Sua obra extensa e variada pode ser dividida em fases e se destaca quanto aos gêneros literários e à diversidade em sua composição...

Texto

Abrir módulo

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, Minas Gerais, 1902 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1987). Poeta, cronista, contista, ensaísta e tradutor. É um dos principais poetas da segunda geração do modernismo brasileiro. Sua obra extensa e variada pode ser dividida em fases e se destaca quanto aos gêneros literários e à diversidade em sua composição poética e por contemplar temas ligados à condição de ser humano e de estar no mundo. 

Muda-se para Belo Horizonte aos 8 anos. Em 1925, forma-se em farmácia, profissão que nunca exerce. Funda, com o poeta Emílio Moura (1902-1971), o periódico modernista A Revista, que publica apenas três números. Estreia na literatura em 1930, com Alguma Poesia.

Segundo o crítico literário Antonio Candido (1918-2017), o conflito central da poética drummondiana é marcado pelas “inquietudes”, que aparecem ora como “formas ligeiras de humor”, ora como “autonegação pelo sentimento de culpa”. Essas inquietudes surgem na forma de “alusões à náusea, à sujeira” do mundo ou de “mergulho em estados angustiosos de sonho, sufocação e, no caso extremo, sepultamento”1. As particularidades decorrentes das motivações históricas também marcam as várias fases de sua trajetória poética. 

A primeira fase é a irônica ou gauche, representada pelos dois primeiros livros do poeta: Alguma Poesia e Brejo das Almas (1934). Além do humor e da ironia, outros traços marcantes se destacam no livro de estreia, como o diálogo com o modernismo dos anos 1920. Os frutos da aproximação com as propostas dos modernistas podem ser reconhecidos no cultivo de gêneros como o poema cartão-postal e o poema-minuto, ou na incorporação de certos procedimentos vanguardistas, como os cubistas. Drummond explora sistematicamente as contradições resultantes do choque entre a modernização e as marcas renitentes do atraso, mas com certo distanciamento, como um observador, sem tomar partido.

A fase da lírica social, de poesia participante, surge no livro Sentimento do Mundo (1940), concebido quando da transferência do poeta para o Rio de Janeiro, depois de assumir o cargo de chefe de gabinete do Ministério da Educação em 1934. O impacto da grande cidade é traduzido nos versos pelo sentimento reinante de alienação. A obra marca a incorporação da matéria social na poesia drummondiana.

A intensificação da poética social é sentida na coletânea José (1942), a começar pelo poema que dá nome ao livro (marca da identificação com o homem comum). A reiteração do tema da alienação na grande cidade desdobra-se no sentimento de opressão e no tema da solidão na multidão, como se vê no poema “A bruxa”. 

O principal livro de inspiração social de Drummond é A Rosa do Povo (1945). À lírica de guerra, presente em poemas verdadeiramente épicos como “Carta a Stalingrado” e “Telegrama de Moscou”, e aos poemas que tratam da opressão do regime Vargas ou dos conflitos de classe, soma-se a reflexão metalinguística. O poeta alcança, dialeticamente, o êxito da comunicação poético-social. A tensão estabelecida entre comunicação e não comunicação, abertura e fechamento do discurso, ou entre transitividade e intransitividade do verbo poético, pode ser observada logo na abertura desse livro, com a oposição existente entre os dois poemas metalinguísticos “Consideração do poema” e “Procura da poesia”, que se ocupam da arte poética e que se mantêm em forte tensão dialética, numa relação de avesso e complemento entre o engajamento político-social e o engajamento com as palavras.

A fase seguinte é marcada por uma poesia mais filosófica, meditativa, e por uma visão de mundo melancólica e pessimista, produto em parte da desilusão do poeta com a militância nos anos 1940. Há também uma maior preocupação com a forma e um tom classicizante. Em Claro Enigma (1951), considerado ao lado de A Rosa do Povo o ápice de sua trajetória poética, estão reunidos poemas de natureza filosófica, meditativa, como “A máquina do mundo”; lírico-amorosa, como “Campo de flores”; e de temática familiar, como “Os bens e o sangue”, alguns de seus maiores poemas. 

Na sequência, Drummond publica os livros da série Boitempo, que integram a poética da fase memorialista, em que resgata as lembranças da infância, da cidade natal, da família. O estilo dominante nesses livros parece indicar uma superação das inquietudes que são a principal fonte de conflito na lírica do poeta itabirano.

Além de poeta, Drummond é também grande prosador. Publica, em 1944, Confissões de Minas, sua primeira crônica; em 1951, o livro de prosa de ficção Contos do Aprendiz; e, em 1952, Passeios na Ilha, uma coletânea de ensaios, crônicas e “poemas em prosa”, publicados ao longo de sua contribuição ao jornal Correio da Manhã. Essas obras repassam a mesma matéria dos livros de poesia, só que num menor grau de tensão. Entre 1969 e 1984, Drummond dedica-se à crônica no Jornal do Brasil.

Sem deixar de lado suas raízes e a preocupação com questões sociais e artísticas que marcaram o cenário nacional no século XX, a multiplicidade de sua obra faz de Carlos Drummond de Andrade um dos maiores nomes da literatura brasileira em âmbito mundial. 

Nota

1. CANDIDO, Antonio. Inquietudes na poesia de Drummond. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995. p. 72-73.

Obras 8

Abrir módulo

Espetáculos 29

Abrir módulo

Espetáculos de dança 1

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • CAMILO, Vagner. Drummond: da Rosa do povo à rosa das trevas. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.
  • CAMILO, Vagner. No atoleiro da indecisão: Brejo das almas e as polarizações ideológicas nos anos 1930. In: ABDALA JR., Benjamin; CARA, Salete A. (org.). Moderno de nascença: figurações críticas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2006.
  • CANDIDO, Antonio. A vida ao rés-do-chão. In: CANDIDO, Antonio. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
  • CANDIDO, Antonio. Inquietudes na poesia de Drummond. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
  • CANDIDO, Antonio. Poesia e ficção na autobiografia. In: _______. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.
  • Catálogo de 15 anos de Ponto de Partida - 1995. Não catalogado
  • GLEDSON, John. Poesia e poética em Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Duas Cidades, 1981.
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil). 792.092 G932n
  • Planilha enviada pelo pesquisador Igor Almeida. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - As Artimanhas de Scapin - 2003. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - As Malandragens de Scapino - 1982. Não catalogado
  • SIMON, Iumna M. Drummond: uma poética do risco. São Paulo: Ática, 1978.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: