Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Dick Farney

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.04.2020
14.11.1921 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
04.08.1987 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Dick Farney, 1948

Farnésio Dutra e Silva (Rio de Janeiro, RJ, 1921 – São Paulo, SP, 1987). Cantor, compositor e pianista. Inicia os estudos de piano com seu pai e de canto com sua mãe. Aos 14 anos, estreia no programa Picolino, de Barbosa Júnior, na Rádio Mayrink Veiga, tocando ao piano "Dança Ritual de Fogo", de Manuel de Falla. Torna-se pianista do conjunto Swi...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Farnésio Dutra e Silva (Rio de Janeiro, RJ, 1921 – São Paulo, SP, 1987). Cantor, compositor e pianista. Inicia os estudos de piano com seu pai e de canto com sua mãe. Aos 14 anos, estreia no programa Picolino, de Barbosa Júnior, na Rádio Mayrink Veiga, tocando ao piano "Dança Ritual de Fogo", de Manuel de Falla. Torna-se pianista do conjunto Swing Maníacos. Por intermédio do radialista César Ladeira, lança o programa Dick Farney, sua Voz e seu Piano, na Rádio Mayrink Veiga. Participa como pianista de vários trios e quartetos de jazz que atuam em casas noturnas, palcos e estúdios. Apresenta-se na boate Flag's, em São Paulo e no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. 

Entre 1941 e 1944, apresenta-se como crooner no Cassino da Urca e, dois anos mais tarde, interpreta o samba-canção "Copacabana", de Braguinha (1907-2006) e Alberto Ribeiro. É convidado para cantar em Nova York, em 1946, e faz shows com Nat King Cole (1919-1965), Bill Evans (1929-1980) e David Brubeck (1920-2012). Retorna ao Brasil e grava o samba-canção “Marina” (1947), de Dorival Caymmi. Em 1948, grava a toada “A Saudade Mata a Gente”, de João de Barro e Antônio Almeida. 

Apresenta-se no Copacabana Palace, na boate Vogue e em várias casas noturnas do Rio de Janeiro. Em 1949, excursiona pela Argentina e o Uruguai. Sua interpretação do samba-canção “Alguém como Tu”, de José Maria de Abreu e Jair Amorim, é incluída no filme Carnaval Atlântida (1952), de José Carlos Burle (1907-1983) e Carlos Manga (1928-1915). Em 1953, organiza Dick Farney e seu Quinteto. Com a dupla Tom Jobim e Billy Blanco (1924-2011), participa do disco Sinfonia do Rio de Janeiro (1954) e grava em dueto com Lúcio Alves, o samba Teresa da Praia. No LP Dick Farney Trio (1956) interpreta Valsa de uma Cidade, de Ismael Netto e Antônio Maria; Farney´s Blues, de sua autoria; e Com Você meu Bem, parceria com Laura Maria. Em 1957, grava Meia Noite em Copacabana, que é relançada em 1964 com a participação especial de Norma Benguel. Apresenta-se no Waldorf Astoria Hotel, em Nova York e excursiona por Cuba, República Dominicana e Porto Rico. No final de 1958, retorna ao Brasil e grava o samba-canção Se É por Falta de Adeus (1959), de Tom Jobim e Dolores Duran. Em São Paulo, a TV Record exibe Dick Farney Show, apresenta-se no Hotel Claridge, em Buenos Aires, e inaugura a boate Farney's, na Praça Roosevelt. Em 1962, grava Dick Farney Jazz com três composições de sua autoria: RGE Blues, Improviso nº1 e nº2. 

Em 1964, apresenta com Betty Faria o programa semanal Dick e Betty 17, sob direção de Luiz Carlos Miéle e Ronaldo Bôscoli (TV Globo, 1965). Grava o LP Dick Farney, Piano e Orquestra Gaya (1966), com composições de Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Carlos Lyra, Paulo Sérgio e Marcos Valle. Em 1971, grava depoimento para o Museu da Imagem e do Som (MIS/RJ). No ano seguinte, é entrevistado pelo Programa MPB Especial da TV Cultura de São Paulo. Lança o LP Concerto de Jazz ao Vivo - Dick Farney Trio (1973). Em 1976, grava com Claudette Soares os LPs Tudo isso É Amor, vol. 1 e vol. 2. Em 1978, participa do show 20 Anos de Bossa Nova, em São Paulo. Lança os LPs Dick Farney – Noite (1981) e Dick Farney ao Vivo (1986). 

Análise

Dick Farney é considerado perfeccionista do grave e da dissonância. Tem uma trajetória singular ao se destacar como cantor romântico, músico reconhecido nos Estados Unidos, atuante consolidador do samba-canção no Brasil, pianista criativo e improvisador com grande versatilidade jazzística, intérprete moderno e uma das principais influências para os músicos modernos, como os jovens que apreciam a bossa nova. O próprio Dick afirma que em toda a sua carreira canta e a toca como em 1946, da mesma forma e com o mesmo estilo. Além disso, se mantém fiel às canções que grava e o que tornaram famoso no Brasil e no exterior.

Tem grande afinidade com o repertório norte-americano. Apreciador e influenciado pelo jazz, registra canções americanas em suas primeiras gravações. Tem como ídolos o cantor Bing Crosby e os pianistas Errol Garner e Dave Brubeck. Destaca-se como crooner do Cassino da Urca, acompanhando a orquestra de Carlos Machado. Essa experiência é fundamental em sua carreira, pois Farney torna-se conhecido dentro e fora do Brasil, atuando no mais importante palco do Rio de Janeiro, então capital federal. A vivência cultural das boates também contribui para sua formação, tornando-se um dos principais cantores da noite no eixo Rio-São Paulo. 

Dick é fã e amigo de Braguinha (João de Barro), então diretor artístico da gravadora Continental, que o convence a gravar em português. Em 1946, interpreta o samba-canção Copacabana, parceria de Braguinha e Antônio Almeida. Essa gravação contribui para projetar nacionalmente o bairro litorâneo carioca: “Existem praias tão lindas/ Cheias de luz/ Nenhuma tem o encanto/ Que tu possuis/ Tuas areias/ Teu céu tão lindo/ Tuas sereias/ Sempre sorrindo/ Copacabana, princesinha do mar/ Pelas manhãs tu és a vida a cantar/ E à tardinha, ao sol poente/ Deixas sempre uma saudade na gente/ Copacabana, o mar eterno cantor/ Ao te beijar, ficou perdido de amor/ E hoje vive a murmurar/ Só a ti Copacabana eu hei de amar”. O acompanhamento é de uma orquestra composta de oito violinos, duas violas, violoncelo, oboé, piano, violão, contrabaixo e bateria. Os arranjos são de Radamés Gnattali e a regência de Eduardo Patané. Essa gravação, na época, causa incômodo entre muitos ouvintes e alguns críticos, mas devido à modernidade do arranjo e à concepção harmônica do orquestrador, é posteriormente considerada como marco da modernização da música brasileira. Este é seu primeiro sucesso como intérprete, e se mantém nas paradas de sucesso entre 1946 e 1947. A canção dá segurança a Farney cantar em português e o motiva a gravar outras composições. Em 1948, ele registra outra parceria de Braguinha e Antônio Almeida, a toada A Saudade Mata a Gente. O cantor explora as notas graves do estribilho, em contraste com a outra parte, contribuindo para tornar esse registro uma das suas principais gravações. 
Devido ao sucesso no Rio de Janeiro, é convidado para se apresentar na Rádio NBC, que acaba por contratá-lo. Faz shows em Nova York, Los Angeles, Chicago e São Francisco. Durante suas temporadas nos Estados Unidos, convive, toca e torna-se admirador de Tommy Dorsey, Jimmy Dorsey, Count Basie, Buddy Ritchie, Art Tatum, Billy Taylor, Errol Garner, George Shearing, Dave Brubeck, Nat King Cole e Bill Evans. Essa experiência aprofunda seu interesse por música norte-americana, especialmente na incorporação do jazz em harmonias e estilo que o tornam um dos responsáveis pela renovação da música popular brasileira. O cantor e compositor influencia Tito Madi e vários jovens ligados à bossa nova, que o consideram uma referência moderna a ser seguida.

Em 1947, Dorival Caymmi compõem o samba-canção Marina, que Farney grava. A música se enquadra entre as composições urbanas de inspiração carioca de Caymmi, com melodia e letra elaboradas. A interpretação de Farney é uma de suas melhores versões e se torna um clássico. 
No final da década de 1940, a popularidade do cantor é enorme, o que motiva alguns jovens moradores da Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, criarem o Sinatra-Farney Fan Club, em 1948. As reuniões são frequentadas por futuros artistas, como João Donato e Nora Ney, além do próprio cantor que comparece eventualmente. 
Farney aprecia a obra de José Maria de Abreu e Jair Amorim e grava, em 1949, o samba-canção Ponto Final. Essa é uma das poucas músicas brasileiras que apresenta um recitativo que precede a primeira parte, composto no modo menor, abrindo para a relativa maior no estribilho. O samba-canção Alguém como Tu, dos mesmos compositores, é criado para Farney, que o grava em 1952, tornando-se um de seus principais sucessos. Luiz Bonfá e Hervê Cordovil estão entre os compositores que ele também aprecia.
Tom Jobim e Billy Blanco compõem o samba Teresa da Praia (1954), que é gravado por Dick Farney e Lucio Alves, considerados cantores rivais no período. A interpretação evidencia a letra, um diálogo/disputa por uma garota a qual os dois estão interessados. O registro em disco é acompanhado por Tom Jobim e seu conjunto. No mesmo ano, grava a pré bossa nova Outra Vez, de Jobim. Farney torna-se seu amigo e fã e posteriormente o convida para o programa Dick Farney Show. Nessa ocasião, grava o samba Este seu Olhar, composto pelo maestro, em 1959. Farney registra várias de suas composições, como Inútil Paisagem e Fotografia. Esta última é gravada em dueto com Claudette Soares no LP que fazem juntos.

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
  • CAYMMI, Stella. Dorival Caymmi: o mar e o tempo. São Paulo: Editora 34, 2001.
  • DICIONÁRIO Cravo Albin. http://www.dicionariompb.com.br/dickfarney. Acesso em 1 nov. 2011.
  • Dicionário Cravo Albin. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2011. Não catalogada
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998.
  • FARNEY, Dick. In: BOTEZELLI, J. C. Pelão; PEREIRA, Arley (Org.). A música brasileira deste século por seus autores e intérpretes. Vol. 4. São Paulo: Sesc Serviço Social do Comércio, 2001.
  • LENHARO, Alcir. Os cantores do rádio: a trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo. Campinas: Unicamp, 1995.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: