Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Milton Nascimento

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.04.2021
26.10.1942 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Milton Nascimento, 1972

Milton Silva Campos do Nascimento (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1942). Compositor, intérprete e instrumentista. Com sucesso de público e crítica, sua vasta trajetória artística engloba traços das culturas mineira e latino-americana, da MPB, do jazz e do rock.

Texto

Abrir módulo

Milton Silva Campos do Nascimento (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1942). Compositor, intérprete e instrumentista. Com sucesso de público e crítica, sua vasta trajetória artística engloba traços das culturas mineira e latino-americana, da MPB, do jazz e do rock.

Com a morte da mãe, passa a viver em Três Pontas, Minas Gerais. Aprende sozinho a tocar sanfona de dois baixos e, ainda garoto, forma um grupo musical com o compositor Wagner Tiso (1945). Muda-se para Alfenas, Minas Gerais, onde mora com a família Tiso e participa como croonerda banda W's Boys, apresentando-se em bailes pela região. Em 1963, vai com Tiso para Belo Horizonte, monta o conjunto Holiday e grava um compacto duplo. Com o baterista Paulinho Braga (1942), cria o Berimbau Trio e, com o pianista Marilton Borges (1943), o conjunto Evolussamba. Os ensaios ocorrem no apartamento da família Borges, onde conhece os músicos Lô Borges (1952), Beto Guedes (1951) e Fernando Brant (1946-2015), com quem mais tarde funda o movimento Clube da Esquina.

Em 1966, concorre no 2º Festival da Música Popular Brasileira (MPB) da TV Excelsior, com “Cidade Vazia”, de Baden Powell (1937-2000) e Lula Freire (1938), e se classifica em quarto lugar. Conhece a cantora Elis Regina (1945-1982), que grava sua composição “Canção do Sal” (1966), e o cantor Agostinho dos Santos (1932-1973), que canta “Maria, Minha Fé”, também de sua autoria, no 2º Festival Internacional da Canção, da TV Globo, em 1967. Nesse festival, defende três músicas e é eleito o melhor cantor, interpretando “Travessia”, com letra de Fernando Brant. No mesmo ano, grava seu primeiro LP com arranjos de Luiz Eça (1936-1992), do Tamba Trio. Em 1969 lança, Courage, concebido nos Estados Unidos, com arranjos próprios e de Eumir Deodato (1943). Produz as trilhas dos filmes Os Deuses e os Mortos (1969), do diretor de cinema Ruy Guerra (1931), e Tostão, a Fera de Ouro (1970), dirigido por Ricardo Gomes Leite e Paulo Laender (1945).

A partir da década de 1970, surge o interesse pelo jazz em suas formulações mais puras e nos diálogos com o rock, bem como heranças musicais regionais mineiras. Nesse período, produz dez LPs que orientam as diretrizes de toda a sua obra. Essas influências musicais estão presentes no Clube da Esquina e revelam a dinâmica dos movimentos culturais da juventude, como a presença do rock, desde marcas de vocais e guitarras dos Beatles até traços mais experimentais e progressivos. Além disso, as composições dialogam com novidades e sofisticações da bossa nova e da MPB. 

O disco Milton (1970) anuncia a qualidade da voz e das composições. Algumas canções se tornam clássicos como “Para Lennon e McCartney”. Em 1972, grava o LP duplo Clube da Esquina, que revela a produção dos integrantes do movimento mineiro, as experiências musicais e canções notáveis como “Um Girassol da Cor do Seu Cabelo”. Por imposição da censura, o trabalho seguinte, Milagre dos Peixes (1973), é basicamente instrumental e experimental. Em 1974, o disco é gravado ao vivo no Teatro Municipal de São Paulo, com o acompanhamento de orquestra e do grupo Som Imaginário.

Minas (1975) e Geraes (1976) formam um conjunto criativo que consolida o artista no quadro dos grandes compositores da música brasileira contemporânea, e contam com a mescla de rock, jazz e bossa nova, folclore, MPB e música latina. Em 1975, nos Estados Unidos, grava Native Dancer, com os músicos americanos Wayne Shorter (1933) e Herbie Hancock (1940). O disco Clube da Esquina 2 (1978) apresenta música regional e começa a flertar com as tradições indígenas. Produz para espetáculos do Grupo Corpo as trilhas Maria, Maria (1978) e O Último Trem (1980). Com Sentinela (1980), o artista sintetiza e encerra a fase de múltiplas experiências.

No decorrer dos anos 1980, engaja-se politicamente e foca questões de caráter mais social. Atua nos filmes Fitzcarraldo (1981), do diretor alemão Werner Herzog (1942), e Buriti (1983), dirigido por Carlos Alberto Prates Correia (1941). A canção “Coração de Estudante” (1983) em parceria com Tiso, torna-se tema do movimento político por eleições diretas. Em 1986, com a cantora argentina Mercedes Sosa (1935-2009) e o músico argentino Leon Gieco (1951), elabora o álbum Corazón Americano.

O disco Txai (1993) é resultado do encontro com aldeias indígenas, seringueiros e habitantes da floresta ao longo de sua viagem de barco pelo Rio Juruá, do Acre até o Peru. Esse álbum chega ao primeiro lugar da lista de world music da revista Billboard. Em Crooner (1999) interpreta um repertório afetivo, quase memorialístico, fruto das escutas associadas a sua formação musical.

Lança com Gilberto Gil (1942) o álbum Gil e Milton: Um Encontro Histórico (2000). Em 2002, apresenta as cantoras Maria Rita (1977) e Marina Machado (1972) no álbum Pietá, com músicas inéditas e dedicado à voz feminina. Grava Novas Bossas (2008) com o Jobim Trio, um tributo às composições de Tom Jobim (1927-1994), Vinicius de Moraes (1913-1980) e Dorival Caymmi (1914-2008).  

A trajetória artística de Milton Nascimento é diversificada e não se enquadra em limites rígidos. Reconhecido internacionalmente, suas canções estão impressas no imaginário brasileiro. 

Nota:

1. Termo em inglês que usualmente denomina o cantor que acompanha uma banda de jazz.

Obras 5

Abrir módulo

Espetáculos 6

Abrir módulo

Espetáculos de dança 2

Abrir módulo

Shows musicais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • AVELAR Idelbar. De Milton ao metal: política e música em Minas, In ArtCultura, n. 9, Uberlândia, Julho-Dezembro de 2004.
  • BORGES, Márcio. Os sonhos não envelhecem: histórias do Clube da Esquina. São Paulo: Geração Editorial, 1996.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Show: Milton e Caetano - 2005. Não catalogado
  • GARCIA, Luiz Henrique. Coisas que ficaram muito tempo por dizer: o Clube da Esquina como formação cultural. 160 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2000.
  • MINAMI, Edison. "Milton Nascimento e o diálogo inter-religioso na Missa dos Quilombos". In: Conhecimento e Diversidade, Niterói, n. 1, jan./jun. 2009, pp. 110 - 122.
  • Museu Clube da Esquina: http://www.museudapessoa.net/clube/index.htm.
  • NASCIMENTO, Milton. Nova história da música popular brasileira, São Paulo, Abril,1976.
  • OLIVEIRA, Rodrigo Francisco de. Mil Tons de Minas - Milton Nascimento e o Clube da Esquina: cultura, resistência e mineiridade na música popular brasileira. Dissertação (mestrado em História). Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2006.
  • RODRIGUES, Mauro. O modal na música de Milton Nascimento. Dissertação mestrado, Escola de Música, UFMG, 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: