Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Tom Zé

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.10.2019
11.10.1936 Brasil / Bahia / Irará
Registro fotográfico Marcus Leoni

Tom Zé, 2019

Antônio José Santana Martins (Irará, Bahia, 1936). Compositor, cantor, arranjador e instrumentista. Com obras experimentais, transita entre ritmos e temas e amplia a sonoridade com instrumentos, equipamentos eletrônicos e colagens de fragmentos musicais.

Texto

Abrir módulo

Antônio José Santana Martins (Irará, Bahia, 1936). Compositor, cantor, arranjador e instrumentista. Com obras experimentais, transita entre ritmos e temas e amplia a sonoridade com instrumentos, equipamentos eletrônicos e colagens de fragmentos musicais.

Desenvolve o interesse pela música na prática de violão, canto e composição. Em 1960, apresenta “Rampa para o Fracasso”, canção de sua autoria, no programa Escada para o Sucesso, transmitido pela TV Itapoã. Em seguida, trabalha como diretor musical do Centro Popular de Cultura (CPC), organização ligada à União Nacional dos Estudantes (UNE) de Salvador, e intensifica a crítica política de suas canções. Após o fechamento do CPC, em 1964, estuda na Escola de Música da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e tem aulas com o alemão Hans-Joachim Koellreutter (1915-2005) e os suíços Ernst Widmer (1927-1990) e Walter Smetak (1913-1984).

A identificação do público com o tema de “Rampa para o Fracasso”, baseada na colagem de fragmentos de notícias impressas nos jornais de Salvador, associada à performance cômica, leva a novas apresentações na televisão. Em 1965, grava “Maria do Colégio da Bahia”, inspirada no jornalismo sobre temas do cotidiano. Nela, a crônica e o estilo vocal aproximam Tom Zé de Juca Chaves (1938), conhecido no anos 1960 por obras com temas políticos e sociais brasileiros.

Ainda em 1965, participa com a música “Cachorro do Inglês” [composta com Chico Assis (1933-2015)] do espetáculo Arena Canta Bahia, dirigido por Augusto Boal (1931-2009). Em 1968,  vence o 4º Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, com a canção “São, São Paulo”. No festival, também conquista o quarto lugar com a composição “2001” [parceria com Rita Lee (1947)].

No mesmo ano, muda-se para São Paulo e, por insistência de Caetano Veloso (1942), adere ao movimento tropicalista. Envolve-se na produção do disco Tropicália ou Panis et Circencis (1968), para o qual grava “Parque Industrial”, com a participação de Gilberto Gil (1942). A canção questiona o capitalismo como meio de redenção do Brasil e o consumo como via para a felicidade. Seu primeiro LP, Grande Liquidação (1968), aprofunda essa crítica em “Sem Entrada e Sem Mais Nada” e “Sabor de Burrice”.

A partir de 1969, rompe com o tradicional processo de composição (criação de melodia, letra e acompanhamento harmônico) e cria aleatoriamente fragmentos musicais com diferentes perfis rítmico-melódicos e instrumentos. Durante o processo, grava e repete esses módulos musicais ao longo da composição, procedimento conhecido como ostinato. Depois, sobrepõe os ostinatos em uma espécie de coral ritmicamente complexo. Só então são acrescentadas letra e melodia.

Ensaia esse procedimento nos primeiros discos, nas canções “Jimmy, Renda-se” (1970) e “O Sândalo” (1972). A técnica ganha mais espaço no disco Todos os Olhos (1973), em “Complexo de Épico” e “Cademar” e consolida-se em Estudando o Samba (1976). Neste álbum, em “Mã”, fragmentos vocais que repetem sílabas sem significado e frases como "Batiza esse neném" ou "Batizado bom" são sobrepostos a ostinatos de diversos instrumentos. Em “Toc”, acrescentam-se sons de máquinas de escrever e de outros aparelhos.

Esse estilo de composição, inusitado para o Brasil da época, contribui para o isolamento de Tom Zé por 17 anos. Em 1990, o artista é "redescoberto" pelo músico David Byrne (1952), que lança no mercado estadunidense e europeu os álbuns The Best of Tom Zé (1990) e The Hips of Tradition (1992). 

Nos anos 1990 e 2000, Tom Zé retoma os trabalhos de gravação e as turnês. Explora sua técnica de composição em duas trilhas sonoras para espetáculos do Grupo Corpo: Parabelo (1997) e Santagustin (2002), parcerias com José Miguel Wisnik (1948) e Gilberto Assis (1961), respectivamente. Essa experimentação dialoga com a popularização do sampling digital1

O tema da citação de outras gravações é central em Com Defeito de Fabricação (1998), no qual defende o plágio com bom humor. Isso também explica a existência do "CD auxiliar" em Jogos de Armar, que traz cada um dos módulos musicais utilizados no disco principal, disponibilizados como fontes para novas colagens. Em 2006, o diálogo com DJs, artistas e público da música eletrônica se intensifica com Danç-Êh-Sá – Dança dos Herdeiros do Sacrifício.

Em 2008, lança Estudando a Bossa, com composições suas sobre a história da Bossa Nova e dos anos 1950 no Brasil, e Pirulito da Ciência (2009), retrospectiva de sua carreira, com produção de Charles Gavin (1960). Em 2010, é lançada nos Estados Unidos Studies of Tom Zé – Explaining Things So I Can Confuse You, caixa com reedições de seus discos. 

Em 2016, lança Canções Eróticas de Ninar, disco que traça a relação do artista com os “assuntos do sexo” embalados por ritmos dançantes. Segundo ele, há preocupação para não reproduzir a agressividade à mulher, comum no trato de temas sexuais.

No ano seguinte, lança Sem Você Não A, mais dedicado ao público infantil. Construído em forma de fábula, em parceira com o artista plástico Elifas Andreato (1946), o disco conta as aventuras do alfabeto, da curiosidade e do silêncio, ampliando as descobertas da infância.

Tom Zé transita em experimentações durante toda a carreira, seja nos arranjos musicais ou nas temáticas poéticas. Suas obras atualizam o exercício de ouvir do público, enquanto estudam possibilidades musicais e reinventam sua própria carreira.

Nota


1. Dispositivo utilizado por DJs e produtores musicais para combinar trechos de gravações de outros artistas

Obras 2

Abrir módulo

Espetáculos 2

Abrir módulo

Espetáculos de dança 2

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Shows musicais 3

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Tom Zé – Série Cada Voz (2019)
Nesse vídeo, Tom Zé recupera memórias da infância para contar o início de sua jornada na música. O desejo de ser amado, o complexo de inferioridade e sua incursão pela psicanálise, trazem um perfil mais íntimo do cantor e compositor.

A Enciclopédia Itaú Cultural produz a série Cada Voz, em que personalidades da arte e cultura brasileiras são entrevistadas pelo fotógrafo Marcus Leoni. A série incorpora aspectos de suas trajetórias profissionais e pessoais, trazendo ao público um olhar próximo e sensível dos artistas.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Produção de conteúdo: Camila Nader
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Produção audiovisual: Letícia Santos
Edição de conteúdo acessível: Richner Allan
Direção, edição e fotografia: Marcus Leoni
Assistência e montagem: Renata Willig
Tom Zé - Série Encontra - Arte 1 (2019)
Tom Zé e a esposa, Neusa, recebem Gisele Kato na casa deles. Alguns dos assuntos que passam de forma bem humorada são a presença da música no cotidiano, a experiência com a psicanálise, o que é a coragem e o medo e como é olhar para os dois.

No estúdio, o artista mostra seu “berçário de analfotóteles”, fala sobre envelhecer e a relação com Gil e Caetano, companheiros da música e da chegada aos 1980 anos.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Tauana Carlier

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • AMARAL, Cláudio J. T. et. al. Entrevista risonha e franca - Tom Zé: o gênio de Irará, Caros Amigos, São Paulo, 1999. Disponível em: <http://www.tomze.com.br/ent5.htm>. Acesso em: 15 set. 2010. Acesso em: 15 set. 2010.
  • CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Ed. 34, 1997. 336 p. (Coleção Todos os Cantos).
  • ESTADÃO Conteúdo. Tom Zé lança ‘Sem Você não A’, com letras de Elifas Andrato. Hoje em dia, Belo Horizonte, 29 out. 2017. Disponível em: < https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/tom-z%C3%A9-lan%C3%A7a-sem-voc%C3%AA-n%C3%A3o-a-com-letras-de-elifas-andreato-1.570057 >. Acesso em: 22 mar. 2019
  • GALLO, Carla. Tom Zé, ou quem irá colocar uma dinamite na cabeça do século? São Paulo, 2000. 1 DVD, (48 min.), son., color.
  • LICHOTE. Leonardo. Aos 80 anos, Tom Zé lança ‘Canções eróticas de ninar’. O Globo, Rio de Janeiro, 12 set. 2016.Cultura. Disponível em: < https://oglobo.globo.com/cultura/musica/aos-80-anos-tom-ze-lanca-cancoes-eroticas-de-ninar-20090950 >. Acesso em: 22 mar. 2019
  • MATOS JR, Decio. Fabricando Tom Zé. São Paulo, 2007. 1 DVD, (89 min.), son., color.
  • PALUMBO, Patrícia. Vozes do Brasil 2. 1. ed. São Paulo: Editora DBA, 2007. 204 p., il. p&b.
  • SANCHES, Pedro Alexandre. Pós-David Byrne, Tom Zé volta aos braços do Brasil, Folha de São Paulo, São Paulo, s/d. Disponível em: <2010.http://www.tomze.com.br/ent7.htm>. Acesso em: 15 set. 2010. Acesso em: 15 set. 2010.
  • SILVA, Graccho Silvio Braz Peixoto da. Tom Zé: O defeito como potência; a canção, o corpo, a mídia. 135 f. Dissertação. (Mestrado em Comunicação e Semiótica) ? Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universitária Católica de São Paulo, São Paulo. Disponível em: <http://www.sapientia.pucsp.br/tde_arquivos/1/TDE-2005-04-12T13:11:22Z-468/Publico/GracchoSilva.pdf> Acesso em: 10 set. 2010. Acesso em: 10 set. 2010.
  • ZÉ, Tom. Tropicalismo lenta luta. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2009. 311 p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: