Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Ronaldo Bôscoli

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.10.2020
1928 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1994 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Ronaldo Fernando Esquerdo Bôscoli (Rio de Janeiro, 1928-1994). Jornalista, compositor e produtor musical. É descendente da compositora Chiquinha Gonzaga, dos teatrólogos Jardel Jércolis e Geysa Bôscoli, primo de Jardel Filho e de Bibi Ferreira. Durante a infância e juventude reside na zona sul do Rio de Janeiro. Em 1951, trabalha no Diário da No...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ronaldo Fernando Esquerdo Bôscoli (Rio de Janeiro, 1928-1994). Jornalista, compositor e produtor musical. É descendente da compositora Chiquinha Gonzaga, dos teatrólogos Jardel Jércolis e Geysa Bôscoli, primo de Jardel Filho e de Bibi Ferreira. Durante a infância e juventude reside na zona sul do Rio de Janeiro. Em 1951, trabalha no Diário da Noite como jornalista esportivo, em seguida no jornal Última Hora, na Manchete Esportiva e na revista Manchete. Sua irmã Lila Bôscoli casa-se com Vinicius de Moraes, com quem colabora na montagem do espetáculo Orfeu da Conceição, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1956.

Reúne-se com amigos para ouvir e tocar música no apartamento de Nara Leão, na Avenida Atlântica, em Copacabana. Em 1957, compõe sua primeira parceria com Carlos Lyra, a canção Se É Tarde me Perdoa e, em dupla com Oscar Castro Neves, Não Faz Assim. João Gilberto vai residir no apartamento de Bôscoli e Chico Feitosa.

Em 1959, Bôscoli participa do show no Grupo Universitário Hebraico, no Flamengo, juntamente com Sylvia Telles, Carlos Lyra, Roberto Menescal e Luiz Eça. Essa apresentação é anunciada como uma noite em que Sylvinha Telles e um grupo bossa nova apresentam sambas modernos.  A partir desse show, Bôscoli decide encampar o rótulo e propagar o movimento que surge com o nome bossa nova. Nesse ano, tem suas primeiras composições gravadas: o samba Sente, parceria com Chico Feitosa, que é incluído no LP Ooooooooh Norma, de Norma Bengell; e os sambas Lobo Bobo e Saudade Fez um Samba, parcerias com Carlos Lyra, que são interpretadas por João Gilberto no LP Chega de Saudade. No ano seguinte, organiza o show A Noite do Amor, do Sorriso e da Flor, na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Urca. Também em 1960, tem Jura de Pombo gravada por Alaíde Costa. É sua primeira parceria com Roberto Menescal, com quem assina a parte mais significativa de sua obra como letrista.

Em 1961, o samba O Barquinho, parceria com Menescal, é gravado no LP homônimo de Maysa e também por João Gilberto em seu terceiro disco de fundação da bossa nova. Participa da turnê nacional e internacional de divulgação do disco, juntamente com Menescal, Luiz Carlos Vinhas, Luiz Eça, Hélcio e Bebeto. Esses três últimos músicos vêm a formar o Tamba Trio.

Em parceria com Luiz Carlos Miéle, produz shows de diversos artistas no Little Club e nas boates do Beco das Garrafas, em Copacabana. Em suas memórias, Bôscoli destaca as apresentações de Elis Regina, Sérgio Mendes, Pery Ribeiro, Leny Andrade, Claudete Soares, Tamba Trio, Antônio Adolfo e Darlene Glória. Ao longo da década de 1960, Bôscoli e Miéle produzem a turnê europeia de Wilson Simonal e Luiz Carlos Vinhas. Em 1970, a dupla dirige o espetáculo que reúne Sarah Vaughan e Wilson Simonal no Teatro Tuca, em São Paulo. Bôscoli produz alguns LPs de Elis Regina, com quem permanece casado entre 1967 e 1972. O filho do casal, João Marcelo Bôscoli, torna-se músico e produtor musical.

 

Comentário crítico

Ronaldo Bôscoli, devido a seu trabalho como crítico musical no jornal A Última Hora e na revista Manchete, atua na divulgação da bossa nova. Compõem algumas obras relevantes que são gravadas pelos bossanovistas, tais como O Barquinho e Você (ambas com Menescal) e Lobo Bobo (com Carlos Lyra). Entre as músicas menos conhecidas está Mamadeira Atonal, parceria com Mário Castro Neves e só gravada em 2004, pelo próprio Neves. Bôscoli a interpreta em 1959, no I Festival de Samba-Session, que ocorre no anfiteatro da Faculdade Nacional de Arquitetura do Rio de Janeiro.

Participa e organiza as primeiras apresentações dos músicos adeptos à bossa nova. As reuniões nas casas e apartamentos da zona sul carioca são frequentadas por músicos e compositores que prestigiam os jovens ligados ao gênero, entre os quais Ary Barroso, que elogia a musicalidade e as letras modernas que tratam de um tradicional tema, o amor. Assim como muitos outros jovens de sua faixa etária ou mais novos, Ronaldo Bôscoli não aprecia vários dos sambas-canção de Antônio Maria (como Ninguém me Ama ou Se Eu Morresse Amanhã de Manhã) e de Lupicínio Rodrigues (como Vingança e Loucura), que tem como característica a interpretação grandiloquente. Com a  criação da bossa nova, as músicas ganham um novo tipo de interpretação, mais intimista. Contudo, Bôscoli admira a obra de Ary Barroso e Dorival Caymmi, Newton Mendonça e Billy Blanco, assim como algumas composições de Dolores Duran.

Em suas memórias, Bôscoli afirma que seu processo de composição é uma combinação de intuição, facilidade de rimar e bagagem literária. Assumidamente boêmio, várias de suas obras são compostas nas noites cariocas com acompanhamento de doses de whisky.

O samba Lobo Bobo, composto com Carlos Lyra, ocupa pouco mais de um minuto no LP Chega de Saudade (1959), de João Gilberto. Pouco depois Silvia Telles e Alaíde Costa gravam essa faixa. A música é inspirada no tema de O Gordo e o Magro, de Stan Laurel e Olivier Hardy, e a letra brinca com a fábula de Chapeuzinho Vermelho. O lobo é o próprio Bôscoli e a Chapeuzinho é Nara Leão, sua namorada na época.   

A letra e música do samba O Barquinho são compostas nas viagens que Menescal e Bôscoli fazem para Cabo Frio e Arraial do Cabo, onde praticam pesca submarina. O barquinho é uma traineira alugada para os passeios pelo litoral fluminense. Menescal e Bôscoli contam que o barqueiro não acredita que eles eram artistas de rádio. Esse samba é interpretado por João Gilberto no disco João Gilberto (1961), gravado com a regência de Tom Jobim. Uma das principais gravações é a de Maysa no LP O Barquinho (1961).

Bôscoli também se destaca na produção de shows e discos de vários artistas, influenciando alguns de forma marcante. Na década de 1970, Roberto Carlos convida Bôscoli e Miéle para dirigir seu show no Canecão (Rio de Janeiro). Por ideia da dupla, incluem uma banda sob regência de Chiquinho de Moraes. A apresentação tem grande êxito e o cantor passa a se apresentar com a banda, em lugar do conjunto RC4 que o acompanhava. Desde então, Bôscoli e Miéle produzem sua carreira, transformando-o de ícone da jovem guarda para um dos mais importantes cantores românticos do Brasil. A parceria dura mais de vinte anos e inclui a realização do especial de fim de ano exibido pela TV Globo.

A atuação de Bôscoli e Miéle na produção de programas televisivos é uma importante contribuição para história da música brasileira e sua difusão, já que a veicula no que seria o principal veículo de comunicação de massa do país, sobretudo a partir das décadas de 1960 e 1970. Na TV Record, a dupla dirige o programa O Fino da Bossa, com Elis Regina e Jair Rodrigues, que recebe convidados para duetos e apresentações solo. A convite de Carlos Manga, a dupla trabalha na produção dos programas Dois no BalançoSe meu Apartamento FalasseRio ReiOs 7 Pecados e Musical em Bossa 9, todos na TV Excelsior.

Em 1965, logo após a criação da TV Globo, são contratados pela emissora. Produzem os programas Alô, Dolly, com números musicais de Hilton Prado, Márcia de Windsor, Marli Tavares, Darlene Glória e arranjos de Eumir Deodato; Dick & Betty 17, com Dick Farney e Betty Faria; e Um Cantor por Dez Milhões, Dez Milhões por uma Canção, um programa de atrações e também concurso musical. Na década de 1970, participam da criação e produção de programas como Fantástico e musicais, como Elis Especial, Vinicius para Crianças e A Arca de Noé.

Na década de 1970, Ronaldo Bôscoli e Luiz Carlos Miéle se destacam na direção artística de duas casas noturnas relevantes no meio cultural das duas principais cidades do Brasil. No Rio de Janeiro, assumem a Monsuer Pujol, onde se apresentam Dionne Warwick, Burt Bacharach, Elis Regina, Wilson Simonal, Ivan Lins, Stevie Wonder e o mímico francês Marcel Marceau. Lá também são feitas e as primeiras apresentações do grupo Dzi Croquettes, sob direção de Lennie Dale. Em São Paulo, a dupla dirige a programação da Blow Up, onde Maria Bethânia e Dale se apresentam juntos. 

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ARAÚJO, Paulo Cesar de. Roberto Carlos em detalhes. São Paulo: Editora Planeta, 2006.
  • CASTRO, Ruy. Chega de Saudade: a história e as histórias da bossa nova. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • FONTE, Bruna. O barquinho vai... Roberto Menescal e suas histórias. São Paulo: Irmãos Vitale, 2010.
  • MACIEL, Luiz Carlos; CHAVES, Ângela. Eles e eu: memórias de Ronaldo Bôscoli. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.
  • RONALDO Boscoli. Site oficial do artista. Disponível em: http://www.ronaldoboscoli.com.br/. Acesso em: 14 out. 2011.
  • RONALDO Boscoli. Verbete no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Disponível em: http://www.dicionariompb.com.br/ronaldoboscoli (Dicionário Cravo Albin). Acesso em: 30 set. 2011.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 2: 1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. (Coleção Ouvido Musical).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: