Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Silviano Santiago

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.11.2020
29.09.1936 Brasil / Minas Gerais / Formiga
Silviano Santiago (Formiga, Minas Gerais, 1936). Ensaísta, romancista, crítico, contista e poeta. Sua obra caracteriza-se pela diversidade de gêneros com que o autor exerce sua produção intelectual e criativa, bem como pelo modo singular como as questões pertinentes a cada gênero influenciam-se mutuamente. Dessa forma, reflexões filosóficas, pro...

Texto

Abrir módulo

Silviano Santiago (Formiga, Minas Gerais, 1936). Ensaísta, romancista, crítico, contista e poeta. Sua obra caracteriza-se pela diversidade de gêneros com que o autor exerce sua produção intelectual e criativa, bem como pelo modo singular como as questões pertinentes a cada gênero influenciam-se mutuamente. Dessa forma, reflexões filosóficas, propostas político-culturais e elementos formais e estéticos perpassam tanto sua produção crítica como sua produção artística.

Passa a infância em sua cidade natal, em 1948 é aprovado no exame de admissão do Colégio Estadual de Minas Gerais e transfere-se para Belo Horizonte. Em 1952, frequenta o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC) e conhece um de seus fundadores, o poeta Jacques do Prado Brandão (1924-2007), que se torna seu mentor intelectual. Nos anos seguintes, contribui com resenhas para a Revista de Cinema e idealiza a revista Complemento. Ingressa no curso de letras da Universidade de Minas Gerais (UMG) em 1957. No ano seguinte, torna-se secretário da companhia de balé de Klauss Vianna (1928-1992) e Angel Vianna (1928)

Tem seus primeiros textos publicados no livro 4 Poetas (1960), em parceria com Affonso Romano de Sant’Anna (1937), Domingos Muchon e Teresinha Alves Pereira (1934). Nesses poemas, Silviano já demonstra uma grande preocupação formal e certa tendência a uma poética menos emotiva. No mesmo ano, muda-se para o Rio de Janeiro, com o objetivo de se especializar nos estudos de literatura francesa. Logo depois, recebe uma bolsa do governo francês para fazer doutorado na Universidade de Sorbonne. Durante as décadas de 1960 e 1970, atua como professor visitante em universidades de diversos países. Em 1974, é nomeado professor-associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Sua carreira acadêmica tem continuidade como pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Em 1978, lança O Entre-lugar do Discurso Latino-Americano, um de seus mais importantes textos críticos, e o livro de poemas Crescendo Durante a Guerra numa Província Ultramarina. A confluência das relações entre política, pensamento crítico e fazer poético, que caracterizam a produção de Silviano Santiago, pode ser observada em ambas as obras, em que questões históricas e socioculturais referentes à sociedade brasileira no período da ditadura militar são examinadas.

Do mesmo modo, seus estudos sobre ficção, influenciados pelo filósofo francês Jacques Derrida (1930-2004), associados às pesquisas sobre o modernismo brasileiro, reverberam no romance Em Liberdade (1981), um “falso diário” do romancista Graciliano Ramos (1892-1953). Segundo o crítico norte-americano David Jackson, esse romance é um exemplar da criação artística pós-moderna: a reprodução do real por meio da simulação do discurso, subvertendo as relações entre história e invenção.

As fronteiras tênues entre realidade e ficção, importante componente dos livros de Santiago, revelam-se ainda de outra maneira. Numa experiência descrita como autoficcional, sua literatura se alimenta de dados autobiográficos, ou seja, de elementos alçados da memória, que estimulam o autor a produzir obras com “sinceridade” e “verdade poética”. Em suas palavras: “Os dados autobiográficos servem de alicerce na hora de idealizar e compor meus escritos e, eventualmente, podem servir ao leitor para explicá-los. Traduzem o contato reflexivo da subjetividade criadora com os fatos da realidade que me condicionam e os da existência que me conformam”1. É o que se observa em O Falso Mentiroso (2004) e Histórias Mal Contadas (2005).

Na obra literária de Silviano Santiago, as atividades de crítico e de estudioso dialogam com os procedimentos artísticos de criação. Nesse sentido, uma obra como As Raízes e o Labirinto da América Latina (2006) torna-se paradigmática. Ela retoma questões de seu interesse desde a década de 1970 e reavalia obras seminais do historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) e do poeta mexicano Octavio Paz (1914-1998). O livro mescla uma “narrativa pós-moderna” com uma reflexão ensaística para pensar a nova configuração da América Latina no panorama global do século XXI. Em 2015, o autor vence o Prêmio Oceanos de melhor obra do ano com o romance Mil Rosas Roubadas (2014). 

Com uma obra amplamente reconhecida pela crítica, Silviano Santiago possui extensa produção intelectual como ensaísta, romancista e poeta, na qual constantemente subverte os limites entre gêneros literários e entre realidade e ficção. 

Nota

1. Trecho de palestra escrita por Silviano Santiago, apresentada na sede do Sesc, em Copacabana, em 2007. In: SANTIAGO, Silviano. Meditação sobre o ofício de criar. Palestra apresentada no Rio de Janeiro. Revista Aletria: revista de estudos de literatura. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, v. 18, p. 173-179,  jul./dez. 2008.

Debates 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CUNHA, Eneida Leal (org.). Leituras críticas sobre Silviano Santiago. Belo Horizonte: Ed. UFMG; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2008.
  • JACKSON, K. David. O cárcere da memória: em liberdade, de Silviano Santiago. In: Travessia. Publicação do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, n. 22, p. 28-40, 1991. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/travessia/article/view/17180/15747. Acesso em: 18 set. 2012.
  • MIRANDA, Wander Melo. Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: EDUSP; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1992.
  • SANTIAGO, Silviano. Meditação sobre o ofício de criar. Palestra apresentada no Rio de Janeiro. In: Revista Aletria: revista de estudos de literatura. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, v. 18, p.173-179, jul./dez. 2008.
  • SANTIAGO, Silviano. O entre-lugar do discurso latino-americano. In: SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.
  • SOUZA, Eneida Maria de; MIRANDA, Wander Melo (org.). Navegar é preciso, viver: escritos para Silviano Santiago. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Salvador: Edufba; Niterói: Eduff, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: