Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Maria Tereza Louro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1963 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Água, Luz. Ela., 1998
Maria Tereza Louro
Lápis e têmpera acrílica sobre tecido
140,00 cm x 200,00 cm

Maria Tereza Figueiredo das Neves Louro (São Paulo SP 1963). Artista plástica, desenhista, pintora, professora. Entre 1981 e 1984, freqüenta o curso de artes plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado - Faap, em São Paulo. Expõe pela primeira vez em 1985, na coletiva 5 a 5, na Pinacoteca do Estado de São Paulo - Pesp. Participa, em 1989, da ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Maria Tereza Figueiredo das Neves Louro (São Paulo SP 1963). Artista plástica, desenhista, pintora, professora. Entre 1981 e 1984, freqüenta o curso de artes plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado - Faap, em São Paulo. Expõe pela primeira vez em 1985, na coletiva 5 a 5, na Pinacoteca do Estado de São Paulo - Pesp. Participa, em 1989, da 20ª Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Havana. Em 1990, realiza suas primeiras exposições individuais na Galeria Sesc Paulista e na Pesp, em São Paulo. Obtém premiações no Salão Nacional de Arte de Brasília, Distrito Federal, e na Bienal Nacional de Santos, São Paulo, em 1991. No ano seguinte, é premiada na Trienal de Osaka, Japão. Participa da Bienal de Cuenca, Equador, em 1996. Em 1998, recebe o Prêmio Jabuti na categoria infanto-juvenil pelo projeto gráfico do livro Maria Martins: Mistério das Formas, de Katia Canton (1963), editado pela Editora Paulinas em parceria com o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo - MAC/USP. Em 2001, conclui mestrado em desenho e história da arte na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP. Leciona desenho no curso de artes plásticas da Faap.

Comentário Crítico
O desenho é o meio de expressão escolhido por Maria Tereza Louro para tratar de assuntos tradicionais: a figura humana, a natureza-morta e a paisagem. Como nota a crítica de arte Rejane Cintrão, os desenhos revelam seu cotidiano afetivo: ela representa não só pessoas conhecidas, mas também elementos da natureza, como plantas, frutas e animais, além de portas e casas.

No início dos anos 1990, Maria Tereza Louro expõe desenhos de grandes dimensões, em que parte da observação de um minúsculo peixe. Como aponta o crítico de arte Agnaldo Farias, o motivo é ampliado até atingir as dimensões de uma paisagem, e a artista emprega linhas grossas construídas por gestos largos. Em outras obras, o fragmento da natureza observado é mais extenso, como na série inspirada no paredão verde da Serra do Mar, de cujo cimo cai a linha metálica dos dutos de óleo que se ligam à Usina de Cubatão.

Ainda segunto o crítico, suas obras freqüentemente transbordam para o território da abstração. Por isso não se pode dizer ao certo do que tratam os desenhos: imagens ou idéias, representações ou signos, "coisa traduzida em linhas e manchas ou linhas e manchas tornadas coisas." Em produção exposta em 2002, apresenta paisagens inspiradas no contato com a natureza em viagens realizadas a regiões montanhosas do Sudeste brasileiro e ao litoral norte de São Paulo, e também na observação da vegetação do quintal de sua casa.

Obras 1

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Água, Luz. Ela.

Lápis e têmpera acrílica sobre tecido

Exposições 54

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 17

Abrir módulo
  • AVESSO do avesso. Curadoria Sérgio Pizoli. São Paulo: Paço das Artes, 1996.
  • BIENAL NACIONAL DE SANTOS, 4., 1993, Santos, SP. 4ª Bienal Nacional de Santos: artes visuais. Santos: Prefeitura Municipal, 1993.
  • BRAZILIANART Book VI: livro de arte brasileira. Curadoria Nair Barbosa Lima; versão em inglês John Norman, Thomas William Nerney. São Paulo: JC Editora, 2005.
  • CINCO a cinco. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1984. 9 lâms., il. p&b.
  • CINTRÃO, Rejane (Coord.). Arte brasileira sobre papel na coleção do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Tradução Izabel Murat Burbridge. Apresentação Tadeu Chiarelli. São Paulo: MAM, 1999. [48] p., il. color.
  • EXPOSIÇÕES: coletiva e individuais simultâneas. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1990. , il. p&b.
  • FONSECA, Marcia Molina (coord.). Lugar de encontros: Amelia Toledo entre nós. Curadoria e texto Elisabeth Leone. São Paulo: UNICID, 2003. [24] p., il. p&b. color.
  • LOURO, Maria Tereza. Entre dois, duas. Una. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 2002.
  • LOURO, Maria Tereza. Maria Tereza Louro. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 1999.
  • LOURO, Maria Tereza. Maria Tereza Louro. Texto Rejane Cintrão, Maria Alice Milliet. Cuenca: Museo de Arte Moderno, 1997. s.p. il., foto color.
  • MICHELON, Neuter (coord.). Habitar. Curadoria Vitória Daniela Bousso. São Paulo: Caixa Econômica Federal, 1996.
  • PAISAGENS. Tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Galeria São Paulo, 1994. il. color.
  • QUE buraco é este aí, meus filhos? São Paulo: Galeria SESC Paulista, 1990. 1 il. p.b.
  • SALÃO ARTE PARÁ, 13., 1994, Belém. Décimo Terceiro Arte Pará. Curadoria Karin Stempel, João Mercês, Paulo Herkenhoff. Belém: Fundação Romulo Maiorana, 1994. Disponível em: http://www.frmaiorana.org.br/1994/1994.pdf.
  • SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS, 15. , 1995, Rio de Janeiro, RJ. 15º Salão Nacional de Artes Plásticas. Rio de Janeiro: Funarte, 1995.
  • SALÃO NACIONAL VICTOR MEIRELLES, 5., 1997, Florianópolis, SC. 5º Salão Nacional Victor Meirelles. Curadoria Charles Narloch. Florianópolis: MASC, 1997.
  • TERESA Louro e Arturo Condomí Alcorta / Genilson Soares: desenho e pintura / Luzes e reflexos na ciografia da tarde. São Paulo: Paço das Artes, 1989. il. p.b. color., fot.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: