Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Capiba

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.11.2015
28.10.1904 Brasil / Pernambuco / Surubim
31.12.1997 Brasil / Pernambuco / Recife
Lourenço da Fonseca Barbosa (Surubim PE 1904 - Recife PE 1997). Compositor e instrumentista. Pouco depois de seu nascimento, a família muda-se para a capital Recife, onde Capiba integra com o pai, o maestro Severino Atanásio de Souza Barbosa (seu professor de música), e os 11 irmãos a banda Lira de Borborema. Com 8 anos, toca trompa e se apresen...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Lourenço da Fonseca Barbosa (Surubim PE 1904 - Recife PE 1997). Compositor e instrumentista. Pouco depois de seu nascimento, a família muda-se para a capital Recife, onde Capiba integra com o pai, o maestro Severino Atanásio de Souza Barbosa (seu professor de música), e os 11 irmãos a banda Lira de Borborema. Com 8 anos, toca trompa e se apresenta em saraus e festas. Nessa época, herda do avô o apelido "Capiba", que no Nordeste significa jumento teimoso. Em 1920, morando na Paraíba, apaixona-se pelo futebol e joga profissionalmente no time do América e do Campinense. Aos 16 anos, aprende rapidamente um punhado de valsas com o pai e é contratado como pianista do Cine Fox de Campina Grande em substituição à irmã Josefa.

Numa tentativa de afastá-lo do esporte e da música para dedicar-se aos estudos, a família manda Capiba para João Pessoa, e o matricula no Liceu Pernambucano. Na capital paraibana, trabalha acompanhando projeções de filmes do cinema mudo e torna-se amigo do empresário e cônsul da Holanda Oliver von Sohsten, fundador da Rádio Clube da Paraíba e da Orquestra Tabajara, uma das mais famosas do Brasil. Com o amigo, monta e dirige orquestras que se apresentam no Carnaval.

Em 1930 passa em concurso para o Banco do Brasil e é nomeado para trabalhar no Recife. Funda a Jazz Band Acadêmica, formada por estudantes universitários, e a convivência com os acadêmicos faz com que Capiba se interesse por advocacia e, em 1932, é aprovado para cursar a Faculdade de Direito do Recife. Afasta-se da música por problemas de saúde. Recuperado, em 1949 tem uma importante experiência e aprendizado ao tornar-se amigo e aluno do maestro Guerra-Peixe, que vai a Pernambuco trabalhar na Rádio Jornal do Commercio e pesquisar música nordestina. Com o maestro estuda harmonia e composição erudita.

Nas décadas de 1950 e 1960, Capiba faz música para peças de teatro, como A Pena e a Lei, de Ariano Suassuna; Mandrágora, de Maquiavel; Dom Perlimpim com Beliza em Seu Jardim, de Federico García Lorca; Cabra Cabriola, de Hermilo Borba Filho; O Coronel de Macambira, do poeta Joaquim Cardozo; e os poemas Garça Triste, de Castro Alves; Ismália, de Alphonsus de Guimaraens; e Cantiga do Mundo e do Amor, de Ariano Suassuna. Aposenta-se do Banco do Brasil em 1961, após trinta anos de serviço. Ainda na década de 1960, incentivado pela artista plástica Lidjane Bandeira, dedica-se ao hobby da pintura, ao mesmo tempo em que inscreve suas composições em festivais de música popular. Conquista o 5º lugar no 2º Festival Internacional da Canção, com a música São os do Norte que Vêm (1967), parceria com Ariano Suassuna.

No início dos anos 1970, é eleito patrono do Movimento Armorial, lançado no Recife por Ariano Suassuna, e recebe títulos de Cidadão Benemérito de Olinda, Recife e Campina Grande. Publica Capiba, o Livro das Ocorrências, em 1985. Morre no Recife, aos 93 anos.

 

Comentário Crítico

Personificação da música pernambucana, Capiba é considerado um dos mais importantes autores de frevo da história da música popular brasileira, ao lado do maestro Nelson Ferreira. Compõe quase uma centena de canções do gênero, até hoje cantadas nos carnavais de Olinda e do Recife, como Manda Embora Essa Tristeza, Quem Vai para Farol É o Bonde Olinda, Madeira que Cupim Não Rói (1963), Oh, Bela (1970) ou Linda Flor da Madrugada (1941). Desde muito cedo, Capiba demonstra musicalidade nas aulas teóricas ministradas pelo pai, orquestrador, arranjador, clarinetista e violinista. Versátil, também escreve sambas, valsas, polcas, guarânias, modinhas, tangos, missas, lundus, dobrados, maracatus, cocos, cirandas, marchas, choros e cantigas. Ele introduz o maracatu nos salões da conservadora sociedade recifense quando percebe que o ritmo pode ser transformado e ganhar nova roupagem. O arranjo do maracatu É de Tororó, de 1932, com Ascenso Ferreira, é inovador por substituir os tambores por metais.

Nos anos 1930, duas tragédias familiares são motivos de suas composições. A morte da mãe inspira os versos de Lágrimas de Mãe, sua primeira canção editada, enquanto o impacto da morte do irmão Tantão é transformado no frevo É de Amargar, muito cantado no Carnaval recifense de 1934. Nessa década, torna-se popularmente conhecido, com composições interpretadas por Mário Reis (É de Amargar), Almirante (Vou Cair no Frevo), Aracy de Almeida (Manda Embora Essa Tristeza), Carlos Galhardo (Os Melhores Dias da Minha Vida), Francisco Alves (Julia) e Cyro Monteiro (Gosto de Te Ver Cantando). Sua marca registrada é quase sempre o frevo-canção, estilo que domina com maestria, ao contrário do frevo de bloco ou do frevo de rua, mais característicos da produção de Nelson Ferreira.

Composta originalmente para a peça teatral Senhor de Engenho, do conterrâneo Mário Sette, sua canção Maria Bethânia ganha o Brasil na voz de Nelson Gonçalves, em 1944. Um clássico na história da música popular que incentiva os brasileiros a batizarem suas filhas com esse nome, como é o caso da cantora baiana Maria Bethânia, irmã de Caetano Veloso.

A amizade com o maestro Guerra-Peixe é marcante em sua trajetória e produtiva para ambos. Estudioso da música brasileira, Guerra-Peixe encontra no Recife da virada da década de 1940 farto material de trabalho. Contratado como arranjador na Rádio Jornal do Commercio, é tomado por grande curiosidade de conhecer melhor o folclore brasileiro. Vizinho de Capiba na cidade, classifica-o como "nosso compositor de música popular mais completo", observa seus propósitos e realizações e louva a capacidade de o pernambucano conseguir renovar-se constantemente sem nunca perder suas características provincianas. Com o maestro, Capiba aprende composição e harmonia e, inspirado por seus ensinamentos, compõe duas peças para piano, Instantâneo Número 1 e Instantâneo Número 2, e uma peça para flauta solo em dois movimentos, dedicada ao flautista argentino Esteban Eitler, executada pelo próprio flautista no Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e França.

A partir da década de 1950, a obra de Capiba é marcada também pela produção de sambas, como Cais do Porto, Carro de Boi, Olinda, Cidade Eterna e Recife, Cidade Lendária. A valsa Serenata Suburbana é gravada em forma de guarânia pelo Duo Guarujá, em 1960, e com essa nova roupagem torna-se constante no repertório de grupos e conjuntos vocais do Paraguai, Chile e Peru. Dois anos mais tarde, compõe o samba-canção A Mesma Rosa Amarela (parceria com o poeta Carlos Pena Filho), conhecido nacionalmente na voz da cantora Maysa. A música ganha dezenas de regravações, entre elas a de Claudionor Germano, um de seus maiores intérpretes, Conjunto Farroupilha, Jair Rodrigues e Paulinho Nogueira. Como Capiba é tátaro, isto é, troca o c pelo t, e tem péssima dicção, não se arrisca a cantar em público. No decorrer dos anos, faz parceria com poetas brasileiros como Manuel Bandeira (Cotovia), Vinicius de Moraes (Soneto da Felicidade) e Ariano Suassuna (São os do Norte que Vêm).

Capiba é descrito como o "Caymmi pernambucano" pelo violonista Raphael Rabello, cujo derradeiro álbum, Mestre Capiba por Raphael Rabello e Convidados, gravado em 1995, mas lançado em 2002, é um tributo a sua obra.

Na década de 1960, Capiba começa a pintar, produz dezenas de quadros voltados para o popular e o figurativo, de formas simples, com cenas folclóricas e motivos religiosos. Um de seus temas favoritos são as brigas de galo, muito populares no Nordeste. No início dos anos 1970, participa e torna-se patrono do Movimento Armorial, de Ariano Suassuna, que propunha criar uma arte culta com base na cultura popular.

Com a chegada dos trios elétricos, na década de 1990, Capiba decreta o fim do carnaval pernambucano. Crítico, classifica os ritmos baianos como "pura batucada" e elege como música de verdade o samba do Rio de Janeiro e o frevo de Pernambuco. Responsável por projetar o frevo para além das fronteiras de Pernambuco, é um artista de sucesso nacional, assim como o gaúcho Lupicínio Rodrigues, sem mudar-se para o eixo Rio-São Paulo. Ele elabora uma obra rica e inovadora, fora do formato tradicional do ritmo carnavalesco pernambucano.

Espetáculos 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira.
  • ARAÚJO, João; PEREIRA, Margarida; GOMES, Maria José. 100 anos de frevo: Uma viagem nostálgica com os mestres das evocações carnavalescas. Recife: Editora Baraúna, 2007.
  • AZEREDO, M.A. de (NIREZ) et AL. Discografia Brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1982.
  • BARBOSA, Lourenço da Fonseca. O Livro das Ocorrências. Recife FUNARPE, 1985.
  • CAMARA, Renato Phaelante da e BARRETO, Aldo Paes. Capiba é Frevo, Meu Bem. Rio de Janeiro, FUNARTE 1986.
  • LP Nova história da música popular brasileira. Capiba e Nelson Ferreira. Rio: Ed. Abril, 1978.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: