Artigo da seção pessoas Lamartine Babo

Lamartine Babo

Artigo da seção pessoas
Música  
Data de nascimento deLamartine Babo: 10-01-1904 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro) | Data de morte 16-06-1963 Local de morte: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Biografia

Lamartine de Azeredo Babo (Rio de Janeiro RJ 1904 - idem 1963). Compositor. Filho de Leopoldo de Azeredo Babo e Bernardina Gonçalves Babo, de família de classe média e certa tradição musical. Frequenta a escola, formando-se no Colégio Pedro II. Já experimenta nessa época algumas composições, como Pindorama (1915), o foxtrote Torturas de Amor (1917) e Ave Maria (1919), e cria a opereta Cibele, mesmo sem ter estudado música. Pretendia ingressar na Escola Politécnica, mas a morte do pai, em 1917, associada a outras dificuldades financeiras, obriga o jovem a desistir dos estudos e a trabalhar na Light (1920-1924).

Nesse período frequenta a boêmia carioca e revela sua vocação para o humor e a sátira. Escreve em revistas de costumes e humor como Dom Quixote (1928), dirigida por Bastos Tigre, e Paratodos (1924). Na trilha do humor, a partir de 1925 contribui para inúmeras revistas musicadas, além de arriscar a compor suas próprias peças. Dessa década até os anos 1930, torna-se assíduo e destacado compositor de teatro de revista, do qual tira seu sustento.

É quando conhece o compositor Eduardo Souto, que o apresenta ao universo dos ranchos e blocos carnavalescos, para o qual começa a compor. Inicia assim sua carreira como compositor de marchinhas, que o consagra na radiofonia, nos concursos e festas carnavalescos dos anos 1930. E fica conhecido como o novo Rei do Carnaval, com o sucesso de marchinhas como A.B.Surdo (1931) e A.E.I.O.U (1932) - ambas em parceria com Noel Rosa -, O Teu Cabelo Não Nega (1932), Linda Morena (1933), Marchinha do Grande Galo (1935), Grau Dez (1935), este com Ary Barroso, Cantores de Rádio, com Braguinha e Alberto Ribeiro (1936), Joujoux e Balangandãs (1939), Hino do Carnaval Brasileiro (1939). No fim da década compõe raramente para o Carnaval.

Em fins de 1929, inicia carreira radiofônica na Rádio Educadora com Ary Barroso, parceiro em sucessos como No Rancho Fundo (1931) e Grau Dez. Sua trajetória na rádio evolui e consolida-se a partir de seu primeiro programa, Horas Lamartinescas (1930-1933), no qual mistura piadas, sketches e musical. Apresenta inúmeros programas musicais em várias emissoras e, nos anos 1940, cria o Trem da Alegria, que se torna seu mais famoso e permanente programa. É nele que compõe os hinos para todos os times cariocas de futebol.

Os anos 1950 representam uma mudança em sua vida. Afasta-se da boêmia, dedica-se à militância da defesa dos direitos autorais na União Brasileira de Compositores (UBC), da qual se torna diretor e presidente em 1950, casa-se com Maria José, em 1951, e encerra a carreira radiofônica, com a morte, em 1956, de seu parceiro Héber de Bôscoli. Em 1958, faz sucesso com a marcha-rancho Os Rouxinóis, lançada também no disco Isto É Lamartine Babo - Os Rouxinóis (1963), pela gravadora Copacabana. No início de 1963 o empresário Carlos Machado elabora a produção do espetáculo O Teu Cabelo Não Nega, baseado na vida de Lamartine, que chega a frequentar alguns ensaios, mas sofre um infarto e falece em 16 de junho.

 

Comentário Crítico

A bibliografia da música popular trata de modo geral a vida e obra de Lamartine Babo, constituída por três tempos básicos e tradicionais: ascensão, apogeu e decadência. Assim, ela classifica linearmente as composições da juventude nos anos 1920, seguida pelo sucesso entre os anos 1930 e 1940 e o declínio e esquecimento em meados dos anos 1950, até sua morte, em 1963. Embora seja possível identificar essa dinâmica - que na realidade é a de quase todos os compositores de sua geração, com raras exceções -, ela é limitadora e empobrece a riqueza e a diversidade da trajetória desse artista popular que tem múltiplas características e variantes ocorrendo simultaneamente.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Lamartine Babo:

  • Outros nomes
    • Tom Mixto
    • Lamartine de Azeredo Babo
  • Habilidades
    • Poeta

Obras de Lamartine Babo: (3) obras disponíveis:

Exposições (2)

Fontes de pesquisa (10)

  • Acervo Instituto Moreira Salles. Disponível em:  http://ims.uol.com.br/ims/. Acesso em: 07 out. 2012.
  • ALENCAR, Edigar de, O carnaval carioca através da música, 3ª ed., RJ, Ed Francisco Alves, 1979.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Popular Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora,1977. 2 v.
  • MARIZ, Vasco. A canção Brasileira: erudita, folclórica, popular. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.
  • Nova História da Música Popular Brasileira, Lamartine Babo, SP, Editora Abril, 1977.
  • SANDRONI, Carlos. Feitiço decente. Transformações do samba no Rio de Janeiro (1917-1933). Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed./Ed.UFRJ, 2001.
  • TATIT, Luiz, O cancionista. Composição de canções no Brasil. SP, Edusp, 1996.
  • TINHORÃO, José Ramos, História social da música popular brasileira, SP, Ed 34, 1998.
  • VALENÇA, Suetônio Soares, Tra-la-lá. Lamartine Babo. RJ, 2ª ed., Ed. Velha Lapa/Banco Real, Funarte, 1989.
  • VASCONCELOS, Ary,. Panorama da música popular brasileira. RJ, Ed.Martins, 1965.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LAMARTINE Babo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa12268/lamartine-babo>. Acesso em: 12 de Abr. 2021. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7