Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Braguinha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.05.2020
29.03.1907 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
24.12.2006 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Braguinha, 1972

Carlos Alberto Ferreira Braga, Braguinha, João de Barro (Rio de Janeiro, RJ, 1907 - Idem, 2006). Compositor, cantor e produtor. É conhecido principalmente por suas marchinhas carnavalescas, mas também compôs músicas infantis, canções para festas juninas e sambas. Sua infância e adolescência são vividas no bairro de Vila Isabel, posteriormente, r...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Carlos Alberto Ferreira Braga, Braguinha, João de Barro (Rio de Janeiro, RJ, 1907 - Idem, 2006). Compositor, cantor e produtor. É conhecido principalmente por suas marchinhas carnavalescas, mas também compôs músicas infantis, canções para festas juninas e sambas. Sua infância e adolescência são vividas no bairro de Vila Isabel, posteriormente, reside na Gávea, em Botafogo e em Copacabana. Não tem instrução formal em música, aprende com Henrique Brito, um colega do Colégio Batista, noções básicas de violão. Com esse professor e mais três colegas formam um conjunto musical, cujas apresentações são realizadas no colégio, em clubes e casas de amigos. O milionário Eduardo Dale, diretor da casa Pratt, que vendia máquinas de escrever, vê o conjunto tocando no Colégio onde a filha estudava e os convida para tocar em sua residência, uma mansão que se chamava Flor do Tempo, nome que também, batiza o conjunto de Braguinha.

Posteriormente, Henrique Foréis Domingues, o Almirante, integra o Flor do Tempo, substituindo o pandeirista. A partir de 1929, o grupo se amplia e assume, por sugestão de Braguinha, o nome de Bando de Tangarás. Essa nova formação conta com Henrique Brito, Álvaro Miranda, Almirante, Noel Rosa e Carlos Braga. Braguinha propõe ainda que cada membro adote o nome de um pássaro, mas ele é o único que passa a usar o pseudônimo de João de Barro, que também é referência ao curso de Arquitetura, freqüentado por ele na Escola Nacional de Belas Artes e que abandona em 1931 para dedicar-se exclusivamente à música.

O Bando de Tangarás dura até 1933, e seus integrantes seguem em carreira solo ou passam a trabalhar com novos parceiros. O compositor começa a compor uma série de marchinhas carnavalescas. Em 1938, lança Pastorinhas, parceria com Noel Rosa, e Touradas em Madri e Yes! Nós Temos Banana, com Alberto Ribeiro , marchinhas que praticamente o consagram nesse gênero.

Apesar da variedade de parceiros, a partir de 1935, João de Barro compõe mais constantemente com Alberto Ribeiro da Vinha. Os dois se conhecem por intermédio do diretor da Loja Melodia, Vicente Mangione, a quem costumam apresentar suas composições. Por conta do convite de Mangione, ambos começam a trabalhar juntos para produções cinematográficas do americano Wallace Downey.  Neste mesmo ano, lançam Deixa a Lua Sossegada que, gravada por Almirante, foi a primeira de uma série de composições e sucessos da dupla.  Tem gato na tuba (1947), Chiquita Bacana (1949).

Seu trabalho não se resume à produção fonográfica, sendo relevante sua participação no cinema brasileiro. Além das composições para filmes, trabalha como roteirista e produtor, a exemplo da comédia musical, dirigida por Ruy Costa, Banana da Terra de 1939, na qual divide o roteiro com Mário Lago. No cinema, também é criador de versões musicais para filmes infantis a exemplo de Branca de Neve e os Sete Anões, Pinóquio, Dumbo. Seus trabalhos na dublagem desses filmes da Disney receberam o reconhecimento pessoal do próprio Walt Disney. Mas esta faceta de sua arte é pouco conhecida, sendo incontestavelmente as suas marchinhas e sambas a parcela mais lembrada de sua obra.

Ao longo de sua trajetória dedica-se à luta pelos direitos autorais dos artistas, tomando parte na fundação da Associação Brasileira de Compositores e Autores (ABCA). Em 24 de Dezembro de 2006, falece no Rio de Janeiro, e deixa uma extensa obra que ultrapassa 400 títulos.

 

Comentário crítico

Carlos Alberto Ferreira Braga, o João de Barro ou Braguinha, é autor de uma das mais significativas musicografias da produção popular no Brasil. Sua obra atravessa gerações de interpretes, com gravações dos cantores da era do rádio aos contemporâneos, como por exemplo, Andaluzia, lançada por Silvio Caldas em 1946 e por Maria Bethânia em 1965; Fim de Semana em Paquetá (com Alberto Ribeiro), gravada por Nuno Roland em 1947 e Wilson Simonal, em 1967; A Saudade Mata a Gente, uma parceria com Antonio Almeida, gravada por Dick Farney em 1948 e por Nara Leão em 1975, além de Nelson Gonçalves e Milton Nascimento em 1987 e Emílio Santiago em 1995.

Entre os anos 1930 até meados dos anos 1960, as marchinhas carnavalescas gozam de grande popularidade no Brasil. Elas traduzem uma crônica da política e da sociedade brasileira, numa época em que o Rio de Janeiro é a capital sonora e visual do país. Por exemplo, em sua marchinha Trem Blindado de 1933, Braguinha faz alusões ao levante paulista de 1932. Na época, comenta-se que São Paulo dispõe de armas poderosas, como metralhadoras e até um trem blindado para derrubar o governo de Getúlio Vargas. Sobretudo através do rádio e dos filmes da Cia. Atlântida (as comédias musicais, espécie de revista musical filmada), as marchinhas se difundem nacionalmente. O compositor afirma-se como um dos maiores nomes do gênero, ao lado de Lamartine Babo. O sucesso de suas marchinhas atinge o público de diferentes épocas, a exemplo de Balancê, gravada por Carmem Miranda em 1937 e novamente por Gal Costa em 1978 ou de Yes! Nós Temos Bananas, versão de uma música americana, sucesso na época, Yes! We've no Bananas de Frank Silver (1896 - 1960) e Irving Cohn (1898 - 1961), gravada pela primeira vez em novembro de 1937, tendo saído no suplemento de novidades carnavalescas do selo Odeon em janeiro de 1938 por Almirante, e regravada por Caetano Veloso em 1968 com um matiz tropicalista, ambas em parceria com Alberto Ribeiro. Esse, um dos parceiros mais constantes de Braguinha, também assina a famosa Touradas em Madri, de 1938. Canção, entoada por dezenas de milhares de torcedores no estádio do Maracanã, em 1950, durante a goleada por seis gols do Brasil contra um da Espanha na Copa do Mundo. Outro sucesso, relembrado em todos os bailes de carnaval é a marcha Pastorinhas, inspirada no Rancho das Pastorinhas (Vila Isabel), parceria com Noel Rosa, gravada em 1938 por Silvio Caldas, conquista o primeiro lugar no concurso da Prefeitura do Rio de Janeiro.

O compositor dedica-se a outros gêneros, a exemplo de diversas músicas que até os dias de hoje animam as festas juninas como Sobe Balão (1958), Pedido a São João (1958) e, em parceria com Alberto Ribeiro, Capelinha de Melão (1949). Quando assume a direção da Continental Gravações Elétricas, no início de 1940, tem a oportunidade de produzir discos de histórias infantis. Inserindo suas composições nos contos, ele promove o sucesso da Coleção Disquinho que teve milhões de cópias vendidas ao longo de sua existência, como Festa no Céu, O Soldadinho de Chumbo, ambos de 1960, cujos arranjos são assinados por Radamés Gnattali.

Entre os sambas canção compostos por Braguinha, está Copacabana uma parceria com Alberto Ribeiro. A música é feita sob encomenda do norte americano Wallace Downey. A gravação da música por Dick Farney, em 1946, com arranjo de Radamés Gnatalli, é considerada uma das canções que influencia a bossa nova. Além de disputar os primeiros lugares nas paradas de sucesso, torna-se recordista na vendagem de disco, alavancando a gravadora Continental, e essa gravação de Dick Farney passa a representar um hino ao glamour que o Rio de Janeiro inspira na época.

Grava em 1972 um disco cantando para a série Documento. Embora não tenha seguido carreira como cantor, as poucas músicas, interpretadas por João de Barro, conquistam relativo sucesso. Em 1931, grava Cor de Prata e Minha Cabrocha, em 1930, dois sambas de Lamartine Babo. Segundo o próprio Braguinha, Lamartine é uma de suas maiores influências.  Em 1934, compõem a marcha carnavalesca Uma Andorinha não Faz Verão. Em 1936, em parceria com Alberto Ribeiro, compõem a famosa Cantores do Rádio, hino da época de ouro do rádio, gravada em 1936 por Carmem e Aurora Miranda. Em 1972, a marchinha é tema do filme Quando o Carnaval Chegar, de Cacá Diegues, com Nara Leão, Chico Buarque e Maria Bethânia.

Segundo Braguinha, sua marchinha Moreninha da Praia, gravada por Almirante e sucesso no carnaval de 1933, marca o seu nascimento como compositor profissional. De fato, a composição aponta para amadurecimento do artista. É nesse mesmo ano que o Bando de Tangarás se dissolve, e ele dá início sua carreira solo. Devido aos restritos conhecimentos que possuía como instrumentista, utilizava somente o assobio para compor. Deste modo, em suas parcerias, ocupava-se principalmente das letras das composições, deixando a melodia por conta de seus parceiros.

Suas parcerias foram as mais variadas e renderam obras consagradas na música popular brasileira. Composta em 1928 por Pixinguinha, Carinhoso ganha em 1937 letra de João de Barro e é gravada por Orlando Silva. Desde então, se torna um dos hinos da MPB, e é regravada por vários interpretes e, largamente conhecida público, é executada por Paulinho da Viola e Marisa Monte no filme documentário sobre o sambista Paulinho da Viola, Meu tempo é Hoje, dirigido por Izabel Jaguaribe, de 2003, a gravação da trilha sonora do filme é lançada em CD nesse mesmo ano. De seus trabalhos com Alcyr Pires Vermelho surgem composições como Laura de 1957, samba-canção gravado por Jorge Goulart, com arranjos de Radamés Gnatalli e Dama das Camélias marcha rancho gravada por Francisco Alves em 1939, sessenta anos depois é interpretada por Caetano Veloso no álbum Omaggio A Federico e Giulietta gravado ao vivo em 1999. Trabalhando com Antônio Almeida, produz A Mulata É Tal, uma marcha gravada por Ruy Rey em 1947, cujo arranjo e acompanhamento fica sob responsabilidade do maestro Severino Araújo e sua orquestra.

Na montagem da peça, O Rei da Vela, de Oswald de Andrade, em 1967, dirigida por José Celso Corrêa Martinez, é incorporada a música Yes! Nós Temos Banana. Em 1968, estréia no Rio de Janeiro o show Yes! Nós temos Braguinha, no Teatro Casa Grande. Na ocasião Braguinha, modifica ligeiramente a música, acrescentando-lhe duas novas estrofes para torná-la, como sugere, "ainda mais tropical".

No ano de inauguração do Sambódromo, em 1984, a escola de samba carioca Mangueira homenageia o compositor com o tema Yes, Nós Temos Braguinha e consagra-se campeã do carnaval. Fez versões para Três Caravelas (Las Tres Carabelas, de Alguero e Moreo) gravada por Emilinha Borba, em 1957, Caetano Veloso e Gilberto Gil, em 1968, e duas versões parra Sorri (Smile) e Luzes da Ribalta (Limelight), ambas de Charles Chaplin.

Obras 1

Abrir módulo

Eventos relacionados 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • DOMINGUES, Henrique Foreis (Almirante). No Tempo de Noel Rosa. 2.ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A., 1977.
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998. R780.981 M321e 2.ed.
  • História da Música Popular Brasileira - João de Barro - Alberto Ribeiro. São Paulo, Abril Cultural, 1970.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Popular Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora,1977. 2 v.
  • MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 2002.
  • Programa da Jornada Internacional do Teatro para a Infância e Juventude - Mostra de Teatro Infantil nos Centros Educacionais Unificados CEUs - espetáculo Macaco Simão & outras histórias & outras canções - 2004. não catalogado
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • SEVERIANO, Jairo. Yes, nós temos Braguinha. Rio de Janeiro, Funarte, 1990.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: