Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Sivuca

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.10.2019
26.05.1930 Brasil / Paraíba / Itabaiana
14.12.2006 Brasil / Paraíba / João Pessoa
Severino Dias de Oliveira (Itabaiana, Paraíba, 1930 – João Pessoa, Paraíba, 2006). Começa a tocar sanfona aos 9 anos, como autodidata, e, aos 15, vai para Pernambuco, quando participa de programas de calouros. Logo se destaca e passa a apresentar-se na Rádio Clube de Recife. Ali permanece por três anos, assumindo o nome artístico de Sivuca. 

Texto

Abrir módulo

Severino Dias de Oliveira (Itabaiana, Paraíba, 1930 – João Pessoa, Paraíba, 2006). Começa a tocar sanfona aos 9 anos, como autodidata, e, aos 15, vai para Pernambuco, quando participa de programas de calouros. Logo se destaca e passa a apresentar-se na Rádio Clube de Recife. Ali permanece por três anos, assumindo o nome artístico de Sivuca. 

Em 1948, é contratado pela Rádio Jornal do Commercio, em que atua até meados da década de 1950. Em 1949, é convidado para gravar com a cantora Carmélia Alves (1923-2012) em São Paulo. Carmélia é a primeira a gravar, em 1951, o baião “Adeus Maria Fulô”, composição de Sivuca e Humberto Teixeira (1915-1979). A música  também é interpretada pelos Mutantes, em 1968. Estreia em 78 rpm em 1951, com Carmélia Alves, lançando o baião “No Mundo do Baião”, um pot-pouri de composições de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga (1912-1989), o choro “Tico-Tico no Fubá”, de Zequinha de Abreu (1880-1935) e o frevo “Vassourinhas”, de Matias da Rocha (1864-s.d.) e Joana Batista Ramos (1878-1952). 

Em 1955, vai morar no Rio de Janeiro, contratado pelas Emissoras Associadas de Rádio e Televisão Tupi. Estuda durante 3 anos com Guerra Peixe (1914-1993), com quem aprende teoria musical e harmonia. No ano seguinte, lança Eis Sivuca, primeiro disco solo, e participa  em trabalhos de outros artistas. Também em 1956, grava seu choro “Homenagem à Velha Guarda” e parte para a primeira temporada de shows pela Europa com o grupo Os Brasileiros. Em 1959, produz um disco de música angolana, Duo Ouro Negro. No início de 1960, ao lado de Waldir Azevedo (1923-1980), apresenta-se com o grupo Brasília Ritmos, com o qual já havia gravado no Brasil. Em Portugal, lança o disco Vê se Gostas. Entre 1960 e 1964, reside em Paris e participa no filme Le Diable et les Dix Commandements (O Diabo e os Dez Mandamentos), do francês Julien Duvivier (1896-1967). 

Em 1964, muda-se para Nova York a convite da cantora Carmen Costa (1920-2007), onde vive por 12 anos. Ali, atua como diretor musical, arranjador e violonista da cantora africana Miriam Makeba (1932-2008), com quem grava três discos e realiza turnês internacionais, lançando a música “Pata-Pata”. Em 1969, assume a direção musical e realiza o espetáculo Joy, com o norte-americano Oscar Brown Jr. (1926-2005) e Jean Pace, para o qual compõe “Mother Africa’s Day” em parceria com Oscar Brown Jr. 

Na década de 70, compõe trilhas para filmes em curta-metragem da televisão educativa americana, trabalho pelo qual é indicado ao Grammy. Nesse período, faz parcerias com artistas como Hermeto Pascoal (1936) e os norte-americanos Bette Midler (1945), Paul Simon (1941) e Harry Belafonte (1927). Em 1972, em meio às turnês com Belafonte, grava, em Nova York, o LP Sivuca e lança um espetáculo de música brasileira no Village Gate, que alcança projeção internacional, originando o LP Live at the Village Gate (1973).

Em 1975, casa-se com a compositora e médica Glorinha Gadelha (1947), com quem desenvolve parcerias artísticas. Nessa época, volta para o Rio de Janeiro e participa na série de espetáculos Seis e Meia, no Teatro João Caetano, com o show Sivuca e Rosinha de Valença. Este, gravado ao vivo, torna-se o primeiro registro do baião “Feira de Mangaio”, parceria com Glorinha. Considerado um clássico do forró, a composição tem êxito na voz de Clara Nunes (1943-1983) em 1979.

Em 1977, Chico Buarque (1944) escreve a letra para a melodia composta em 1947, dando origem a “João e Maria”, única parceria dos dois compositores, sucesso em um duo de Chico e Nara Leão (1942-1989) nesse mesmo ano.

Em 1985, Sivuca escreve a primeira peça sinfônica: Concerto Sinfônico para Asa Branca, inovando ao mobilizar a orquestra pela ótica do acordeonista. Além dos projetos e apresentações nacionais que desenvolve na década de 1980, grava Rendez-vous in Rio (1985) com o gaitista belga Toots Thielemans (1922-2016) e a cantora sueca Sylvia Vrethammar (1945), Chiko’s Bar (1986) com Toots Thielemans, e Bad Boys From Brasil (1986) com o sueco Rune Öfwerman Trio. Em janeiro de 1992, lança na Dinamarca o CD One Good Turn, com Erik Petersen. Sivuca regressa à Europa para novas turnês e apresenta-se na inauguração do teatro Cité de la Musique, em Paris, 1994.

Em 2003, volta à Paraíba, onde segue trabalhando. No ano seguinte, em Recife, grava com a Orquestra Sinfônica da cidade, Sivuca Sinfônico. Três anos depois, compõe seu último arranjo sinfônico, Choro de Cordel, com Glorinha.

 

Análise

Além de compositor e arranjador, Sivuca é um mestre da sanfona, instrumento do qual é um dos principais divulgadores na música nacional e internacional.

Desde jovem, viaja pelo interior do Nordeste brasileiro, tocando música regional com músicos locais, período de aprendizagem e experimentações, que lhe concede o conhecimento do universo musical nordestino. Segundo o artista, essa vivência entre músicos da cultura popular  fornece as bases de sua obra. Apesar de decisiva, a arte de Sivuca não se resume à influência regional, transitando entre diversos gêneros da música nacional e internacional. A experiência é tão diversificada que se torna impossível estabelecer seu perfil estilístico com base em determinado movimento ou gênero. Seus trabalhos podem ser identificados com a bossa-nova, jazz, forró, choro, baião, maracatu, frevo. No entanto, predomina o virtuosismo no acordeom e o improviso musical, característico de expressões da Paraíba, como os cantadores de coco.

Nas primeiras décadas do século XX, o acordeom estava associado à música tradicional. É necessário um longo trabalho para sua aceitação na música popular moderna e para ser considerado um instrumento de concerto. Esse instrumento tem destaque na produção musical de Sivuca, que se define como: “um ser humano diferente dos outros porque tinha um membro-extra, o acordeon”1. Ele não o abandona, nem ao transitar pela bossa-nova, rock ou jazz, apesar da dificuldade inicial de aceitação do instrumento, o que o força, por vezes, a optar pelo violão para se manter no mercado musical. Busca demolir tais barreiras, com habilidade e inovação artística. O reconhecimento do acordeom é uma luta que Sivuca empreende ao longo da vida: “Agora é que o preconceito está acabando. E eu, sem querer me vangloriar, trabalhei muito por isso. Mas, preconceitos à parte, eu continuo tendo, como instrumento principal, a sanfona”2.

Tal aceitação relaciona-se à difusão por meio do rádio, desde os anos 1930, de estilos musicais rurais, dentre os quais a música nordestina  é um exemplo. Divulgada com o sucesso do baião, na década de 50, chama a atenção da indústria fonográfica para seu potencial comercial, o que favorece a presença do acordeom no cenário musical. O trabalho de Luiz Gonzaga, exemplifica esse processo que, simultaneamente, leva a música do campo às cidades e busca um novo sotaque para este som, de forma a adaptá-lo e torná-lo mais palatável ao público urbano. No período, as rádios constituem laboratórios musicais, promovendo intercâmbios e experimentações ao reunir, em seus estúdios e auditórios, distintos gêneros musicais e seus representantes, cada qual com sua formação instrumental. O ambiente é importante para Sivuca durante a sua permanência em Recife, pois, além do contato com diversos gêneros e artistas, permite que estude teoria musical com os músicos da orquestra das rádios. Ali, torna-se aluno do maestro e compositor Guerra-Peixe, aprimorando suas noções de harmonia, fundamental para a produção sinfônica que inicia nos anos 1980 e mantida por toda a vida. Nesse contexto, Sivuca conhece também, a música das Big Bands norte-americanas, que influenciam sua obra.

O artista também se destaca pela atuação como produtor musical de discos, espetáculos e trilhas sonoras. Com seu trabalho, divulga a música brasileira no cenário internacional, colecionando admiradores e prêmios. Em 2006, o Ministério da Cultura, reconhece a importância de seu trabalho em prol da música brasileira, concedendo-lhe a Ordem ao Mérito Cultural.

 

 

Notas

1.  FREITAS, Dulcivânia. A Paraíba é o maior celeiro musical do Brasil. O Norte, João Pessoa, 25 dez. 1996. Caderno 2, p.1. 

2. RODRIGUES, Elinaldo. Sou músico universal. Jornal da Paraíba, João Pessoa, 12 jul. 2003. Caderno de Cultura, p. 1

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • BARRETO NETO, Antônio et al. O grande sanfoneiro aponta uma saída para a música brasileira. A União, João Pessoa, 1 mai 1985. Caderno de Artes, p.9.
  • BARRETO, Flávia; GASPARINI, Fernando. Sivuca e a música do Recife. Recife: Publikimagem, 2010.
  • FREITAS, Dulcivânia. A Paraíba é o maior celeiro musical do Brasil. O Norte, João Pessoa, 25 dez. 1996. Caderno 2, p.1.
  • GOUVÊA, Hilton. Aqui nasceu Sivuca. A União, João Pessoa, 29 dez 2006. Disponível em: http://www.auniao.pb.gov.br/v2/index.php?option=com_content&task=view&id=4403&Itemid=44. Acesso em: 25 abr. 2013.
  • RODRIGUES, Elinaldo. Sou músico universal. Jornal da Paraíba, João Pessoa, 12 jul. 2003. Caderno de Cultura, p. 1.
  • SANTOS, Eurides de Souza et. al. Música e músicos paraibanos: diálogo entre estilos na música de Sivuca. Encontro Nacional de Etnomusicologia, 2., Salvador, 2004. Anais...Salvador: UFBA, 2004.
  • SANTOS, Eurides de Souza. Nordestinidade gonzagueana na música de Sivuca. Opus: Revista da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. v. 18, n. 2 (dez. 2012) – Porto Alegre (RS): ANPPOM, 2012. p. 161-180.
  • SIVUCA na Rede. [s.n.]: [s.d.]. Disponível em: www.sivuca.com.br. Acesso em: 20 abr. 2013.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: