Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Roberto Corrêa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.10.2019
11.03.1957 Brasil / Minas Gerais / Campina Verde
Roberto Nunes Corrêa (Campina Verde, Minas Gerais, 1957). Violeiro e Compositor. Aprende violão com José da Conceição (1942-2012) em sua cidade natal. Muda-se para Brasília em 1975, e estuda violão clássico com Eustáquio Grilo. Em 1976, inicia o curso de física na Universidade de Brasília (UnB), onde, em 1977, forma o grupo de música regional Ol...

Texto

Abrir módulo

Roberto Nunes Corrêa (Campina Verde, Minas Gerais, 1957). Violeiro e Compositor. Aprende violão com José da Conceição (1942-2012) em sua cidade natal. Muda-se para Brasília em 1975, e estuda violão clássico com Eustáquio Grilo. Em 1976, inicia o curso de física na Universidade de Brasília (UnB), onde, em 1977, forma o grupo de música regional Olho d'Água, tocando violão. Nesse mesmo ano, começa a estudar viola caipira e viaja em busca de violeiros dispostos a lhe ensinar a técnica de “pontear a viola”. Descobre que a tradição da viola caipira é oral, passada de pai para filho. Começa a pesquisar as técnicas instrumentais, o universo folclórico e lendário que envolve o instrumento e as tradições ligadas a ele.

Como resultado das pesquisas, publica, em 1983, o livro Viola Caipira, lançado com o recital Parecença no Teatro Galpão em Brasília, marco do início da carreira profissional. Além de bacharel em física, forma-se, em 1983, no curso de licenciatura em música. Dois anos depois, é contratado como professor de viola caipira pela Escola de Música de Brasília (EMB). O material preparado para os alunos origina o livro A Arte de Pontear Viola, sistematização de técnicas, afinações e crenças diversas.

Grava, em 1994, Uróboro, um disco com suas composições para solo de viola caipira e viola de cocho. Em 2010, com o violeiro e compositor Paulo Freire (1957), promove o Festival Voa Viola, com apresentações em Recife, Belo Horizonte, São Paulo e Brasília, e um portal interativo de difusão do instrumento.

Análise

Roberto Corrêa é um dos pesquisadores que trabalham para o resgate da viola, trazendo para o ambiente urbano e multicultural tradições espalhadas pelo interior do país. Sua composição ultrapassa os limites técnicos convencionais do instrumento, levando suas características a novo plano.

Autor de métodos e livros sobre violeiros, compõe e grava para diferentes tipos de viola, nos ritmos aos quais elas estão ligadas. Cria um repertório para o instrumento, difundido pelas obras de sua discografia. São comuns também as referências a sons de animais e coisas do sertão. “Araponga Isprivitada”, está gravada com um modelo antigo de viola (“de cravelha”), e a composição é inspirada pelo canto da araponga, uma ave comum no Brasil. “Baião do Pé Rachado” é inspirada pelo ritmo nordestino que lhe dá nome e suas características idiomáticas para a viola, e “Jararaca Chateadera” gravada em viola do tipo “amarantina”, típica da região de Amarante, em Portugal – é uma das quatro peças que formam a Suíte das Cobras. Essas peças estão registradas no disco Viola Caipira – Brasil (1989), gravado por Roberto Corrêa na Alemanha para a série Traditional Music of the World da Unesco.

A “Peleja de Siriema com Cobra” é tocada na viola de cocho, viola primitiva esculpida em um único pedaço de tronco, típica da região do Pantanal. A composição trabalha ritmos e melodias pantaneiras e, a sua maneira, aparenta-se ao poema sinfônico, em que uma história é contada não por palavras, mas por sons instrumentais. Como boa parte das composições de Roberto Corrêa, está gravada no disco Uróboro.

Atua ainda como intérprete nos discos No Sertão – Viola e Cordas (1998), acompanhado por quinteto de cordas, Antiquera – Orquestra à Base de Corda Convida Roberto Corrêa (2007) e Crisálida (1996), acompanhado por Alencar Sete Cordas (1951-2011) no violão, Ivan Vilela (1962) na viola e José Eduardo Gramani (1944-1998) na rabeca. Instrumentista versátil, tem ainda discos gravados como acompanhador, como Voz e Viola (1996) e Caipira de Fato – Voz e Viola (1997), nos quais acompanha a cantora Inezita Barroso (1925-2015). Com o último disco, conquista o Prêmio Sharp de 1997. Realiza também produção, direção musical e arranjos do disco Meu Céu, da dupla Zé Mulato e Cassiano, que lhe vale outro Prêmio Sharp, ainda em 1997. Com Renato Andrade (1932-2005), toca num disco da série Brasil Musical, em 1997, produzido por André Geraissati (1951). Em sua militância pelo instrumento, cria o selo Viola Corrêa. Ao lado de Paulo Freire e Badia Medeiros, grava o disco Esbrangente (2003).

Em 2009, lança Temperança e Violas de Bronze, este último, parceria com o instrumentista pernambucano Siba (1969). As canções desse disco trazem, além da voz, a rabeca e a viola, introduzidas no país pela colonização portuguesa, integrantes das tradições populares e folguedos.

Obras 7

Abrir módulo

Espetáculos 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • BOTEZELLI, J. C.; PELAO. A Música brasileira deste século por seus autores e intérpretes. São Paulo: Sesc: JCB, 2003.
  • CORRÊA, R. N. Viola caipira: das práticas populares à escritura da arte. 2014. 283 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Música, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
  • CORRÊA, Roberto. A arte de pontear viola, 2. ed. Brasília: Viola Corrêa, 2002.
  • MORETZSOHN, Carmem. Viola no Sangue. Jornal de Brasília, Distrito Federal, 7 ago. 1999.
  • NEPOMUCENO, Rosa. Música Caipira: da roça ao rodeio. São Paulo: Editora 34, 1999.
  • Planilha enviada pela pesquisadora Julia Alves Carvalhal.
  • ROBERTO CORRÊA. Site oficial do artista. Disponível em: http://robertocorrea.com.br/. Acesso em: 05 jun. 2011.
  • ROBERTO Corrêa. Depoimento do artista para o projeto Um Brasil de Viola – Tradições e Modernidades da Viola Caipira. Disponível em: http://umbrasildeviola.blogspot.com.br/2011/10/roberto-correa-brasilia-df.html. Acesso em 31 de jul. de 2017.
  • TAUBKIN, Myriam. Violeiros do Brasil. São Paulo: Myriam Taubkin, 2008.
  • VILELA, Ivan. Cantando a própria história: música caipira e enraizamento. São Paulo: Edusp, 2013.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: