Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Assis Valente

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.12.2019
19.03.1911 Brasil / Bahia / Santo Amaro
10.03.1958 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
José de Assis Valente (Santo Amaro, Bahia 1911 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1958). Desenhista, protético e compositor. Nascido em 19 de março de 1911, separa-se dos pais muito cedo. Segundo ele, é roubado dos pais, José de Assis Valente e Maria Esteves Valente, e entregue a outra família para ser criado. A família adotiva força-o a realizar...

Texto

Abrir módulo

José de Assis Valente (Santo Amaro, Bahia 1911 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1958). Desenhista, protético e compositor. Nascido em 19 de março de 1911, separa-se dos pais muito cedo. Segundo ele, é roubado dos pais, José de Assis Valente e Maria Esteves Valente, e entregue a outra família para ser criado. A família adotiva força-o a realizar tarefas domésticas, além de trabalhar como ajudante em uma farmácia e estudar à noite. 

Na escola, conhece a obra de poetas como Castro Alves (1847-1871) e Guerra Junqueiro (1850-1923) e desenvolve habilidade como orador. Aos 10 anos, emprega esse talento atuando como comediante em um circo. Mais tarde, frequenta cursos de desenho no Liceu de Artes e Ofícios de Salvador e forma-se como especialista em próteses dentárias, profissão que exerce quando se muda para o Rio de Janeiro, em 1927. Ao chegar à capital carioca, Assis Valente publica alguns desenhos em revistas como Shimmy e Fon-Fon. O trabalho, entretanto, não lhe rende o bastante para substituir o ofício de protético, atividade que exerce até o ano de sua morte.

No início dos anos 1930, começa a compor sambas, interpretados por vários cantores. As canções lhe rendem popularidade e, nessa década, consagra-se como compositor. Entrosado no ambiente musical carioca, lidera o conjunto Bando Carioca, que se apresenta durante o ano de 1936 na Rádio Tupi do Rio. Embora lance grandes sucessos, Assis Valente não consegue viver de suas músicas e o laboratório dentário permanece como principal fonte de renda.

Em 1941, casa-se com a datilógrafa Nadyle da Silva, com quem tem uma filha, Nara Nadili. O casamento não dura muito e eles se separam logo após o nascimento da menina. Ainda nesse ano, endividado, o compositor tenta o suicídio, atirando-se do alto do Corcovado. Preso entre os galhos de uma árvore, é resgatado pelos bombeiros, fornecendo uma grande história à imprensa carioca. Recuperado do episódio, compõe o samba “Fez Bobagem” que, interpretado por Aracy de Almeida (1914-1988) em 1942 e embalado pela publicidade do ocorrido, torna-se sucesso.

Anos depois, abalado pela cobrança da dívida de quatro mil cruzeiros com a vedete Elvira Pagã (1920-2003), Assis Valente tenta cortar os pulsos com uma lâmina de barbear. Nessa época, sua situação financeira é desesperadora e ele vende alguns sambas a outros compositores. Estes, assumindo a autoria, gravam-nos e obtêm sucesso. 

Em 10 de março de 1958, tenta, mais uma vez, o suicídio. Transmite instruções aos funcionários de seu laboratório sobre como proceder após sua morte. Telefona para seu editor Vicente Vitale e para o embaixador Pascoal Carlos Magno para lhes comunicar a decisão e ingere formicida com guaraná.

Seu corpo é encontrado em um banco da Praia do Russe, portando, além de outros pertences, sua carteira de identidade com a foto rasgada e uma carta à polícia, na qual deixa claro que se mata em razão das dívidas e pede ao público que compre seu último disco Lamento

 

Análise

Durante toda a década de 1930 e início da seguinte, Assis Valente é um dos compositores mais cultuados da cena musical carioca. Ele tem como incentivadores o pintor e compositor Heitor dos Prazeres (1898-1966) e a cantora Carmen Miranda (1909-1955), sua maior intérprete. Escreve mais de uma centena de músicas entre sambas e marchinhas. Suas composições atravessam décadas, nas vozes de diferentes gerações de intérpretes, como Francisco Alves (1898-1952), Moreira da Silva (1902-2000), Carmem Miranda, Carlos Galhardo (1913-1985), Orlando Silva (1915-1978), Dircinha Batista (1922-1999), Nara Leão (1942-1989), Ney Matogrosso (1941), Caetano Veloso (1942), Gal Costa (1945), Maria Bethânia (1946), Maria Alcina (1949) e Mart’nália (1965) ou por Chico Buarque (1944) e o grupo Novos Baianos. A obra de Assis Valente constitui referência importante da música popular brasileira. 

O compositor, assim como Noel Rosa (1910-1937), expressa uma percepção sensível do cotidiano e da sociedade de sua época. Produz em verso, melodia e ritmo um retrato singular da cidade do Rio de Janeiro nos anos 1930 e 1940. Seu primeiro samba “Tem Francesa no Morro”, gravado em 1932 por Aracy Cortes (1904-1985), ironiza a moda que toma como traço de elegância o uso de expressões e frases em francês. Nessa mesma linha, “Good-Bye, Boy” critica o modismo de misturar o inglês à língua nacional, marcha gravada por Carmen Miranda em 1933. Outra marcha desse mesmo ano, “Elogio da Raça”, tematiza a discriminação do negro, assim como o samba “Isso Não se Atura”, ambos também gravados pela cantora. O problema da falta de água é tema de seu samba “Um Jarro d'Água” (1939), interpretado por Cinara Rios. Já a venda de uva em caminhões em diversos pontos da cidade inspira o samba, “Uva de Caminhão”, gravada por Carmen Miranda, nesse mesmo ano. Em 1938, quando os jornais noticiam uma possível colisão do cometa Halley com a Terra, ele compõe “E o Mundo Não se Acabou”, um de seus maiores sucessos, um samba-choro também gravado por Carmen Miranda. Em 1940, o recenseamento realizado pelo governo do Estado Novo de Getúlio Vargas é motivo para outro samba, “Recenseamento”. O samba “Brasil Pandeiro” (1940) torna-se uma das maiores expressões do gênero samba-exaltação, característico desse contexto de afirmação do nacionalismo da Era Vargas. Na época, Carmen Miranda interessa-se pela composição, mas não manifesta o desejo de gravá-la. Um ano depois, a composição faz enorme sucesso na interpretação do conjunto Anjos do Inferno. Isso vale a inclusão de “Brasil Pandeiro” na trilha sonora da comédia musical Céu Azul (1940), um filme de Ruy Costa (1909-1980).  Em 1973, outro conjunto musical, os Novos Baianos, repete o sucesso desse samba, um hino à brasilidade, no contexto da ditadura militar. 

De grande versatilidade, Assis Valente escreve a marchinha “Boas Festas”, que se torna a canção natalina mais conhecida no Brasil. A gravação cabe a Carlos Galhardo, com acompanhamento dos Diabos do Céu, orquestração e regência de Pixinguinha (1897-1973), no ano de 1933. Na temática das festas juninas, escreve a marcha “Cai, Cai, Balão”, igualmente famosa, interpretada por Francisco Alves e Aurora Miranda (1915-2005), nesse mesmo ano. Ainda nesse tema, compõe as marchas “Acorda, São João” (1934); “Olhando o Céu Todo Enfeitado” e “Mais Um Balão”, ambas em 1935. 

Desde que conhece Carmen Miranda, Assis Valente encanta-se com sua voz. Ele escreve "Etc.", cuja letra exalta a Bahia. Com esse samba, ganha a amizade e a voz da cantora, que o grava em 1932. A partir daí suas composições passam a ser identificadas com o timbre dessa intérprete, que registra dezenas de suas músicas. Exemplo emblemático é o samba-choro “Camisa Listrada”, sucesso do Carnaval de 1937, que se ajusta ao estilo brejeiro e malicioso da cantora.

Os grupos musicais encontram, nas composições de Assis Valente, material de qualidade. Foi assim com O Bando da Lua, que obtém sucesso com as marchas “Cirandinha” (1936) e “Só Conheço Uma” (1937) e com os sambas “Maria Boa” (1936) e “Que É que Maria Tem” (1937). Em 1950, o compositor lança seu último sucesso, um amargurado samba-canção “Boneca de Pano”, gravado pelo grupo Quatro Ases e um Coringa. Com exceção desse samba e de outra letra mais melancólica, as composições de Assis Valente, expressam alegria, razão do samba "Alegria", um de seus grandes sucessos, gravado por Orlando Silva em 1937.  O compositor afirma: 

Alegria pra cantar a batucada

As morenas vão sambar

Quem samba tem alegria

Minha gente era triste, amargurada, inventou a batucada

Pra deixar de padecer

Salve o prazer, salve o prazer

Durante as décadas de 1950 e 1960, suas músicas são praticamente esquecidas. São redescobertas e regravadas nas décadas seguintes por artistas como Nara Leão ("Fez Bobagem", 1969), Maria Bethânia ("Camisa Listrada", 1969), Maria Alcina ("Maria Boa", 1973) e Chico Buarque que, junto a Nara e Bethânia, canta "Minha Embaixada Chegou", no filme Quando o Carnaval Chegar (1972), de Cacá Diegues (1940).

Na década de 1980, “Brasil Pandeiro” intitula um programa exibido na Rede Globo, apresentado pela atriz Beth Faria (1941). Em 1994, a música volta a ser popular, graças à campanha publicitária relacionada à Copa do Mundo.

Nos anos 1990, a regravação de “E o Mundo Não se Acabou”, pela cantora Adriana Calcanhoto (1965), e o musical O Samba Valente de Assis, apresentam o compositor ao público mais jovem.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • ENCICLOPÉDIA da música brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed., rev. ampl. Organização Marcos Antônio Marcondes. São Paulo: Art Editora, 1998. p. 801-803.
  • HISTÓRIA da Música Popular Brasileira. Grandes Compositores – Assis Valente. São Paulo, Abril Cultural, 1982.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • VASCONCELOS, Ari. Panorama da música popular brasileira – Volume 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: