Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Leci Brandão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.08.2021
12.09.1944 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Leci Brandão da Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Cantora, compositora e percussionista. Nascida no bairro carioca de Madureira e criada em Vila Isabel, tem suas primeiras influências musicais ao escutar sambas e choros no rádio. Autodidata, na juventude aprende a tocar instrumentos de ritmo, como pandeiro e surdo. Aos 21 anos, compõ...

Texto

Abrir módulo

Leci Brandão da Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Cantora, compositora e percussionista. Nascida no bairro carioca de Madureira e criada em Vila Isabel, tem suas primeiras influências musicais ao escutar sambas e choros no rádio. Autodidata, na juventude aprende a tocar instrumentos de ritmo, como pandeiro e surdo. Aos 21 anos, compõe a primeira canção, “Tema do Amor de Você”. Em 1968, vence o programa A Grande Chance, de Flávio Cavalcanti (1923-1986), cantando “Favela em Três Tempos”, “Minha Mensagem” e “Fim de Carnaval”. No começo da década de 1970, forma-se em direito na Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro. 

Em 1972, torna-se a primeira mulher a integrar a ala de compositores da escola de samba Estação Primeira de Mangueira. No ano seguinte, apresenta “Quero Sim”, parceria com Darcy da Mangueira (1932-2008), no Encontro Nacional de Compositores de Samba. Em 1973, chega à final do festival Abertura, da Rede Globo, com “Antes que Eu Volte a Ser Nada”, canção composta pela artista e que dá nome ao primeiro LP. Em 1976, assina contrato com a gravadora Philips e lança Questão de Gosto, com nove sambas de sua autoria e “Mulatinho”, de Martinho da Vila (1938). Em 1977, lança Coisas do Meu Pessoal, cuja música “Ombro Amigo” é incluída na trilha sonora da novela Espelho Mágico da Rede Globo. Em 1978, grava Metades, com composições suas, de Ivan Lins (1945) e de Sandra de Sá (1955), e conta com participações dos músicos Paulo Moura (1933-2010) e Antonio Adolfo (1947).

Em 1980, lança o último álbum pela Philips: Essa Tal Criatura, cuja música homônima é finalista do Festival MPB 80 da Rede Globo. Leci fica cinco anos sem gravar discos e retoma sua carreira pela gravadora Copacabana, em 1985, com Leci Brandão, um dos álbuns de maior sucesso da carreira. No repertório, diversas músicas tornam-se hits nas rádios, como “Zé do Caroço”, “Isso É Fundo de Quintal”, “Papai Vadiou” e “Deixa, Deixa”. Dois anos depois, lança Dignidade, com destaque para as canções “Só Quero te Namorar” e “Me Perdoa Poeta”. Nos anos seguintes, mantém a aceitação popular com os álbuns Um Beijo no Seu Coração (1988) e As Coisas que Mamãe Me Ensinou (1989). De 1986 a 1994, atua como comentarista dos desfiles das escolas de samba nas transmissões da Rede Globo, função que retoma em 2002. Em 1990, conquista o prêmio Sharp pelo álbum Cidadã Brasileira – Leci Brandão da Silva. Nos anos 2000, lança cinco discos, além do DVD Canções Afirmativas, em 2007. Em 2011, a gravadora EMI lança a coletânea O Canto Livre de Leci Brandão.

Atua na política e integra o Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial e o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Muda-se para São Paulo e, em 2010, filia-se ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB), pelo qual é eleita deputada estadual. A política permeia sua obra, como mostra em “Ponto de Cultura”, canção registrada em Cidadã da Diversidade - Ao Vivo (2013).

Análise

Leci Brandão aparece na cena artística nos anos 1970 e chama a atenção por ser uma das primeiras mulheres compositoras de samba no país1. A cantora é revelada pelo jornalista Sérgio Cabral (1937), ao comentar o LP Antes Que Eu Volte a Ser Nada. Em 1980, Beth Carvalho (1946-2019), uma das vozes femininas do samba com projeção nacional, grava “Canção de Esperar Neném”, parceria de Leci com Paulinho Tapajós (1945-2013). 

Mais do que ser uma das primeiras intérpretes femininas a compor samba, gênero musical dominado por homens na época, Leci é uma das primeiras compositoras feministas, defendendo uma posição menos submissa para a mulher. O posicionamento da sambista evidencia-se na faixa de abertura do LP Questão de Gosto, o partido-alto “Ser Mulher”, com versos como “Ser mulher é muito mais que batom ou bom perfume”. Com o álbum, é vista como uma das primeiras compositoras a defender em suas letras a diversidade política, racial e sexual. Exemplos dessas canções de protesto são o samba-jazz “Questão de Gosto”, o samba “Mãos Libertas” e o bolero “As Pessoas e Eles”. Além dessas músicas, Leci regrava o samba-enredo “Casa Grande e Senzala”, defendido pela Estação Primeira Mangueira no Carnaval de 1962. A letra, que faz críticas ao regime escravocrata brasileiro, sustentado até 1888, é inspirada na obra do antropólogo Gilberto Freyre (1900-1987), publicada na década de 1930.

A compositora mantém a contestação de valores e costumes no álbum Coisas do Meu Pessoal. Na música “Marias”, questiona o papel social da mulher. Em “Ombro Amigo”, prega a liberdade de expressão sexual nos versos:

 

Você vive se escondendo  

Sempre respondendo com certo temor 

Eu sei que as pessoas lhe agridem 

E até mesmo proíbem sua forma de amor. 

 

Na canção “Não Cala o Cantor”, a sambista discute o regime militar vigente no país desde 1964 e critica a exclusão social dos analfabetos: 

 

Encaminhe quem não sabe ler

A conhecer primeiramente a palavra amor

E conduza quem sabe escrever

A estudar muito mais, sempre, até ser doutor

Mas a ponte pra quem sabe tudo

Que a força da dureza não cala o cantor.

 

Pela postura contestatória, depois de cinco discos lançados pela Philips, Leci rescinde o contrato com a gravadora por questões ideológicas e passa cinco anos sem lançar um álbum. Nesse período, a artista prossegue a carreira apenas em shows pelo Brasil e no exterior. Retoma os lançamentos fonográficos em 1985, quando assina com a Copacabana Discos. Por esse selo, no mesmo ano, lança o álbum de maior sucesso da carreira, Leci Brandão. O LP tem grande repercussão no país, sobretudo pelo sucesso do samba “Zé do Caroço”, baseado na história verídica de um personagem do morro. Além dessa música, o disco traz composições autorais que se tornam conhecidas nacionalmente, como “Isso É Fundo de Quintal” (homenagem ao grupo formado no Cacique de Ramos, no Rio de Janeiro), “Deixa, Deixa” e o partido-alto “Papai Vadiou”. O álbum não abandona a luta pela diversidade sexual, como no samba dolente “Assumindo”: 

 

Vocês estão incomodando uma meia dúzia

Vocês estão atrapalhando esse meio-campo

Somente porque vocês não são desse meio-termo

E eles estão pretendendo dar a meia trava

Mas no meio-dia do sol ou sob a meia-lua

Vocês já andam de mãos dadas no meio da rua.

 

A artista mantém o trabalho crítico ao longo de toda a carreira. Em termos estilísticos, sua obra não apresenta muitas alterações. No início da trajetória, Leci mescla no repertório diferentes gêneros: além do samba tradicional, grava canções com levadas de jazz, boleros e músicas românticas. A partir dos anos 1980, prioriza sambas de andamento acelerado e partidos-altos, estilos consagrado por nomes como Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho (1959), Almir Guineto (1946), Beth Carvalho e Jovelina Pérola Negra (1944-1998). Exemplo disso é a faixa “Eu Só Quero Te Namorar”, sucesso do segundo disco, Dignidade (1987), lançado pela Copacabana. Para enfatizar as raízes brasileiras, na década de 1980, Leci abre o repertório para a música afro-baiana: grava o samba-reggae “Maravilha Araketu, Semente da Memória”, de Tonho Matéria (1964), e registra temas folclóricos no encerramento de seus LPs, como “Saudação ao Rei das Ervas”, “Saudação a Iansã”, “Saudação a Ogun”, “Saudação a Oxum”. 

Em 2005, com gravações bem-recebidas por público e crítica, a sambista comemora 25 anos de carreira e grava seu primeiro disco ao vivo. Em 2007, lança o DVD Canções Afirmativas, com destaque para a interpretação de “Deixa, Deixa”, dividida com o rapper Mano Brown (1970), do Racionais MCs. Nessa canção, reforça sua postura crítica com os versos:

 

Deixa ele escrever

Deixa discursar

Deixa ele votar

É melhor

Do que ele sacar de uma arma

Pra nos matar.

Nota

1. Nos anos 1970, Leci Brandão não é a única compositora de sambas do país. Em 1974, Dona Ivone Lara (1922-2018) lança um compacto com o sucesso “Tiê-Tiê”, parceria com Hélio dos Santos (1903-2007), e “Agradeço a Deus”, composta com Mano Décio (1909-1984).

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • CABRAL, Sérgio. Elizeth Cardoso: uma vida. Rio de Janeiro: Lumiar Editora, [s.d.].
  • FAUSTINO, Oswaldo. Nei Lopes: retratos do Brasil negro. São Paulo: Selo Negro Edições, 2009.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 2: 1958-1985). São Paulo: Editora 34, 1998. (Coleção Ouvido Musical).
  • VIANA, Luiz Fernando. Zeca Pagodinho: a vida que se deixa levar. Rio de Janeiro: Rio Arte: Relume-Dumará, 2003. (Perfis do Rio).

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: