Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Jards Macalé

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.10.2016
03.03.1943 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
André Seiti / Itaú Cultural

Jards Macalé, 2014

Jards Anet da Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1943). Compositor, cantor, violonista, arranjador, produtor musical e ator. Na infância, a mãe, pianista, e o pai, acordeonista, o levam frequentemente a concertos de música erudita. Nessas ocasiões assiste à Orquestra Sinfônica Brasileira, regida por maestros como Villa-Lobos, Camargo Guarnie...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Jards Anet da Silva (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1943). Compositor, cantor, violonista, arranjador, produtor musical e ator. Na infância, a mãe, pianista, e o pai, acordeonista, o levam frequentemente a concertos de música erudita. Nessas ocasiões assiste à Orquestra Sinfônica Brasileira, regida por maestros como Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e Guerra-Peixe. O repertório que forma sua escuta é variado, inclui foxtrote, suingue, jazz, samba, marchinha carnavalesca, valsa e modinha, além do batuque dos morros e o rock'n'roll. Estuda orquestração com Guerra-Peixe, composição e violão com Jodacil Damasceno, violoncelo com Peter Daulsberg, análise musical com Esther Scliar e violão com Turíbio Santos, na Escola Pró-Arte. Na adolescência, transita pelas rádios cariocas, como a Rádio Nacional. Com Chiquinho Araújo, baterista e filho do maestro Severino Araújo, forma o conjunto musical Dois no Balanço. A proximidade com o maestro leva Macalé a trabalhar como copista da Orquestra Tabajara.

Tem sua primeira composição, Meu Mundo É Seu, em parceria com Roberto Nascimento, gravada por Elizeth Cardoso em 1964. Em 1965, é convidado pelo violonista Roberto Nascimento a substituí-lo na montagem paulistana do show Opinião. No ano seguinte, faz a direção musical do recital da cantora Maria Bethânia no Rio de Janeiro e Nara Leão grava Amo Tanto, no disco Pede Passagem. A partir de então, integra o movimento tropicalista, seja como compositor, instrumentista ou produtor, a exemplo de sua participação no disco Transa, de Caetano Veloso, gravado em Londres em 1971, com referências do reggae de Portobello Road,1 e em discos de Gal Costa, como Cultura e Civilização, no qual atua como violonista, e Legal. Na época, conhece o poeta baiano Waly Salomão, com quem compõe Vapor Barato, Anjo Eternidade, Volto pra Curtir, Revendo Amigos, Mal Secreto, Negra Melodia, um reggae precursor lançado em 1977, no momento em que o gênero ainda é pouco conhecido do público brasileiro, e Rua Real Grandeza, entre outras. Em sua obra, destaca-se a criação de trilhas sonoras para filmes de Nelson Pereira dos Santos (Amuleto de Ogum, 1973), de Joaquim Pedro de Andrade (Macunaíma, 1968), e de Glauber Rocha (Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, 1969), e peças como Tempo de Guerra e Arena Canta Bahia (1967).

Em 2010, o cineasta Marco Abujamra e o jornalista João Pimentel revisitam a trajetória de quatro décadas dessa personalidade controversa da música popular brasileira (MPB) com o documentário Jards Macalé, um Morcego na Porta Principal. A repercussão do filme inspira a produção do show Cine Macalé e o convite ao artista para participar da 29ª Bienal Internacional de São Paulo.

Análise
Na época dos grandes festivais de música, Jards Macalé é um dos artistas mais vaiados. Sua performance no 4º Festival Internacional da Canção da TV Globo, em outubro de 1969, interpretando Gotham City, em parceria com o poeta José Carlos Capinam, explicita a irreverência e a criatividade características de sua obra no decorrer de toda sua trajetória. A apresentação da música, uma espécie de happening alusivo ao homem morcego (Batman) das histórias em quadrinhos, provoca a audiência. Ele sobe ao palco vestido com uma bata preta estampada com grafismos psicodélicos e agressivamente canta o refrão "Cuidado, há um morcego na porta principal" - uma alegoria ao contexto de repressão política instituída pela ditadura militar na qual vive o Brasil. O arranjo do maestro Rogério Duprat, com experimentação e combinação sonoras, que funde elementos da música popular brasileira (MPB) e a erudita, bem como do pop internacional, é inovador e choca a audição mais conservadora. Assim o compositor estreia "desafiando o coro dos contentes". Gotham City, seja em relação à letra com referências à cultura pop ou à poética musical, que mistura o rock e a MPB, é um exemplo da estética tropicalista à qual ele se filia. Amigo do artista plástico Hélio Oiticica, criador da instalação Tropicália, de 1967, obra que inspira manifestações nos diversos campos da cultura, o estilo de Macalé aprofunda traços dessa poética para criar uma marca na narrativa da MPB.

Em toda sua carreira, não faz concessões ao mercado e se mantém fiel à estética tropicalista. Somam-se a isso os diversos vetos da censura impostos à sua obra pela ditadura militar nos anos 1970, a exemplo do disco Banquete dos Mendigos, de 1974. Recebe da crítica a legenda de "maldito", com a qual passa a ser identificado. Tal rótulo, segundo Macalé, revela a incompreensão de sua obra e ajuda a promover durante anos o boicote da indústria fonográfica e da mídia ao seu trabalho.

Com o primeiro disco, o compacto duplo Só Morto, gravado em 1969, ele passa a assinar nas décadas seguintes uma discografia pouco extensa, mas de muita originalidade. Suas composições evocam uma poética que se vale da experimentação e da irreverência. Sua voz sincretiza dicções do blues, da bossa nova e do samba do morro, configurando a marca singular de sua interpretação. Não menos singular é a maneira como executa o violão, às harmonias dissonantes somam-se levadas rítmicas que exploram possibilidades percussivas do instrumento. Em sua trajetória, destacam-se parcerias com Waly Salomão - com quem cria o movimento Morbeza Romântica -, Torquato Neto, Capinam, Duda, Xico Chaves, Vinicius de Moraes e Moreira da Silva, companheiro das incursões de Macalé pelo samba de breque. Entre seus intérpretes destaca-se Gal Costa com a gravação antológica de Vapor Barato, em 1971,no disco gravado ao vivo, Gal a Todo Vapor, parte da trilha sonora do filme Terra Estrangeira, 1995, de Walter Salles. Um ano depois, a canção chega às novas gerações do público na interpretação do grupo O Rappa. Nos anos 1980, sua música Gotham City é revisitada pelo pop rock nacional em gravação do grupo Camisa de Vênus.

Além dos trabalhos em disco, Macalé nos anos 1970, dedica-se à composição para o cinema, a exemplo de sua trilha para o filme Amuleto de Ogum, de Nelson Pereira dos Santos, em 1974. Entre os efeitos dessa trilha, está a bricolagem sonora que utiliza a gravação de ruídos de um trem e sons percussivos gerados por uma bateria.

Nota
1 Caetano Veloso embarca para o exílio em Londres em meados de 1969 e convida Jards Macalé para fazer a produção de seu disco Transa. A cidade é centro da cultura pop da época, e o reggae que ecoa em Portobello Road, rua onde pulsa a cena musical e cultural, é notado por Caetano e Macalé. A faixa Nine Out of Ten faz referência direta ao reggae, sintetizado a ritmos brasileiros. Entretanto, o álbum, que segue a estética tropicalista, extrapola a experiência dessa faixa.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Shows musicais 10

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Jards Macalé - Álbum Itaú Cultural - Série +70 (2013)
Itaú Cultural

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • ANTUNES, Alex. "Jards Macalé". In: Rolling Stone Brasil, Maio de 2010, n. 44, p.78.
  • CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2000.
  • CAMPOS, Augusto de. Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo, Perspectiva, 1993.
  • FAVARETTO, Celso. Jards Macalé. In: NESTROVSKI, Arthur (Org.). Música popular brasileira hoje. 2. ed. São Paulo: Publifolha, 2002, pp. 127-129.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Popular Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora,1977. 2 v.
  • PIMENTEL, João. Jards Macalé. Rio de Janeiro: Memória Visual : Folha Seca, 2007.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • VELOSO, Caetano. Verdade Tropical. Companhia das Letras, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: