Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Nelson Sargento

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.05.2021
25.07.1924 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
27.05.2021 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Nelson Mattos (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1924 - Idem, 2021). Compositor, cantor, artista plástico, escritor e ator. Seu envolvimento com o samba desde os anos 1940, especialmente na escola de samba Estação Primeira de Mangueira, fazem dele uma figura importante para as transformações do gênero, para a evolução do Carnaval carioca e para a ...

Texto

Abrir módulo

Nelson Mattos (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1924 - Idem, 2021). Compositor, cantor, artista plástico, escritor e ator. Seu envolvimento com o samba desde os anos 1940, especialmente na escola de samba Estação Primeira de Mangueira, fazem dele uma figura importante para as transformações do gênero, para a evolução do Carnaval carioca e para a história da música brasileira. Apelidado de “filósofo do samba”, grava composições incompletas do compositor Cartola (1908-1980). O vozeirão grave do cantor é uma marca do samba: a elegância de sua interpretação torna-se uma assinatura inconfundível para os amantes do ritmo. A rouquidão que caracteriza sua voz compensa a extensão limitada e evoca a tradição boêmia de mestres como o cantor e compositor Nelson Cavaquinho (1911-1986)

O contato com o samba começa cedo. Nelson desfila desde os 9 anos pela Escola Azul e Branco, do Morro do Salgueiro, onde vive com a mãe e os 17 irmãos. Quando completa 12 anos, a família se muda para o Morro da Mangueira. A mãe se envolve com o compositor de fado e pintor de parede português Alfredo Lourenço (1885-1957), conhecido como Alfredo Português. Nelson o acompanha nos ensaios da extinta Escola Unidos da Mangueira. Aprende a tocar violão com mestres do samba como Cartola, Nelson Cavaquinho e o compositor Geraldo Pereira (1918-1955). Por influência do padrasto e do compositor Carlos Cachaça (1902-1999), integra a ala de compositores da Mangueira em 1942.

Em parceria com Lourenço, compõe dois sambas-enredos para a Mangueira, que vencem o Carnaval: “Apologia ao Mestre” (1949) e “Plano Salte – Saúde, Lavoura, Transporte e Educação” (1950). O samba “Cântico à Natureza” ou “As Quatro Estações do Ano” (1955), composto por Nelson, Lourenço e o sambista Jamelão (1913-2008), é considerado um dos mais bonitos da história da escola verde e rosa, por causa da poesia que relaciona os movimentos da natureza às estações do ano e ao próprio desfile das escolas de samba na avenida. Diz a letra: “Brilha no céu o astro-rei / com fulguração / abrasando a terra / anunciando o verão / outono / estação singela e pura / é a pujança da natura / dando frutos em profusão / inverno / chuva, geada e garoa / molhando a terra / preciosa e tão boa / desponta / a primavera triunfal / são as estações do ano / num desfile magistral”.

Aos poucos, Nelson ascende na Mangueira. Em 1958, torna-se presidente da ala dos compositores. Em 2013, é homenageado com o cargo de presidente de honra da escola. Nos desfiles de 2019 e 2020, ganha papel de destaque, desfilando como personagens protagonistas do enredo: Zumbi dos Palmares e o carpinteiro José (pai de Jesus Cristo), respectivamente.

Nos anos 1960, frequenta as rodas de samba do bar Zicartola, de Cartola e sua companheira, a sambista Dona Zica (1913-2003). Em 1965, ganha visibilidade ao participar do show Rosa de Ouro, produzido por Hermínio Bello de Carvalho (1935), com participação de artistas como os cantores Paulinho da Viola (1942), Elton Medeiros (1930-2019) e Jair do Cavaquinho (1922-2006). As apresentações resultam no lançamento de dois LPs. Com esses três artistas e também com os cantores Anescarzinho do Salgueiro (1929-2000), Zé Keti (1921-1999) e José da Cruz (1927?), integra o grupo Voz do Morro, que lança três álbuns entre 1965 e 1966. Com o grupo Os Cinco Crioulos, com formação que mistura integrantes do Rosas de Ouro e do Voz do Morro, grava três álbuns entre 1967 e 1969.

Em 1979, lança o seu primeiro LP solo, Sonho de um Sambista, que traz sua composição mais notória, “Agoniza mas Não Morre”, um clássico do samba, inspirado na resistência que o ritmo impõe aos preconceitos. Na letra, Nelson diz que o samba sofre repressão nos botequins, nas esquinas e terreiros: “Agoniza, mas não morre / Alguém sempre te socorre / Antes do suspiro derradeiro”. A cantora Beth Carvalho (1946-2019) trata a composição como o hino nacional dos sambistas. Ela é a primeira a gravar a canção, em 1978, no álbum De Pé no Chão.

Outro clássico de seu repertório é “Falso Amor Sincero” (1979). O cantor Martinho da Vila (1938) diz que seu verso preferido na obra de Nelson Sargento está na letra desse samba: “O nosso amor é tão bonito / Ela finge que me ama / E eu finjo que acredito”.

Paralelamente à carreira de músico, desenvolve aptidão para artes plásticas e literatura. A convivência com Lourenço o estimula a pintar quadros. Pinta o apartamento do jornalista e compositor Sérgio Cabral (1937), que o estimula a organizar uma exposição com sete quadros, em 1973. Nessa fase, suas pinturas são abstratas. Em um segundo momento, ele passa a retratar o cotidiano das favelas cariocas, e sua obra é comparada com a do artista Heitor dos Prazeres (1898-1966). Em 2019, 14 quadros seus são expostos no Espaço Favela do festival Rock in Rio.

Nelson também tem livros de poesia publicados. O primeiro, Prisioneiros do Mundo (1994), é lançado por insistência de sua mulher e empresária, Evonete Belizário. Sua obra poética inclui reflexões existenciais e temas relacionados à natureza. A inspiração, tanto para as composições como para as poesias, é a vivência nas ruas e a boemia. Para ele, a diferença entre os dois tipos de criação é que nas músicas a história se desenvolve em oito versos, enquanto na poesia o enredo se desenvolve em várias frases.

A longevidade e a produtividade de Nelson Sargento tornam o compositor um ícone na história do samba. Suas composições são gravadas por alguns dos principais intérpretes do gênero, e versos de suas músicas passam a ser celebrados como clássicos que atravessam décadas.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: